Coluna Mobilidade

Começaram as demissões de motoristas e cobradores de ônibus em Pernambuco por causa da crise do coronavírus

A expectativa é de que pelo menos 60% do quadro de profissionais do sistema percam os empregos ainda este mês. Mas, dessa vez, motoristas e cobradores querem que o governo de Pernambuco intervenha

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 31/03/2020 às 12:05
Notícia
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Os empresários não afirmam, mas expectativa é de que 60% do quadro seja demitido por causa da crise - FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leitura:

POR ROBERTA SOARES, DA COLUNA MOBILIDADE

Tudo dentro do previsto. Como era temido, os rodoviários começaram a ser demitidos pelas empresas de ônibus que operam o transporte por ônibus da Região Metropolitana do Recife (STPP/RMR) devido à vertiginosa queda de demanda de passageiros provocada pela pandemia do coronavírus. Duzentos profissionais foram demitidos entre a segunda-feira (30/3) e a manhã desta terça (31/3) somente na empresa Transcol, que opera na Zona Norte da capital. Das onze empresas que atuam no sistema, dez teriam promovido demissões. A expectativa é de que pelo menos 60% do quadro de profissionais do sistema percam os empregos. E, dessa vez, motoristas e cobradores querem que o governo de Pernambuco intervenha.

A categoria está desesperada e implora ao Estado - gestor do sistema de transporte por ônibus - que se envolva no processo. Que não assuma, mais uma vez e como tem feito ao longo dos anos, uma postura de isenção diante das demissões. Que não alegue, novamente, tratar-se de uma relação privada, entre patrões e empregados. São motoristas, cobradores, fiscais e mecânicos afastados das funções porque as empresas de ônibus alegam não ter como manter o quadro com uma queda de demanda entre 74% e 75%, e tendo que manter parte da frota de coletivos nas ruas por ser um serviço essencial.

KLEBER MONTEIRO
ARTE JC - KLEBER MONTEIRO

"Temos tentado trazer o governo do Estado para o processo desde que soubemos da situação. Sabemos que o setor empresarial lamenta as perdas há 30 anos e que há um pouco de exagero nas ações. Que podem estar tirando proveito da pandemia para demitir o trabalhador e reduzir o quadro. Eles já vêm fazendo isso com a dupla função e a retirada dos cobradores. Mas de fato sabemos que há uma crise e que algo precisa ser feito. Mas dessa vez queremos que o Estado participe, nos ajude a encontrar uma solução que não prejudique apenas o trabalhador. Que faça o empresário enxergar isso. Os rodoviários não podem pagar por isso", defende o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco, Aldo Lima.

KLEBER MELO
ARTE JC - KLEBER MELO

As informações ainda não são oficiais, mas além das demissões da Transcol, a empresa Vera Cruz - opera no Sul do Recife e da RMR - teria demitido 230 profissionais na manhã desta terça. A Caxangá, que roda na Zona Norte da capital e em Olinda, no Grande Recife, teria afastado outros 270 motoristas, cobradores, fiscais e mecânicos. Além delas, a Globo, Itamaracá, Borborema, Rodotur, Cidade Alta e Pedrosa - esta última do mesmo grupo da Transcol - também fizeram demissões. Ou seja, praticamente todo o sistema promoveu e está promovendo demissões. A RMR tem hoje cerca de 15 mil rodoviários, dos quais 13 mil, aproximadamente, são funções diretas da operação de transporte: motoristas, cobradores e fiscais.

O Sindicato dos Rodoviários vinha tentando sentar com os empresários e o governo de Pernambuco juntos desde a semana passada, sem sucesso. Teve apenas reuniões com o setor empresarial, sem a participação do Estado.

REUNIÃO COM O GOVERNO DE PERNAMBUCO

Diante da repercussão das demissões dos rodoviários, o governo de Pernambuco informou, por email oficial, que irá discutir o processo com os rodoviários em reunião prevista para acontecer na tarde desta terça-feira (31/3).

"A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) e o Grande Recife Consórcio de Transportes (CTM) tiveram conhecimento, na manhã desta terça-feira (31), do movimento iniciado pelas empresas de ônibus que resultou na demissão de profissionais do transporte público. A secretaria e o consórcio estão acompanhando as medidas tomadas pelo setor privado e farão parte do debate por uma solução.

Na tarde desta terça-feira (31), os representantes da Seduh e do Grande Recife receberão integrantes do Sindicato dos Rodoviários para debater medidas que possam minimizar os cortes e construir alternativas para o setor. A Seduh reforça que o enfrentamento a esse problema é um desafio nacional, encarado por todos os estados da federação, sobretudo nas capitais. As discussões vêm ocorrendo em âmbito nacional e estão sendo analisadas pelo governo federal".

