CONTORNO VIÁRIO

Relembre histórico de problemas nas obras da BR-101 no Grande Recife

Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta, operação para investigar suspeitas de desvios nas obras. Problemas foram revelados por várias reportagens do JC

Marcelo Aprigio
Marcelo Aprigio
Publicado em 13/11/2019 às 12:17
Notícia
Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Leitura:

Não são novos os problemas das obras do Contorno Viário da Região Metropolitana do Recife (RMR) investigados pela 'Operação Outline', deflagrada pela Polícia Federal (PF) na manhã desta quarta-feira (12). A ação policial conta com a atuação de 50 policiais, que cumprem dez mandados de prisão em bairros do Recife e em Jaboatão dos Guararapes.

Em 2 de outubro de 2017, o Jornal do Commercio ouviu especialistas em mobilidade de urbana que apontaram erros dos governos Federal e Estadual na execução das obras da BR-101. À época, o professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Maurício Pina criticou a escolha de asfalto, tecnicamente chamado de CBUQ, para toda extensão da via foi feita por ser um material mais barato.

“Isso é o mais lamentável. O governo simplesmente escolhe o tipo de pavimento pensando em economizar, de se ajustar à falta de recursos. Mas é preciso lembrar que o pavimento flexível tem uma vida útil muito menor do que o pavimento de concreto. O asfalto, com a manutenção correta, não passa de dez anos, enquanto o concreto chega a 20 anos”, argumentou Maurício Pina.

Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Na manhã desta quinta-feira (22), a pista norte da BR-101 foi interditada - Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Está sendo realizada uma obra de restauração e requalificação de um trecho de 500 metros - Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Foto: Bruno Campos/TV Jornal
A obra vai do quilômetro 82,3 até o quilômetro 81,6, em Jaboatão dos Guararapes - Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Com isso, o viaduto da BR-101 em Jaboatão precisou ser interditado - Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Os trabalhos devem ser concluídos até o início de outubro - Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Foto: Bruno Campos/TV Jornal
Até lá, o motorista vai precisar exercitar muito a paciência - Foto: Bruno Campos/TV Jornal

“O contorno da BR-101 é da primeira metade da década de 1970, ou seja, deveria ter sido substituída há 20 anos. E isso porque é de concreto. Os trechos mais destruídos são, exatamente, aqueles onde se colocou o asfalto sobre as placas de concreto”, alertou Pina. A opção pelo pavimento em concreto, entretanto, significaria duplicar o valor do projeto, aproximadamente.

Coube ao então diretor de operações e construções do Departamento de Estradas de Rodagem de Pernambuco (DER-PE), Silvano Carvalho, fazer a defesa do projeto de restauração do contorno urbano da BR-101. “É importante explicar que está sendo adotado o mesmo pavimento utilizado na duplicação da BR-101 Sul e Norte, que tem qualidade. Serão 16 centímetros de asfalto. Estamos removendo as placas danificadas e o que existe embaixo dela. Poderemos reconstruir de 40 centímetros a 1,5 metro de área até alcançar o nível da pista”, disse o diretor na época.

Após Maurício Pina criticar a execução das obras, três entidades nacionais de engenharia com representação em Pernambuco se uniram para apontar os erros que os governos cometeram nas obras de restauração dos 30,7 quilômetros do Contorno Viário da RMR, entre Abreu e Lima e Jaboatão dos Guararapes

Os alertas foram feitos pela Associação Brasileira de Engenheiros Civis em Pernambuco (Abenc-PE), a Associação dos Engenheiros de Segurança do Trabalho de Pernambuco (Aespe) e o Sindicato dos Engenheiros de Pernambuco (Senge) e apontavam, basicamente, os mesmos erros: o primeiro e mais grave é a escolha do asfalto para substituir o que restou das placas de concreto implantadas 44 anos atrás, quando o contorno foi construído. Depois, o modelo de contratação escolhido, que na avaliação técnica não é o adequado e dificultará a fiscalização da obra, o que é alvo da Operação 'Outline' deflagrada pela PF nesta quarta.

Em resposta ao alerta da entidades, o secretário de Transportes de Pernambuco em exercício na época, Antônio Cavalcanti Júnior disse que os custos dimensionados pelas entidades de engenharia não representam a realidade. “É ilusória a afirmação de que seria possível trocar as 20 mil placas que compõem os 30 quilômetros do contorno urbano da BR-101 por concreto (pavimento rígido) gastando apenas R$ 100 milhões. A tabela da Emlurb citada pelos engenheiros não pode ser considerada para rodovias. Somente para retirar todas as placas do contorno seriam necessários R$ 50 milhões. Serão gastos R$ 119 milhões somente para refazer as duas pistas com a técnica do pavimento semi-rígido”, rebateu Cacildo Cavalcante.

Depois de ser criticada por entidades nacionais de engenharia e professores da UFPE, receber do Tribunal de Contas do Estado (TCE) um alerta de má condução e uma medida cautelar suspendendo uma etapa da licitação, em 16 de abril de 2018, as obras voltaram a chamar atenção por supostas irregularidades. Dessa vez as obras voltaram a ser questionadas por, segundo os auditores do TCE, ter irregularidades na contratação de aditivos ao contrato, fuga à licitação e realização de serviço sem cobertura contratual.

As desconfianças foram tantas que levaram a conselheira do TCE-PE Teresa Duere a emitir, após análise técnica, um novo alerta de responsabilização à então gestão do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PE), braço do governo do Estado que gerencia a obra. O modelo de contrato da restauração da rodovia é o chamado Regime Diferenciado de Contratação (RDC), que não permite qualquer tipo de aditivo porque, nele, a empresa responsável pela execução dos trabalhos é a mesma que elabora o plano básico. Ou seja, quem executa também projeta. Por isso, não há desculpas para falhas técnicas ou de planejamento, já que toda a responsabilidade é de um único consórcio ou empresa.

Consequências

Na visão dos auditores do TCE-PE,  a execução das obras trouxe prejuízo para a sociedade porque quando se adita um contrato significa que os preços por aquele serviço não foram submetidos ao mercado. Assim, as chances de se estar pagando mais caro existe porque o consórcio construtor vai subcontratar uma empresa especializada. Se houvesse a concorrência pública para a realização dos serviços, os valores poderiam ser menores. Da forma como foi feito, era uma contratação desfavorável para o serviço público.

Na leitura dos técnicos, os gestores da obra deixaram a situação se tornar emergencial para só então agir. Um claro sinal de que houve falha de planejamento.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias