DISCURSO

'É uma falácia dizer que a Amazônia é patrimônio da humanidade', diz Bolsonaro na ONU

O presidente brasileiro disse ainda que é um 'equívoco' afirmar que a Amazônia é o pulmão do mundo

JC Online
JC Online
Publicado em 24/09/2019 às 11:27
Notícia
Foto: Reprodução/ONU
O presidente brasileiro disse ainda que é um 'equívoco' afirmar que a Amazônia é o pulmão do mundo - FOTO: Foto: Reprodução/ONU
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em seu discurso na abertura da Assembleia Geral da ONU, na manhã desta terça-feira (24), que o Brasil sofreu "ataques sensacionalistas por grande parte da mídia internacional" em relação à Amazônia e disse ainda que é uma "falácia" afirmar que a floresta é patrimônio da humanidade.

"Problemas qualquer pais os tem, contudo os ataques sensacionalistas que sofremos por grande parte da mídia internacional, devido aos focos de incêndio na Amazônia, despertaram nosso senso patriótico. É uma falácia dizer que a Amazônia é patrimônio da humanidade e um equívoco, como falam os cientistas, afirmar que ela é o pulmão do mundo", falou o presidente.

O chefe do Executivo brasileiro disse que o país rechaça as "tentativas de instrumentalizar a questão ambiental em prol de interesses políticos e econômicos externos, em especial os disfarçados de boas intenções."

Bolsonaro afirmou ainda que seu governo tem compromisso com o desenvolvimento sustentável do Brasil. "Meu governo tem compromisso solene com a preservação do meio ambiente e com o desenvolvimento sustentável em beneficio do Brasil."

O mandatário brasileiro disse também que o Brasil é um dos países que mais protegem o meio ambiente e que fenômenos naturais favorecem as queimadas no país.

"Somos um dos países que mais protegem o meio ambiente. Acontece que nessa época do ano, o clima seco e os ventos favorecem queimadas espontâneas e também as criminosas", falou.

Assista ao discurso de Bolsonaro

França e Alemanha

Em sua fala, Bolsonaro não poupou críticas diretas e indiretas à França e à Alemanha, que se opuseram à política ambiental do governo brasileiro. "Valendo-se de mentiras, um país se portou de forma desrespeitosa e com espirito colonialista, questionando aquilo que nos é mais sagrado, a nossa soberania", disse Jair Bolsonaro em referência à França, cujo presidente, Emmanuel Macron, não descartou pedir status internacional à Amazônia e defendeu sanções ao Brasil na cúpula do G7.

Criticando também a Alemanha, Bolsonaro falou que o Brasil tem política de tolerância zero contra crimes ambientais. "A França e Alemanha, por exemplo, usam mais de 50% do seu território para agricultura, o Brasil usa apenas 8%. 61% do noso território é preservado. Nossa politica é de tolerância zero para criminalidade, incluídos os crimes ambientais"

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias