Bial critica 'Democracia em Vertigem', dizendo que é insuportável e que Petra Costa choraminga o filme todo

'Eu dei muita risada', disse Bial

Foto: Reprodução/YouTube
'Eu dei muita risada', disse Bial - FOTO: Foto: Reprodução/YouTube

O apresentador da TV Globo, Pedro Bial, expressou a sua opinião sobre o filme Democracia em Vertigem, que fala sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e a prisão do ex-presidente Lula (PT), em uma entrevista ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha. Bial classificou o filme como "insuportável" e disse que chorou durante toda a trama.

>> 'Democracia em Vertigem' entra na lista de melhores do New York Times

Podcast O Fato É discute o filme de Petra Costa:

"Eu dei muita risada. É um 'non sequitor' atrás do outro", argumentou. A expressão 'non sequitor' é latina e tipifica um discurso cujas conclusões não decorrem das premissas.

"(O filme) vai contando as coisas num pé na bunda danado", afirmou. O apresentador levantou críticas à "narração miada, insuportável, onde ela (Petra Costa, diretora e narradora) fica choramingando o filme inteiro. É um filme de uma menina dizendo para a mamãe dela que fez tudo direitinho, que ela está ali cumprindo as ordens e a inspiração de mamãe, somos da esquerda, somos bons, não fizemos nada, não temos que fazer autocrítica. Foram os maus do mercado, essa gente falsa, homens brancos, que nos machucaram e nos tiraram do poder, porque o PT sempre foi maravilhoso e Lula é incrível", explicou.

>> Igor Maciel: Democracia em Vertigem usa uma narrativa de desencanto adolescente

Pedro Bial citou ainda a aparição da mãe da diretora, uma ativista contra a ditadura militar, na história. "É uma ficção alucinante. É mais que maniqueísmo, é uma mentira", atacou o apresentador que, também, destacou os méritos técnicos que o Democracia em Vertigem tem. "É uma história bem contada". "Depois que vi a indústria Americana (outro dos indicados), acho que a Academia dá o prêmio ao filme brasileiro", contou, ligando sua fala ao sírio For Sama como outra história que tem potencial para ser premiada no Oscar.

>> Políticos repercutem indicação de 'Democracia em Vertigem', de Petra Costa, ao Oscar 2020

Outras produções anteriores de Costa foram elogiadas pelo apresentador do Conversa com Bial. "Eu acho bacana que ela possa fazer o filme dela, é uma ótima cineasta. Elena (2012), o primeiro filme dela, é bem urdido, profundo, bem contado", frisou.

Petra Costa é criticada pela Secom

A Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) publicou uma postagem no Twitter nesta segunda-feira (3), criticando a cineasta Petra Costa por "denegrir uma nação" com o seu documentário, Democracia em Vertigem, que trata dos fatos que resultaram na chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Em um vídeo postado em sua conta oficial, a Secom sustenta que a cineasta "assumiu o papel de ativista anti-Brasil" e questiona algumas declarações dela durante entrevista concedida no fim de semana a um canal americano.

A peça, de quase três minutos, mostra a diretora afirmando que desde a chegada de Bolsonaro ao poder, em janeiro de 2019, aumentou o número de mortes em ações policiais no estado do Rio de Janeiro e que o presidente incentiva fazendeiros a invadir terras indígenas e queimar a floresta amazônica. A Secom inseriu legendas para questionar vários destes argumentos.

Em uma série de tuítes em português e inglês, a secretaria repetiu as críticas e acrescentou: "é incrível que uma cineasta possa criar uma narrativa cheia de mentiras e prognósticos absurdos a fim de denegrir uma nação só porque não aceita o resultado das eleições".

Petra Costa disputa Oscar de melhor documentário com 'Democracia em Vertigem'

Petra Costa, de 36 anos, disputa o Oscar de melhor documentário com "Democracia em Vertigem", uma produção da Netflix, na qual faz uma retrospectiva de um ponto de vista pessoal dos eventos recentes que marcaram a política brasileira. 

>> Veja os indicados ao Oscar 2020

A fita, de duas horas, narra a chegada da esquerda ao poder com Luiz Inácio Lula da Silva ao poder, em 2003, o impeachment de sua sucessora, Dilma Rousseff, em 2016, a prisão de Lula em 2018 por corrupção e a ascensão de Bolsonaro. 

Escute o podcast O Fato É sobre o filme de Petra Costa:

Petra tem uma longa carreira como documentarista. Seu filme de estreia, "Olhos de Resssaca" (2009), foi exibido no Moma de Nova York e ganhou, entre outros, o prêmio de melhor curta-metragem no London International Documentary Festival. Seguiram-no "Elena" (2012) e "O Olmo e a Gaivota" (2015), ambos igualmente premiados. 

Na cerimônia do Oscar no próximo domingo (9), "Democracia em Vertigem" competirá com outros quatro indicados ("American Factory", "The Cave", "For Sama" e "Honeyland").  

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias