COLUNA MOBILIDADE

Confira quais os primeiros terminais e estações de BRT do Grande Recife que serão requalificados pela nova gestão privada

Contrato assinado pelo governador Paulo Câmara nesta terça-feira (14/12) com a Nova Mobi Pernambuco, a nova concessionária, vai cuidar dos 26 terminais integrados da RMR e das 44 estações de BRT dos corredores Norte-Sul e Leste-Oeste

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 14/12/2021 às 16:28
Wellington Lima/JC Imagem
São muitas as promessas de melhorias feitas pelo novo gestor e validadas pelo governo do Estado. Investimentos totais serão de R$ 1,5 bilhão, por 35 anos - FOTO: Wellington Lima/JC Imagem
Leitura:

A nova gestão privada dos 26 terminais integrados de ônibus e metrô e das 44 estações de BRT dos Corredores Norte-Sul e Leste-Oeste, na Região Metropolitana do Recife, que teve o start dado nesta terça-feira (14/12), com a assinatura do contrato da concessão pública pelo governador Paulo Câmara, começará por etapas. E a primeira delas inclui a requalificação de sete TIs e de 18 estações do Sistema BRT. Os terminais são, como já esperado, os de maior demanda de passageiros e os mais problemáticos, seja pela infraestrutura precária ou o restrito espaço físico.

Confira a série de reportagens A MORTE DO BRT:

A morte do BRT: destruição chega ao limite em Pernambuco

A morte do BRT: aposta na gestão privada é a esperança do sistema em Pernambuco

Os TIs que serão atacados a partir de janeiro - segundo previsão da Nova Mobi Pernambuco, a nova concessionária pública - são: Macaxeira, Joana Bezerra, Camaragibe, Xambá, Pelópidas Silveira, PE-15 e Caxangá. Já em relação ao sistema BRT, as primeiras estações a serem requalificadas serão as do Corredor Leste-Oeste, o menos degradado dos dois existentes no Grande Recife e o que liga o Centro do Recife ao município de Camaragibe, na área Oeste da RMR. Segundo o que foi acordado entre a Nova Mobi Pernambuco e o governo do Estado, o Corredor Norte-Sul - o maior e mais destruído - ficou para depois do Leste-Oeste porque ainda tem muitas estações fechadas e sendo reestruturadas para serem reabertas. Das 26 estações do Norte-Sul, apenas oito estão funcionando atualmente.

Wellington Lima/JC Imagem
Terminais Integrados da RMR - Wellington Lima/JC Imagem
Wellington Lima/JC Imagem
Terminais Integrados da RMR - Wellington Lima/JC Imagem
Wellington Lima/JC Imagem
Terminais Integrados da RMR - Wellington Lima/JC Imagem
Wellington Lima/JC Imagem
Terminais Integrados da RMR - Wellington Lima/JC Imagem

“Temos uma expectativa positiva com essa parceria público-privada e com todos os investimentos que serão feitos nos próximos 35 anos para a melhoria do sistema público. Teremos, já em 2022, condições de ver melhorias significativas. É um sistema muito grande, que envolve toda a Região Metropolitana do Recife, e garante que as pessoas utilizem o transporte pagando apenas uma passagem, graças a todas essas logísticas”, afirmou Paulo Câmara.

Thiago Lucas/ Artes JC
Exigências para a futura concessionária - Thiago Lucas/ Artes JC

A Nova Mobi Pernambuco, empresa do Grupo Socicam criada para o novo contrato, foi a única a participar da licitação pública lançada em maio deste ano. A Socicam começou a atuar em Pernambuco em 2008, quando foi a escolhida para administrar e operar o TIP e outros 11 terminais rodoviários. Menos de dois anos depois, entretanto, a empresa pediu para rever o modelo de negócio e atualmente segue com o TIP e apenas as cinco maiores e mais rentáveis rodoviárias do Estado: Caruaru e Garanhuns, no Agreste, e Arcoverde, Serra Talhada e Petrolina, no Sertão do Estado. A gestão das rodoviárias pela Socicam é por 30 anos.

Thiago Lucas/ Artes JC
Exigências para a futura concessionária - TI - Thiago Lucas/ Artes JC

TECNOLOGIA E SEGURANÇA

São muitas as promessas de melhorias feitas pelo novo gestor e validadas pelo governo do Estado. Entre elas, a chegada da tecnologia - algo extremamente atrasado no transporte público do Grande Recife. A garantia é de que os TIs e as estações de BRT terão, em muito breve, uma comunicação em tempo real com o passageiro. Será possível saber quando os BRTs passarão nas estações e os ônibus chegarão e sairão dos terminais. Algo que o sistema pernambucano chegou a ter por um curto período, ainda em 2014, mas que foi retirado posteriormente por problemas administrativos.

WELINGTON LIMA/JC IMAGEM
Começa a nova gestão privada dos terminais integrados de ônibus e das estações de BRT do Grande Recife. - WELINGTON LIMA/JC IMAGEM
Wellington Lima/JC Imagem
Terminais Integrados da RMR - Wellington Lima/JC Imagem
Wellington Lima/JC Imagem
Terminais Integrados da RMR - Wellington Lima/JC Imagem
WELINGTON LIMA/JC IMAGEM
Começa a nova gestão privada dos terminais integrados de ônibus e das estações de BRT do Grande Recife. - WELINGTON LIMA/JC IMAGEM
Wellington Lima/JC Imagem
Terminais Integrados da RMR - Wellington Lima/JC Imagem

Um Centro de Controle Operacional (CCO) será implantado no Terminal Integrado CDU, na Cidade Universitária, Zona Oeste do Recife, para monitorar toda a operação dos TIs e estações de BRT. A tecnologia garantirá a segurança dos equipamentos, que também terão a vigilância patrimonial permanente. A previsão é de que o CCO fique pronto entre os meses de abril e maio de 2022. Em quatro anos, todos os equipamentos terão que ter sido reformados e requalificados. “Esse pacote de concessões tem três premissas. A primeira é a melhoria imediata dos equipamentos, com reformas e zeladoria. Uma arrumação logo no início. A segunda é a requalificação dos espaços, com adoção de novos equipamentos, como bicicletários nos sete primeiros TIs e paraciclos em todos os outros, além de teto verde, por exemplo. E a terceira, que será após os quatro anos iniciais, é o estudo de vocação dos TIs, identificando os potenciais de cada um para tentar agregar serviços e produtos”, explicou Marcelo Bruto, secretário executivo de Parcerias e Estratégias de Pernambuco, pasta que cuida das PPPs do Estado.

IDEIAS INOVADORAS E NOVOS SERVIÇOS

A nova modelagem é uma Parceria Público-Privada (PPP) no formato de concessão administrativa, ou seja, há aporte financeiro durante a vigência do contrato, mas sem cobrança dos usuários - já que o passageiro paga a tarifa do transporte e acessa as unidades com ela. Além de prever amplas reformas física, administrativa e operacional, a proposta do governo de Pernambuco é uma reformulação conceitual dos TIs, com uma estratégica exploração comercial dos possíveis potenciais das unidades. Está buscando a inserção dos terminais às cidades onde estão localizados para que sejam vistos além de uma simples estação de embarque e desembarque. Que possam incorporar os chamados empreendimentos associados - modelo já adotado com sucesso em muitos sistemas de transporte, inclusive no Brasil. E que geram uma razoável renda extra tarifária para o transporte - tão dependente da passagem paga pelo usuário.

Ao longo de 35 anos, estão previstos mais de R$ 1,5 bilhão de investimentos na operação, conservação e manutenção dos equipamentos, além da possibilidade de investimentos adicionais na realização de empreendimentos associados aos terminais integrados, revitalizando o espaço e respeitando os padrões de Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável (DOTS) .

Em vídeo, a promessa de mudança feita pela Nova Mobi Pernambuco. Agora, é esperar para conferir se tudo isso irá virar realidade: 

Comentários

Últimas notícias