WSL

Surfe: Medina e Filipe Toledo estreiam com vitória na França

Evento é o nono dos 11 previstos no Mundial de Surfe

Luana Ponsoni
Luana Ponsoni
Publicado em 03/10/2019 às 15:15
WSL/Divulgação
Evento é o nono dos 11 previstos no Mundial de Surfe - FOTO: WSL/Divulgação
Leitura:

Líder e vice-líder do ranking, nessa ordem, Gabriel Medina e Filipe Toledo começaram bem a disputa da etapa francesa do Circuito Mundial de Surfe. Nesta quinta-feira (3), eles venceram suas baterias de estreia no 9º evento dos 11 previstos no ano. Com os resultados, os brasileiros conseguiram avançar direto à terceira fase.

Para passar por sua bateria, Medina conseguiu notas 7 e 7,4 nas melhores ondas que pegou, somando 14,4 pontos. O compatriota Michael Rodrigues conseguiu 11,87, ficando em segundo, o que também garantiu a sua passagem à terceira fase, à frente do francês Marcos Mignot, com 11,04. Nesse caso, o terceiro lugar vai à segunda fase (repescagem).

Já Filipe Toledo obteve 6,33 e 6,30 como melhores notas. Assim, com 12,63 pontos, ganhou a bateria diante dos franceses Joan Duru, com 12,60, e de Marc Lacomare, com 9,74.

MAIS BRASIL

Italo Ferreira também triunfou em sua bateria, com 11,94. Ele ficou à frente do português Frederico Morais, com 10,10, e do compatriota Caio Ibelli, que agora disputará uma das baterias da repescagem, assim como Jadson André, que fez 9,47, diante dos australianos Julian Wilson (11,44) e Adrian Buchan (9,57).

Peterson Crisanto foi outro brasileiro a vencer na primeira fase, com o somatório de 13,84. Ele deixou para trás o australiano Ryan Callinan e o compatriota Deivid Silva, que também participará da repescagem na França.

Segundo em sua bateria, Yago Dora, que fez um somatório de 14,33, passou de fase com o italiano Leonardo Fiorovanti, que venceu a disputa com 14,40 - o norte-americano Kolohe Andino, com 14,00, foi o terceiro dessa bateria.

William Cardoso também se classificou em segundo, com 13,34, após ser batido por Owen Wright, com 15,10, e superar Ricardo Christie, com 7,94, sendo ambos da Austrália. Foi o mesmo caso de Jesse Mendes, com 11,67 diante dos norte-americanos Kelly Slater (13,84) e Conner Coffin (9,94).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias