Eleições 2020

Nome mais forte para candidatura própria do PT é Marília Arraes, diz Humberto Costa

O senador petista defende a manutenção da aliança com a Frente Popular, mas não descarta a possibilidade de Marília Arraes disputar uma possível candidatura própria

Ana Gabriela Lima
Ana Gabriela Lima
Publicado em 22/01/2020 às 18:03
HENRY MILLEO / AFP
O senador petista defende a manutenção da aliança com a Frente Popular, mas não descarta a possibilidade de Marília Arraes disputar uma possível candidatura própria - HENRY MILLEO / AFP
Leitura:

O senador Humberto Costa (PT-PE), que defende a aliança com a Frente Popular, encabeçada pelo PSB do governador Paulo Câmara e do prefeito Geraldo Julio, falou, em entrevista à Rádio CBN, das possibilidades de candidatura própria para as eleições municipais de 2020 do Recife, e citou a reunião do diretório nacional do PT, que vai acontecer na próxima terça-feira (28), em São Paulo.

Ele destacou a deputada federal Marília Arraes (PT-PE) como principal nome para disputar uma possível candidatura própria - caso haja essa decisão na reunião do diretório nacional com o ex-presidente Lula. “Se o ato da decisão do partido for ter uma candidatura própria, não há dúvidas de que o nome mais forte que tem circulação na sociedade é o dela”, afirmou o petista.

A reunião citada pelo petista é para discutir as eleições. Estarão presentes o ex-presidente Lula, o presidente da sigla no Recife, Cirilo Mota, o presidente estadual da sigla, Doriel Barros, e a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffman. Além dele e de Marília Arraes.

Humberto fez questão de destacar a sua defesa pela manutenção da Frente Popular e a aliança do PT com o PSB. “Vou defender a continuidade dessa aliança, mas vou respeitar a decisão que seja tomada, qualquer que seja ela”, disse. O senador certificou, ainda, que o ex-presidente Lula quer ter um “debate que envolva todas as partes relevantes desse processo” de decisão da candidatura. “Acho que a opinião dele pesa, e a última palavra vai ser dada pelo diretório nacional”.  

Definição do Grupo de Trabalho Eleitoral

Já em entrevista à Rádio Folha, também nesta quarta-feira (22), o petista informou que o Grupo de Trabalho Eleitoral (GTE) estadual vai ser definido nesta quarta-feira (22) e, a partir disso, as conversas com os partidos de oposição e de esquerda serão iniciadas “para discutir o estado como um todo e os municípios mais importantes”.

“Ainda não tivemos uma conversa PT-PSB porque precisamos que essa discussão seja feita pelos diretórios. O que acontecem são conversas informais. Já conversei com Paulo Câmara sobre o processo eleitoral como um todo, mas nada sistematizado. Por isso, os GTEs estão sendo escolhidos, para conversar com os partidos que são do nosso campo de aliança. 

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias