Passagens

Presidente da Urbana-PE considera que 'serviço de ônibus não é ruim'

Luiz Fernando Bandeira disse ainda que está mantida a proposta de aumento de 16,18% no valor das passagens

JC Online
JC Online
Publicado em 25/01/2019 às 13:28
Analise
Foto: Felipe Ribeiro / JC Imagem
O presidente da Urbana-PE também disse que a intenção é de aumentar a porcentagem para 100% de usuários utilizando o Vale Eletrônico Metropolitano (VEM) - FOTO: Foto: Felipe Ribeiro / JC Imagem
Leitura:

Em entrevista à imprensa nesta sexta-feira (25), após à reunião do Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM), o presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana-PE), Luiz Fernando Bandeira, defendeu o reajuste de 16,18% no valor das passagens, pois o "serviço de ônibus não é ruim".

Quando questionado sobre as melhorias que justifiquem um possível aumento, Bandeira afirmou que "sempre temos melhorias. Está prevista a colocação de ônibus mais novos em 2019 e existem 300 ônibus com ar-condicionado. O serviço de ônibus não é ruim, eu ando regularmente de ônibus para verificar como está o nosso serviço". Ainda segundo o presidente, a frota atual é de 2700 veículos.

Fernando Bandeira comentou também a questão inflacionária. "Nós temos ainda processo inflacionário no nosso país e temos visto que há queda na demanda [de passageiros], esse ano há uma projeção de diminuição de 5% na demanda. Tudo isso, junto com o aumento dos insumos, acarreta um realinhamento tarifário. Tudo aumenta no país, luz, água, tem que aumentar também o transporte", afirmou.

Nova reunião para discutir reajuste

Uma nova reunião do Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM) está marcada para o dia 12 de fevereiro deste ano, para discutir o aumento das passagens de ônibus do Grande Recife. Nesta sexta-feira (25), os conselheiros se reuniram na sede da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação, no bairro da Iputinga, na Zona Oeste do Recife, mas, devido a uma decisão judicial, estavam proibidos de discutir e aprovar o reajuste.

Últimas notícias