KLEBER MELO
ARTE JC - KLEBER MELO

ARGUMENTOS DOS EMPRESÁRIOS

O Sindicato das Empresas Transportadoras de Passageiros (Urbana-PE) também se posicionou sobre a situação. Em resumo, diz que está demitindo agora para tentar demitir menos no futuro, enquanto durar a pandemia. Que as dificuldades enfrentadas não têm precedentes na história do setor, com perda de passageiros superior a 75% da demanda. Que, como o transporte é mantido prioritariamente pela tarifa paga pelo passageiro, a situação ficou insustentável. E que tentou acordos com os rodoviários, sem sucesso. Confira o posicionamento - o primeiro do setor desde que a crise do coronavírus começou:

"A Urbana-PE esclarece que o Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife (STPP/RMR) enfrenta um quadro de dificuldades sem precedentes em sua história. A redução da demanda de transporte por ônibus já passa de 75% face às medidas impostas de isolamento social para conter a disseminação da covid-19. Esse cenário de crise repercute diretamente na operação do serviço, uma vez que o modelo de custeio atualmente adotado depende, quase que exclusivamente, da quantidade de passageiros transportados e da arrecadação tarifária.

Buscando manter a prestação de um serviço essencial à sociedade e preservar os postos de trabalho de seus empregados, especialmente de motoristas e cobradores, o setor buscou o entendimento junto ao Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco, ao longo de quatro encontros nos últimos dias, com a finalidade de celebrar ajustes temporários e emergenciais para evitar a redução do seu quadro de pessoal, como já ocorreu em várias cidades por todo o País, não se tendo, entretanto, chegado a nenhum acordo. Solicitou também apoio ao governo federal, através da entidade nacional representativa da classe, apresentando propostas para medidas temporárias e emergenciais, tais como: subvenção e apoio financeiro complementar à arrecadação; fornecimento de óleo diesel direto pelas distribuidoras a preço de custo; auxílio para pagamento de parte dos salários dos funcionários fora dos planos de operação com vistas à manutenção dos postos de trabalho.

Infelizmente, diante da falta de resposta das entidades competentes, impôs-se a real incapacidade de as empresas honrarem com seus compromissos. Diante deste cenário, o setor foi obrigado a tomar decisões difíceis e adotar medidas temporárias de ajuste, tanto no seu quadro de pessoal, como no cronograma de pagamento a fornecedores, visando evitar o iminente colapso do STPP/RMR.

A Urbana-PE reitera que as empresas têm adotado as orientações do poder público para conter a disseminação do Covid-19, assegurando o nível de serviço estabelecido pelo órgão gestor e adequado às orientações das autoridades sanitárias. Estamos buscando incessantemente soluções e confiantes de que serão encontradas alternativas compatíveis com os desafios enfrentados neste momento".

LEIA MAIS CONTEÚDO NA COLUNA MOBILIDADE www.jc.com.br/mobilidade

WELLINGTON LIMA
Motoristas e cobradores de ônibus começam a ser demitidos devido à pandemia do coronavírus. Garagem da Transcol com a frota praticamente parada - FOTO:WELLINGTON LIMA
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
A disseminação do novo coronavírus mudou a rotina dos usuários de transporte público, como na Estação Recife do metrô e no TI Recife - FOTO:FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Sistema da RMR opera com redução oficial da frota de 25%, mas nas ruas a impressão é de que ela é muito maior - FOTO:FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
WELINGTON LIMA/JC IMAGEM
Queda da demanda de passageiros chegou a ultrapassar os 75%. Três mil rodoviários foram demitidos e ainda lutam para retomar o trabalho - FOTO:WELINGTON LIMA/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Entre os dias 30 e 31/3 foram três mil profissionais demitidos. Todos os 11 operadores (incluindo os Consórcios MobiPE e Conorte, formados por duas e três empresas, respectivamente) que operam no setor de transporte da RMR promoveram demissões - FOTO:BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
WELINGTON LIMA/JC IMAGEM
Setor empresarial tem silenciado sobre as demissões e já deixou de atender a solicitações do MPT duas vezes. Queda de demanda é de 72% - FOTO:WELINGTON LIMA/JC IMAGEM
kmelo
movecidade - FOTO:kmelo
kmelo
movecidade - FOTO:kmelo
kmelo
movecidade - FOTO:kmelo

Comentários

Últimas notícias