Oriente Médio

ONU denuncia violação dos direitos humanos na Líbia

Relatório da ONU denuncia sequestros de civis, torturas e execuções, assim como possíveis "crimes de guerra"

Da AFP
Da AFP
Publicado em 23/12/2014 às 12:12
Foto: AFP
Relatório da ONU denuncia sequestros de civis, torturas e execuções, assim como possíveis "crimes de guerra" - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Os recentes combates na Líbia provocaram a morte de centenas de civis e obrigaram centenas de milhares de pessoas a fugir de suas casas, afirmou nesta terça-feira a ONU, que pediu o julgamento das violações aos direitos humanos.

Um relatório conjunto do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos e a missão da ONU na Líbia (Unsmil) denuncia sequestros de civis, torturas e execuções, assim como possíveis "crimes de guerra".

"As violações (dos direitos humanos) continuam, com total impunidade. Não foram realizados esforços para detê-las", afirmou o porta-voz do Alto Comissariado, Ravina Shamdasani.

Segundo a porta-voz, muitos casos podem tratar de "crimes de guerra".

Mais de três anos depois da queda de Muamar Khadafi, com a ajuda de países como França, Estados Unidos e Grã-Bretanha, a Líbia vive em meio ao caos.

O país é dirigido por dois Parlamentos e dois governos - um ligado às milícias islamitas e outro reconhecido pela comunidade internacional - que disputam o poder. 

Na segunda-feira, pelo menos 16 pessoas morreram em confrontos entre as forças pró-governo e milícias islâmicas nas cidades de Benghazi e Derna, no leste da Líbia.

As forças leais ao general reformado Khalifa Haftar e a Abdallah al Theni, o primeiro-ministro reconhecido pela comunidade internacional, tentam retomar as cidades das mãos dos islamitas, incluindo Trípoli e Benghazi.

Derna, reduto histórico dos islâmicos radicais no leste da Líbia, se transformou no bastião dos seguidores do Estado Islâmico (EI) na Líbia. Desde 2011, a localidade acolhe combatentes estrangeiros, que são treinados antes de serem enviados para o Iraque, ou para a Síria.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias