neymar

Imóveis de Neymar são bloqueados pela Justiça por sonegação fiscal

A Justiça bloqueou 36 imóveis de Neymar nesta segunda-feira por sonegação fiscal por parte do jogador. Mansões servem para o camisa 10 da seleção, sua família e suas empresas

JC Online
JC Online
Publicado em 17/06/2019 às 11:27
Notícia
CBF/Divulgação
A Justiça bloqueou 36 imóveis de Neymar nesta segunda-feira por sonegação fiscal por parte do jogador. Mansões servem para o camisa 10 da seleção, sua família e suas empresas - FOTO: CBF/Divulgação
Leitura:

Além de encarar as acusações de estupro e crime digital, Neymar teve parte de seus bens bloqueados pela Justiça por sonegação fiscal. O craque da seleção brasileira, que está lesionado e não disputa a Copa América, teve 36 imóveis bloqueados em processo de sonegação que quer levar R$ 69 milhões do jogador. São imóveis do atleta, da família e de suas empresas.

MANSÕES

Entre os bloqueios estão duas mansões no Guarujá, que juntas têm 3.000m² de área. São imóveis utilizados pela família do jogador, compradas em 2011 e que valem cerca de R$ 14 milhões, o dobro do valor investido pela família de Neymar oito anos atrás. Vale lembrar que naquela temporada Neymar foi contratado pelo Barcelona. O bloqueio não permite negociações a partir desta segunda-feira, mas os bens continuam liberados para serem utilizados. A ideia é fazer Neymar pagar os impostos à Receita Federal quando o processo finalizar.

Neymar certamente não vive seu melhor momento na carreira. Encara uma sequência de lesões, que não permitem que o jogador tenha uma sequência no PSG e na seleção brasileira. Nos bastidores do futebol, o camisa 10 do Paris responde por acusação de estupro, crime digital por divulgar imagens da modelo que o acusa, e agora tem parte de suas fortuna bloqueada pela Justiça. A imagem de Neymar está manchada e alguns patrocinadores já cancelaram a parceria com o atleta.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias