DESAPARECIMENTO

Família faz campanha nas redes sociais para encontrar menina raptada pelo pai em Olinda

A criança está desaparecida desde o dia 10 de julho. Página Vamos Encontrar Júlia, no Facebook, já conta com mais de seis mil curtidas

JC Online
JC Online
Publicado em 19/07/2016 às 12:29
Foto: Divulgação
A criança está desaparecida desde o dia 10 de julho. Página Vamos Encontrar Júlia, no Facebook, já conta com mais de seis mil curtidas - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

A família de Júlia Cavalcanti de Alencar está fazendo uma campanha nas redes sociais para tentar encontrar a criança de 1 ano e 9 meses que foi raptada pelo pai no dia 10 de julho.  No Facebook, a página Vamos Encontrar Júlia já conta com mais de seis mil curtidas. Usuários se mostraram solidários compartilhando as publicações com as fotos da menina e enviando mensagens de apoio para a família. 

"Nossa, como um pai pode fazer isso? Tirar uma criança do convívio de sua mãe, muita crueldade. Mas vamos rezar e pedir a Deus que coloque discernimento no coração desse pai", disse a usuária Sandra Castro.

Nesta segunda-feira (18), as investigações sobre desaparecimento passaram para a delegada  Gleide Ângelo, lotada na Delegacia de Homicídios de Olinda. Antes, o caso estava sob responsabilidade do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA), que já tinha ouvido cinco pessoas entre amigos dos pais da bebê e parentes próximos a Júlia. Ninguém teve contato com Janderson Rodrigo Salgado de Alencar, 29, desde a data do desaparecimento. 

VIAJANTE - Em sua conta no Facebook, o pai da criança mostrava-se como uma pessoa que estava sempre viajando. No período anterior ao mês de abril, ele publicou fotografias de viagens que fez para diversos países, incluindo lugares muito distantes como a Tailândia. Em uma das fotos, o suspeito mostrou a tatuagem com um mapa mundial que tem nas costas. A imagem foi repostada pela família de Júlia no Instagram para ajudar na identificação dele.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias