ASSEMBLEIA

Sexta-feira de decisão sobre greve de professores da rede estadual de Pernambuco

Docentes vão avaliar paralisação, deflagrada na última terça-feira (20), às 9h desta sexta-feira

Margarida Azevedo
Margarida Azevedo
Publicado em 23/10/2020 às 7:05
Notícia

BRENDA ALCÂNTARA/JC IMAGEM
Os docentes são contrários à retomada das aulas presenciais por acreditarem que não há segurança sanitária devido à pandemia de covid-19 - FOTO: BRENDA ALCÂNTARA/JC IMAGEM
Leitura:

Após três dias de greve, completados nesta sexta-feira (23), professores da rede estadual realizam assembleia para discutir, entre outras pautas, o fim da paralisação. A reunião virtual está marcada para 9h. Segundo a Secretaria de Educação de Pernambuco, a adesão ao movimento ontem foi de 10%, percentual um pouco menor que no primeiro dia, 11%. O Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) não tinha esse índice até o início da noite de ontem. Só poderia informar depois de um encontro entre diretores, coordenadores de núcleos, representantes setoriais e delegados municipais, previsto para começar às 19h.

"Somente após conferir o levantamento de toda a nossa base teremos o tamanho da adesão. Mas não acredito nesse índice de 10% apresentado pela secretaria. É um patamar muito baixo considerando todas as nossas greves anteriores", afirmou o presidente do Sintepe, Fernando Melo, antes dessa reunião. Anteontem à noite o sindicato foi notificado sobre determinação da Justiça para o encerramento da greve e retomada das aulas presenciais também na quarta-feira, sob pena de multa diária de R$ 100 mil, em caso de descumprimento.

Os docentes são contrários à retomada das aulas presenciais por acreditarem que não há segurança sanitária devido à pandemia de covid-19. A proposta que a direção do Sintepe vai apresentar hoje à categoria, durante a assembleia, vai depender do resultado dessa reunião de ontem. "Com o detalhamento da participação dos professores à greve em todas as regiões do Estado e avaliação da nossa assessoria jurídica podemos propor, nesta sexta-feira, o fim da paralisação ou a continuação dela. Tudo pode mudar pois a decisão final cabe à aprovação da maioria dos participantes na assembleia", observou Fernando Melo.

Segundo ele, representantes sindicais não puderam entrar em algumas escolas da rede nos últimos dois dias, por determinação da Secretaria Estadual de Educação, o que dificultou o trabalho da entidade para mensurar a adesão à greve. "Enviamos um ofício para o secretário de Educação, Fred Amancio, comunicando isso e pedindo justificativas para o procedimento", afirmou Fernando. A Secretaria de Educação diz que a informação de que dirigentes sindicais foram impedidos de entrar nos colégios não procede.

Sobre a frequência dos alunos ontem, o governo informou que 43% dos estudantes dos 3º anos do ensino médio foram para as escolas. Na próxima terça voltarão os do 2º ano e no dia 3 os do 1º ano.

 

Seja um assinante JC.

Assine o JC com planos a partir de R$ 1,90 e tenha acesso ilimitado a todo o conteúdo do jc.com.br, à edição digital do JC Impresso e ao JC Clube, nosso clube de vantagens e descontos que conta com dezenas de parceiros.

Assine o JC

Comentários

Últimas notícias