Tecnologia e Inovação, com Guilherme Ravache

Tecnologia e Inovação

Por Guilherme Ravache
gravache@gmail.com

Novidades sobre tecnologia, inovação e estratégias digitais no jornalismo, entretenimento e na TV

ESPAÇO

A cadeira de R$ 140 milhões que dá vontade de vomitar

Mês que vem Jeff Bezos irá ao espaço, a viagem do homem mais rico do mundo diz muito sobre os desafios que a humanidade enfrenta

Guilherme Ravache
Guilherme Ravache
Publicado em 29/06/2021 às 13:02
Notícia
Michael Craft Photography
Assentos da cápsula do foguete - FOTO: Michael Craft Photography
Leitura:

O assento da imagem pode não parecer nada do outro mundo, mas para alguns poucos sortudos (ou loucos), é exatamente isso. Essa cadeira reclinável curiosa com encosto de cabeça envolvente, que parece saída do consultório de dentista, é na verdade um assento da espaçonave de Jeff Bezos - a Blue Origin New Shepard - programada para ir ao espaço em 20 de julho.

Bezos, fundador da Amazon e também da Blue Origin, empresa que construiu a nave, já garantiu seu lugar no voo.

Existem seis desses assentos na cápsula do foguete, mas apenas quatro serão ocupados na primeira viagem: um para Bezos, um para seu irmão Mark e dois para um par de passageiros não identificados, um dos quais desembolsou R$ 140 milhões para o privilégio do passeio.

Os assentos são posicionados próximos a janelas gigantes para que os passageiros possam relaxar e desfrutar da vista celestial.

Mas a viagem será turbulenta - os assentos são projetados para absorver parte do impacto enquanto a cápsula subirá a mais de 100 km acima do nível do mar, com uma força três vezes maior do que a gravidade que prenderá os passageiros em suas cadeiras.

Depois que chegar ao espaço, a nave despencará de volta à Terra para um pouso no deserto do Texas.

Além da sensação de estar no espaço, uma das principais reações relatadas pelos primeiros viajantes, é o mal estar. Boa parte deles vomita na primeira ida ao espaço. Ou seja, a cadeira de R$ 140 milhões provavelmente terá de vir com o prosaico saquinho para vomitar, como nos aviões.

 

O mundo em que vivemos

A empreitada de Bezos nos diz muito sobre os tempos em que vivemos. Bezos é um dos homens mais ricos do mundo. Bezos investiu bilhões ao criar a Blue Origin com a finalidade de realizar seu sonho de ir ao espaço, e possivelmente ganhará outros bilhões com a venda de tecnologia e serviços de turismo espacial. Quem pagou R$ 140 milhões para estar ao lado dele, também deve ser alguém muito endinheirado.

Mas enquanto o bilionário se arrisca no espaço, aqui na terra as notícias relacionadas à Amazon e a maneira como trata seus trabalhadores são cada vez mais preocupantes.

O próprio Bezos já reconheceu que a empresa precisa melhorar e escreveu em abril que gostaria que a Amazon se tornasse "o melhor empregador da Terra e o lugar mais seguro da Terra para trabalhar".

Mas a realidade por hora parece distante disso. “Em contraste com seu processamento preciso e sofisticado de pacotes, o modelo da Amazon para gerenciar pessoas - altamente dependente de métricas, aplicativos e chatbots - era desigual e tenso mesmo antes da chegada do coronavírus (...). Em meio à pandemia, o sistema da Amazon destruiu os trabalhadores, resultou em demissões inadvertidas, paralização de benefícios e impediu a comunicação, lançando uma sombra sobre uma história de sucesso de negócios para sempre”, afirma reportagem do NY Times.

Ainda segundo a reportagem, mesmo antes da pandemia, a Amazon perdia cerca de 3% de seus funcionários horistas a cada semana. Os horistas são a maioria dos trabalhadores da Amazon, atuando em tarefas menos especializadas nos armazéns e realizando as entregas nas ruas.

Isso significa que a rotatividade da força de trabalho era de cerca de 150% ao ano nos Estados Unidos. Essa taxa, quase o dobro das indústrias de varejo e logística, fez com que alguns executivos da empresa se preocupassem até com a possibilidade de faltar trabalhadores para a empresa. Nesse ritmo, em alguns anos, todos os americanos já teriam trabalhado na Amazon em algum momento.

Mas é precipitado imaginar Bezos como um gênio maligno que irá ao espaço. Ele também realiza projetos filantrópicos incríveis como investir bilhões para criar uma rede de pré-escolas gratuitas do tipo Montessori.

Mas de certo modo, é como se bilionários como Bezos estivessem ajudando a combater os problemas que eles mesmos ajudam a criar com a crescente concentração de riqueza nas mãos de uma elite.

Ironicamente, uma filantropa que parece estar lutando ativamente com essa questão é MacKenzie Scott, ex-mulher de Bezos. Após a separação com a revelação de um affair do marido, MacKenzie também se tornou bilionária. Mas diferentemente do ex, que criou uma fundação para resolver os problemas do mundo, ela tem consistentemente distribuído milhões a diversos grupos especializados em diferentes causas.

Segundo MacKenzie, suas ações são "governadas por uma crença humilde de que seria melhor se a riqueza desproporcional não estivesse concentrada em um pequeno número de mãos, e que as soluções são mais bem projetadas e implementadas por outros”, escreveu recentemente.

MacKenzie talvez não seja um personagem tão interessante quando Bezos. Porém, mesmo não indo ao espaço e vivendo uma vida pacata e discreta, ela possivelmente fará mais pela humanidade do que os bilionários que têm status de heróis por seus bilhões acumulados empreendimentos megalomaníacos no espaço e na terra.

Comentários

Últimas notícias