VIOLÊNCIA

Presidente do Santa Cruz diz que clube fará de tudo para coibir violência das Organizadas

Constantino Júnior repudiou o tumulto promovido por torcedores do Sport no aniversário coral

Marcos Leandro
Marcos Leandro
Publicado em 04/02/2020 às 18:44
Notícia
Leitura:

A noite desta segunda-feira (3) no Recife foi marcada por um ataque de Torcida Organizada do Sport a um grupo de torcedores do Santa Cruz que festejava os 106 anos de vida do clube, no Largo da Santa Cruz, na Boa Vista. O cenário, que prioritariamente seria de festa tricolor, deu lugar a cenas de violência e selvageria - inclusive com relatos de tiros -, ferindo muita gente.

DISCORDÂNCIA DE OPINIÃO

Em entrevista ao Jornal do Commercio e Blog do Torcedor, o presidente do Santa Cruz, Constantino Júnior, repudiou a atitude dos membros da organizada. “Pessoas que estavam apenas comemorando o aniversário do seu clube de coração foram agredidos de forma covarde. Você imagina o trauma para aquelas crianças que estavam com a camisa do seu clube de coração e jogando futebol. É de cortar o coração. O que for necessário para coibir a violência entre facções será feito pelo Santa Cruz”, diz o mandatário.

Nesta segunda-feira, o diretor de marketing do Santa Cruz, Guilherme Leite, destacou que o clube iria dar todo o suporte aos feridos - especialmente às crianças. E o discurso foi reforçado pelo presidente coral. “Temos o papel de acolher as pessoas agredidas, principalmente as crianças. Quem tava ontem é porque gosta do seu clube de coração. Então a gente vai organizar um evento, trazer essa criançada para o Arruda e fazer a divulgação. Repudiamos o ato covarde ontem e vamos fazer de tudo para não deixar nenhuma sequela. A gente tem que fazer de tudo para não afastar as pessoas de bem”, explica o presidente.

Em entrevista na manhã desta terça-feira (4) a Rádio Jornal, o presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho, lamentou que a polícia militar tenha atirado para cima com o intuito de dispersar os vândalos. Na opinião do mandatário, os policiais deveriam ter mirado em quem estava fazendo a confusão.

Questionado se esse era o caminho ideal para acabar com a violência causada pelas organizadas, o presidente do Santa Cruz afirmou não compactuar com a ideia. “Acho que a frase foi muito forte. Não compactuo com violência para combater violência. O Estado tem condição para resolver isso e acho que os clubes também podem oferecer uma questão de leitor biométrico para que o torcedor possa se identificar, por exemplo. Acho que é preciso ser firme e forte e, sem dúvida alguma, dar punição. Não podemos deixar isso impune de jeito nenhum. Agora não acho que precisamos atirar e matar quem quer que seja”, destaca Constantino.

VÍNCULO

Ao ser perguntado se o Santa Cruz tinha algum vínculo oficial com a Inferno Coral - principal organizada do clube - ou com outro grupo, o presidente foi taxativo e afirmou que não há relação. “Não, o Santa Cruz não tem nenhum vínculo. Não promove festas e qualquer coisa relacionada com a organizada. A gente respeita o que é feito nas arquibancadas, mas não tem relação com o nosso clube”, finaliza.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias