Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negocios

Troca de IGPM pelo IPCA não ajuda inquilino no mercado de aluguéis

A preocupação de instituições como a Abrainc é que uma troca de indicador desorganiza o mercado

Fernando Castilho
Fernando Castilho
Publicado em 15/04/2021 às 5:00
Notícia
SÉRGIO BERNARDO/ACERVO JC IMAGEM
FINANCIAMENTOS Bancos podem começar a acompanhar ciclo de altas da taxa básica de juros (Selic). Ainda assim, taxas segues no menor patamar histórico para o segmento imobiliário - FOTO: SÉRGIO BERNARDO/ACERVO JC IMAGEM
Leitura:

Foi assim. Tão logo saiu o índice do IGP-M de 2020, cravando 23,14%, o deputado federal Vinicius Carvalho, do Republicanos-SP, entrou com um projeto determinando que o índice de correção dos contratos de locação residencial e comercial não poderão ser superiores ao índice oficial de inflação do País – IPCA.

É compreensível, mas se sua assessoria fizesse uma pequena pesquisa, veria que em cinco anos IGP-M e IPCA estão caminhando juntos há muito tempo.

Secovi aconselha a negociar o preço do aluguel diante da alta do IGPM

Saiba como negociar o valor do seu aluguel

O que pouca gente percebe é que, mais importante para quem aluga um apartamento residencial, o IGP-M ancora um mercado empresarial bilionário que não gosta da ideia de mudar de índice.

Porque o tempo de contrato é de cinco anos, e quando o proprietário não negocia, como agora, a empresa se muda. Para completar, a pandemia reorganizou a empresa home office de modo que quase não se aplicou o IGP-M.

ARTES JC
ECONEGÓCIOS 0415 BLOG - ARTES JC

A preocupação de instituições como a Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias), sobre uma lei que determine a adoção do IPCA é que uma troca de indicador desorganiza o mercado imobiliário.

Com a economia brasileira fria, esse tipo de intervenção do Legislativo mais atrapalha do que ajuda, pois salvo casos especialíssimos, todo locatário negociou contratos com taxas mais próximas da inflação - que, aliás, está subindo fortemente, mantendo o IGP-M turbinado pelo dólar apenas como referência. Até porque IPCA é índice indicado para ajustes salariais, e não para aluguéis.

Usado como indexador dos contratos dos aluguéis residenciais e comerciais, o IGP-M, se medido nos últimos cinco anos (excluído 2020), tem uma correção muito próxima do IPCA, próxima de 1%, o que não justificaria em função de um fato excepcional de um ano mudar a legislação.

O problema é que como o IPCA tem forte influência dos preços gerais internos, criando uma nova alta, inviabilizando sua manutenção no longo prazo, além de desorganizar o mercado imobiliário.

Comentários

Últimas notícias