Mostra

Recifest divulga curtas selecionados

Sexta edição do festival anuncia filmes da mostra competitiva

Erika Muniz
Erika Muniz
Publicado em 04/10/2018 às 11:37
Foto: Paulo Fuga/ Divulgação
Sexta edição do festival anuncia filmes da mostra competitiva - FOTO: Foto: Paulo Fuga/ Divulgação
Leitura:

Um dos principais eventos de temática LGBTQ de Pernambuco, o Recifest – Festival de Cinema de Diversidade Sexual e de Gênero, chega a sua sexta edição. No Recife, a programação acontece entre os dias 20 e 24 de novembro, no Cinema São Luiz. Posteriormente, o festival se estende ao município de Nazará da Mata, entre os dias 4 a 7 de dezembro. Toda a programação é gratuita.

A partir da seleção de uma comissão julgadora, formada pelos especialistas André Antônio (presidente), Anthony Ribeiro, Carol Almeida, Julia Katherine e Henrique Rodrigues Marques, a lista dos filmes que participarão da mostra competitiva do festival foi anunciada ontem. De todos os inscritos, foram escolhidos 26 curtas – sete deles são produções pernambucanas.
“A escolha foi bem difícil, pois foram inscritos mais de 150 filmes, mas estamos muito feliz. Com essa programação de curtas, o festival se mostra relevante por ter filmes narrativamente muito bons, que realmente experimentam em questões de imagem. Além de ser um festival que trata de questões LGBTQ, este ano, traz várias realizadoras, como Érica Sarmet, com o filme Latinfundio, Bárbara Cabeça, que é do Ceará, Carla Villa-Lobos, de Pernambuco tem Sylara Silvério e uma diretora trans, Galba Gogóia. Além das direções coletivas”.

Categorias

Entre as categorias, os filmes que participam da mostra competitiva concorrem em: Produção Pernambucana, para obras realizadas dentro do Estado, com empresa produtora e diretores locais, e Produção Nacional, para as desenvolvidas em todo o território nacional, inclusive, Pernambuco. Eles concorrerão aos troféus Rutílio de Oliveira e premiações em dinheiro. O festival contempla outros prêmios, como o Mistika, com mais R$ 9.000 em serviços para diretores e produtores e o Looke, que escolherá três filmes para participar da plataforma de streaming por dois anos, de forma remunerada.

O público presente também poderá votar para escolher suas obras preferidas através de um formulário que será entregue nos dias de exibição dos filmes. Os vencedores de cada uma das categorias na votação popular também receberão troféus e prêmio em dinheiro. O projeto é Realizado pela Panela Produções Artísticas (Rosinha Assis), e Casa de Cinema (Carla Francine) e conta com incentivo do Funcultura, do Governo de Pernambuco.

“A comunidade LGBTQ não se vê representada nos meios audiovisuais, principalmente no mainstream, na mídia e na televisão. Ainda é muito pouco. Em filmes pops ou séries sempre há muitos héteros, a maioria dos personagens gays são secundários. Em um festival como o Recifest, a gente é protagonista. A gente está no centro de todas as histórias, todos os curtas e longas estamos no centro. Além disso, há uma qualidade estética muito forte nos filmes. A gente está ocupando não só tematicamente esses produtos audiovisuais, mas também está criando uma forma e é uma forma de resistência. Já era relevante por trazer essas questões de representatividade, mas os filmes são desafiadores, experimentais e que estão ousando em várias direções”, pontua André Antônio sobre a relevância do festival. Mais informações aqui.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias