Soluções caseiras

Técnico revela que Náutico não deve contratar para repor desfalques no ataque

Gilmar Dal Pozzo revelou o desafio de encontrar soluções dentro do elenco alvirrubro

Fernando Castro
Fernando Castro
Publicado em 23/02/2020 às 16:14
Notícia
Léo Lemos/Náutico
Jogadores do Náutico tiveram férias ampliadas - FOTO: Léo Lemos/Náutico
Leitura:

O Náutico vem sofrendo com lesões neste início de temporada e os jogadores do ataque têm sido as principais vítimas. Em menos de um mês, os atacantes Álvaro e Matheus Carvalho romperam o ligamento do joelho e vão desfalcar a equipe por pelo menos seis meses. Já o centroavante Kieza rompeu os ligamentos do tornozelo e está em fase final de recuperação. Mesmo com três desfalques de peso no setor ofensivo, o técnico Gilmar Dal Pozzo revelou que a diretoria não deve contratar novos jogadores para repor as ausências.

> Confira a entrevista exclusiva com o meia Jean Carlos, destaque do Náutico no ano

"É lamentar a lesão do Matheus Carvalho e buscar solução dentro do plantel. A própria diretoria passou que dificilmente vai contratar, isso não é uma ideia fechada, então o técnico tem que achar solução, foi feito um planejamento no início da temporada e esse planejamento, independentemente de vitória e derrota vai ser seguido. O técnico tem que encontrar solução nesse plantel. Foi assim que foi planejado e vamos seguir assim", destacou o técnico Gilmar Dal Pozzo.

BASE

As soluções dentro do elenco alvirrubro citadas por Gilmar Dal Pozzo basicamente são os jogadores formados nas categorias de base do Náutico. Para atacantes de lado, por exemplo, o treinador conta em sua maioria com garotos. É o caso de Erick, Júlio, Jefferson Nem, Wanderson e Eric Santos. O experiente Jorge Henrique também pode fazer a função, assim como o centroavante paraguaio Guillermo Paiva. Dessa maneira, o comandante alvirrubro adiantou que vai continuar utilizando do Campeonato Pernambucano para observar o desempenho de alguns atletas.

"Essa mudança de equipe de um jogo para outro, sem tempo para treinar é muito cruel, mas tivemos que encontrar solução, mudando os jogadores, características e encontrando outras formas de padrão de jogo. O estadual é também para isso, dar oportunidades e fazer uma avaliação mais profunda para depois jogar o Campeonato Brasileiro. Que bom que a diretoria também pensa assim e se tiver que testar eu vou dar oportunidades aos meninos da base e outros jogadores do plantel", completou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias