pandemia

Em mais um recorde, Pernambuco confirma quase 4 mil casos de covid-19 em 24h e tem 7º dia de alta na média móvel

Nesta sexta-feira (21), a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) confirmou mais 3.969 infecções pelo coronavírus

Katarina Moraes
Bruna Oliveira
Luisa Farias
Publicado em 21/05/2021 às 13:09
MAURÍCIO VIEIRA/SECOM-SCS
Cresce procura por testes de covid-19 - FOTO: MAURÍCIO VIEIRA/SECOM-SCS
Leitura:

Nesta sexta-feira (21), Pernambuco bate, pela segunda vez na semana, o próprio recorde no número de confirmações de casos de covid-19 em 24 horas. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), mais 3.969 pessoas foram diagnosticadas com a doença,  número que ultrapassou o do último dia 19 de maio - que teve 3.195 novos infectados - que era o maior índice até então. Além disso, o Estado apresenta, pelo sétimo dia consecutivo, uma tendência de alta na média móvel de casos. A média móvel é entendida como o índice ideal para medir o avanço da pandemia em um local. Ela contabiliza a média dos últimos sete dias (contando com hoje) e compara com 14 dias atrás.

Com as novas confirmações, Pernambuco atingiu, nesta sexta, a média móvel de 2.701 casos e apresentou uma tendência de alta em 27%. Variações acima de 15%, seja para mais ou menos, indicam tendência de alta ou queda, respectivamente. Já abaixo disso, indica estabilidade. O último dia que o Estado apresentou uma estabilidade nos casos foi em 14 de maio, com 14%. Desde então, Pernambuco vem apresentando, uma tendência de alta. 

A última vez que o Estado tinha apresentado uma grande sequência de tendência de alta no número de casos foi em março. Os altos índices foram registrados entre os dias 16 e 29 do mês, ou seja, permaneceu por 14 dias.

Entre os confirmados nesta sexta-feira, 194 (5%) são casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 3.775 (95%) são leves. Agora, Pernambuco totaliza 456.690 casos confirmados da doença, sendo 43.357 graves e 413.333 leves.

Para a médica sanitarista Tereza Lyra, pesquisadora da Fiocruz Pernambuco, o momento que o Estado vive é preocupante e uma das soluções possíveis seria a ampliação de restrições. "É necessário reduzir as atividades que causam aglomerações e essas restrições devim vir acompanhadas de políticas sociais. É preciso que haja uma medida conjunta, articulada para oferecer proteção social, administrar questões sanitárias e fazer um monitoramento da doença. Também é preciso que haja testagem em massa e não só de casos suspeitos", declarou. 

Nessa quinta-feira (20), o governo de Pernambuco anunciou mudanças no Plano de Convivência com a Covid-19. A decisão foi de prorrogar as restrições já em vigor no estado por mais duas semanas, sendo assim, elas vão valer até o dia 6 de junho. A atual fase Plano de Convivência foi prorrogada no último dia 6 e maio, e valeria até próximo domingo.

Atualmente, as atividades econômicas fora da região Agreste só podem funcionar até as 18h nos finais de semana. Isto vale para os estabelecimentos que abrirem às 10h. Para os que começarem a funcionar às 9h, o horário limite fica reduzido para as 17h. De segunda a sexta-feira, o horário para todos é de 10h às 20h, com duração máxima de funcionamento de 10 horas.

As celebrações religiosas presenciais podem ser realizadas dos dias de semana entre 5h e 20h. Já nos sábados, domingos, o horário passa a ser de 5h às 18h.O comércio de praia, especificamente, não pode funcionar nos fins de semana e feriados. Nos dias úteis, os serviços são permitidos, das 9h às 16h.

Em qualquer dia, estão proibidas atividades de clubes sociais, esportivos e agremiações, equipamentos culturais, parques de diversão, competições e práticas esportivas coletivas, com exceção para jogos de futebol.

Além de falar sobre as medidas restritivas, a pesquisadora apontou para a necessidade da vacinação, que, no Brasil, caminha em passos lentos. "Para haver um grande impacto preciso ter muita gente vacinada. No cenário atual podemos ver que houve queda na redução de idosos e profissionais de saúde
de saúde internados e mortos pela covid-19", disse.

O que diz a SES-PE sobre os altos números de casos

De acordo com a SES-PE, a alta registrada nos últimos dias "reflete a ampliação da produção do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-PE) e a maior oferta de testes rápidos de antígeno na rede pública municipal e também nos serviços privados, inclusive nas farmácias, estabelecimentos de fácil acesso para a população".

Além disso, o órgão ressaltou que o número de casos positivos registrados ao longo dos últimos dias são leves e, portanto, apontam uma estabilização nos casos graves. Segundo a SES-PE,  muitas dessas pessoas com quadros leves, já estariam fora do período de transmissão do vírus, já que há um delay entre o processamento do exame e a notificação na plataforma pelos municípios e serviços.

Mortes

Também foram confirmados 66 óbitos nas últimas 24 horas, que ocorreram entre os dias  22 de janeiro de 2021 e essa quinta-feira (20). Com isso, o Estado totaliza 15.258 mortes pela covid-19. Os detalhes epidemiológicos serão repassados ao longo do dia pela Secretaria Estadual de Saúde.

Com os dados, Pernambuco atingiu a média móvel de 60 óbitos nesta sexta, apresentando uma tendência de estabilidade de 15%.

 

Comentários

Últimas notícias