live semanal

'Moro tem potencial enorme', diz Bolsonaro sobre eleições em 2022

Durante transmissão da sua live semanal, presidente disse que só concorrerá à reeleição 'se eu estiver bem'

Thalis Araújo
Thalis Araújo
Publicado em 26/12/2019 às 22:03
Notícia
Foto: Reprodução
Durante transmissão da sua live semanal, presidente disse que só concorrerá à reeleição 'se eu estiver bem' - FOTO: Foto: Reprodução
Leitura:

Durante a transmissão da sua última live semanal, nesta quinta-feira (26), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a falar das eleições presidenciais de 2022, agora admitindo a possibilidade de Sergio Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, se candidatar ao cargo de chefe do Executivo.

"Moro tem potencial enorme, ele é adorado no Brasil. O pessoal fala que ele vai vir candidato a presidente. Se o Moro vier, que seja feliz, não tem problema, o Brasil vai estar em boas mãos", comentou Bolsonaro, para em seguida desconversar sobre uma possível reeleição. "Não sei se vou vir candidato em 2022 ou não, se eu estiver bem, pode ser que eu venha, se não estiver bem, estou fora."

Polêmicas com o juiz de garantias

Antes de falar sobre as eleições 2022, logo quando iniciou a sua transmissão, Jair Bolsonaro afirmou que aceita críticas à manutenção do juiz de garantias na lei anticrime sancionada por ele esta semana, mas reclamou de comentários que ele chamou de cunho "familiar".

"Aqueles que fizeram críticas construtivas, tudo bem, mas aqueles que foram para a questão pessoal, familiar, aí lamento, sai da minha página. Crítica a gente aceita, sem problema nenhum", comentou o presidente.

>> Entenda o que é o juiz de garantias

Como mostrou o Estadão/Broadcast, especialistas acreditam que o dispositivo mantido na lei anticrime contra a recomendação do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afastará o juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau, da 27.ª Vara Criminal do Rio - à frente da fase de investigação no caso envolvendo o filho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro - da condução de um eventual processo.

Bolsonaro também disse que "90% não sabe o que é juiz de garantias e fica criticando".

Sobre ter contrariado a recomendação de Moro, o mandatário afirmou que já discordou do ministro no passado, mas "a taxa de concordância com ministros é em torno de 95%".

Quando abordou o que chamou de uma tentativa de incluir o seu nome na investigação do assassinato da vereadora do PSOL, Marielle Franco, e do seu motorista, Bolsonaro questionou se a Polícia Civil do Rio de Janeiro estaria "a serviço da Justiça ou de alguém que quer ser presidente". O governador do Estado, Wilson Witzel (PSC), vem sendo alvo frequente de críticas do presidente.

Outro ministro citado por Bolsonaro foi o da Educação, Abraham Weintraub, que, segundo o presidente, "está indo bem" na pasta, "mas não pode fazer milagre".

Confira a live de Bolsonaro

 

Cota de tela

Sobre a cota de filmes nacionais em cinemas do Brasil, o presidente disse que vai fazer filmes "que interessam à maioria da população, e não às minorias". "Esta semana estão batendo em mim sobre cota de tela para filmes brasileiros. O que o pessoal tem de entender é que é uma lei", disse ele.

O governo estabeleceu cotas mínimas que cinemas de todo o País terão de cumprir para exibição de filmes de longa metragem nacionais. O decreto, assinado no dia 24 de dezembro, impõe uma quantidade mínima de dias e de diversidade de títulos que deverá ser atingida em 2020.

A cota imposta a cada empresa proprietária ou arrendatária de salas será calculada de acordo com o número de telas, conforme normas que serão expedidas pela Agência Nacional do Cinema (Ancine). "Estamos tirando o Estado um pouco de lado, agora, vamos fazer alguns filmes, não posso zerar a cota. Agora, filmes diferentes dos que vinham sendo feitos", afirmou.

Segundo Bolsonaro, o governo irá fazer filmes "que interessam, da história do Brasil, da nossa cultura, da nossa arte, que interessa à população como um todo e não às minorias".

"Obviamente que fazendo bons filmes, não vamos precisar de cota mais. Há quanto tempo a gente não faz um bom filme, não é? Não vou entrar nesse detalhe", afirmou. "Aliás, os filmes que estamos fazendo a partir de agora não vai ter mais a questão de ideologia, aquelas mentiras todas de histórias passadas, falando do período 1964 a 1985, mentiras do presente, é sempre confundindo, fazendo a cabeça da população como se esse pessoal da esquerda fossem os mais puros éticos e morais do mundo e o resto fosse o resto. Perderam! Vote melhor nas próximas eleições "

Carnes

Diante do alto preço da carne bovina no País, o presidente disse, na transmissão ao vivo, que determinou que o alimento só fosse servido uma vez por semana no Palácio do Alvorada. "Ah o presidente tem mordomia, tem carne de graça. Tenho carne de graça, não tenho dúvida disso, sem problema nenhum. Mas determinei aqui no Alvorada, na semana passada, carne uma vez por semana, logicamente que a minha esposa mandou passar para duas", disse ele.

>> Bolsonaro deseja Feliz Natal 'mesmo sem carne para algumas pessoas'

>> Veja os tipos de carne que mais sofreram aumento no Grande Recife

Ele rechaçou a hipótese de se tabelar o preço do alimento e disse que o Brasil é um País de livre mercado e que as coisas devem se "acomodar". "A gente resolve o problema, passa a crise. Agora, tabelar, isso não existe. Subsídio, criar imposto, isso não existe", disse.

"Tivemos lá atrás crise de outros alimentos, do tomate, do feijão, devagar o mercado vai se acertando. O pessoal dizendo que o preço do boi subiu porque o dólar estava R$ 4,26, agora tá R$ 4. Outros países estão comprando? Estão, estão fazendo negócio. A questão do pecuarista é isso, passaram nove anos no zero a zero, perdendo, e conseguiram dar uma recuperada agora", afirmou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias