Romoaldo de Souza

Tanto Sachsida como Bolsonaro sabem que vender a Petrobras é uma tarefa que não prospera

Privatização não tem apoio da maioria do Congresso Nacional, e sem esse apoio, falar nesse assunto é pura espuma. E em ano eleitoral, espuma pode render votos

Romoaldo de Souza
Cadastrado por
Romoaldo de Souza
Publicado em 12/05/2022 às 7:31
Reprodução/Facebook
Novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, e presidente Jair Bolsonaro - FOTO: Reprodução/Facebook
Leitura:

É perda de tempo analisar que a chegada do economista Adolfo Sachsida no comando do Ministério de Minas e Energia possa trazer alguma mudança radical na política de preços que a Petrobras vem praticando. Em outras palavras, é cedo para comemorações, e os combustíveis devem continuar subindo toda vez que houver alteração no preço do barril de petróleo no mercado internacional ou quando o dólar resolver dar uma subidinha a mais em relação ao real.

O novo ministro anunciou que tem o apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL) para privatizar a Petrobras. O que ocorre é que o debate é importante, mas está se dando em momento inoportuno. Porque tanto Sachsida como Bolsonaro sabem que vender a Petrobras é uma tarefa que não prospera por não ter apoio da maioria do Congresso Nacional, e sem esse apoio, falar em privatização é pura espuma. E em ano eleitoral, espuma pode render votos, mas é infrutífera.

O grande ator Charles Chaplin (1889 - 1977) dizia que “A vida é um palco de teatro que não permite ensaios.” Na encenação do governo de Bolsonaro, a política de preço dos combustíveis é um jogral de pouca credibilidade.

Pense nisso!

Comentários

Últimas notícias