Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

Recife é a única cidade do Brasil que abandona seus ícones do turismo

Nenhum dos últimos prefeitos do Recife morou em Boa Viagem nem frequentou a praia aos domingos

Fernando Castilho
Fernando Castilho
Publicado em 09/11/2021 às 11:26
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ORLA Projeto de requalificação dos 60 quiosques da Praia de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, só deve sair do papel a partir de fevereiro de próximo ano. Enquanto isso, visitantes se deparam com estruturas caindo aos pedaços - FOTO: ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Leitura:

Uma das histórias mais curiosas sobre como o visitante de Pernambuco percebe a cultura do estado é afirmar que o Recife é tão rico culturalmente que, no seu nome, não se repete uma só letra.

É verdade, mas como diz a sabedoria popular, a fartura é irmã gêmea do desperdício. E parece claro que exatamente pela riqueza cultural, o Recife é uma das cidades que mais abandona movimentos.

O descaso com as obras de Francisco Brennand, no Centro, é um bom exemplo. O Parque das Esculturas no Bairro do Recife, o painel Batalha dos Guararapes e o da antiga Arapuã, na esquina da Rua Nova, dão um bom exemplo.

FERNANDO CASTILHO
Placas de Transito destruídas pela maresia caíram dos postes - FERNANDO CASTILHO

Mas existem outros casos que mostram como o município não cuida de certos ícones da cidade. O caso dos quiosques da praia de Boa Viagem é desses casos em que a incapacidade da prefeitura atinge o estado da arte.

O prefeito Geraldo Julio passou oito anos discutindo como revitalizar os 60 quiosques sem que tenha chegado a um modelo. Ao sair, informou que uma PPP revitalizaria os pontos quando apenas 20 tinham sobrevivido à pandemia. Dez meses depois, o nível de destruição da maioria chegou ao ponto de serem reconstruídos do zero.

BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
A Prefeitura do Recife vai iniciar obras de requalificação e revitalização, da Pracinha de Boa Viagem. - BOBBY FABISAK/JC IMAGEM

A própria Praça de Boa Viagem, só este ano teve a sua restauração anunciada, embora o serviço não seja de uma modernização do espaço. Continuará sendo uma praça com seis pontos comerciais que a PCR hesita em desapropriar para que a praça possa ser integralmente um espaço público.

O centro do Recife é outro exemplo de como a presença da Prefeitura como cuidadora dos espaços públicos não funciona. Da Rua do Imperador à Avenida Dantas Barreto, das calçadas às praças, o estado de abandono assusta o visitante. Faltam placas de sinalização, placas indicativas e de iluminação. Na verdade, existe um Recife virtual e outro real, que choca o visitante.

SEVERINO SOARES/JC IMAGEM
Parque das Esculturas: o abandono das obras de Brennand. - SEVERINO SOARES/JC IMAGEM

O fenômeno da degradação dos centros das cidades mais antigas é uma realidade que no Brasil se mostra, mais agressivo, mas no caso do Recife, questões básicas mostram a inação.

Boa Viagem é o showroom do Recife: precisa de cuidados permanentes de modo a impressionar pelo cuidado e zelo, até porque precisam conviver com os ambulantes.

Mas a sensação que passa é que, como nenhum dos seus últimos seis prefeitos mora na orla, uma das três praias urbanas do Brasil, o olhar não faz parte de sua convivência.

 

Zilton Antunes/Voz do Leitor
Painel de Brennand no Centro do Recife - Zilton Antunes/Voz do Leitor

 

 

 

Comentários

Últimas notícias