ECOTURISMO

Parque das Aves libera 300 periquitos em novo viveiro e se prepara para presentear visitantes após crise do coronavírus

Para os animais vítimas de maus-tratos, contrabando e tráfico, é tempo de liberdade. Espaço conta com passarela suspensa e permitirá interação dos visitantes com os pássaros

Mona Lisa Dourado
Mona Lisa Dourado
Publicado em 05/04/2020 às 15:36
Notícia
DIVULGAÇÃO
Viveiro Cecropia tem passarela suspensa, onde os pássaros podem pousar para interagir quando houver visitantes - FOTO: DIVULGAÇÃO
Leitura:

Enquanto os humanos precisam ficar de quarentena em casa com o objetivo de frear a transmissão do novo coronavírus, para 300 periquitos de 12 espécies vítimas de maus-tratos, contrabando e tráfico de animais, o período é de liberdade. 

Os pássaros ganharam novo lar no Parque das Aves de Foz do Iguaçu (Paraná), que inaugurou na última semana a primeira etapa de um viveiro com 5 mil m2 e 22 metros de altura em meio à mata atlântica. Batizado de Cecropia (em referência às árvores de embaúba), o espaço já é considerado um dos maiores do tipo no mundo e também abrigará em breve cerca de 30 tucanos de quatro espécies.

>> Um roteiro para desbravar Foz do Iguaçu

>> São José da Coroa Grande revela praia quase deserta no Litoral Sul de Pernambuco

>> Só daqui a um ano consumidor vai receber reembolso total de ingresso, diária de hotel e pacote de turismo cancelados por causa do coronavírus

>> Parte dos brasileiros espera viajar dentro e fora do País ainda este ano, apesar do coronavírus

DIVULGAÇÃO
Catorze espécies de periquitos conviverão no Cecropia - DIVULGAÇÃO

Além de servir como ambiente de pesquisa e aprendizado, o lugar será um presente para o público, assim que o parque estiver novamente apto para visitação pós pandemia. "É um viveiro de imersão, que permite entrar e interagir com os animais. Não há uma barreira física. O diferencial é que será possível alimentá-los. As pessoas terão acesso à ração de sementes que faz parte da dieta convencional dos bichos e poderão oferecê-la através de uma colher. Daí, se eles quiserem, se aproximam voando", explica a diretora técnica do Parque das Aves, Paloma Bosso. 

DIVULGAÇÃO
Periquito comendo sementes no novo lar - DIVULGAÇÃO

A veterinária, especialista em comportamento e bem-estar animal, conta que, da concepção do projeto à soltura dos periquitos, o novo viveiro levou cerca de três anos para ficar pronto e contou com a participação de praticamente todos os 250 funcionários do empreendimento. O investimento não foi revelado.

O trabalho envolveu desde a equipe responsável pelo acolhimento e monitoramento dos bichos até tratadores e profissionais de educação ambiental, que preparam os conteúdos educativos, placas e todo o storytelling do passeio.

DIVULGAÇÃO
A diretora técnica do Parque das Aves, Paloma Bosso, destaca necessidade de combater tráfico de animais - DIVULGAÇÃO

Quando puderem voltar ao parque, os visitantes irão transitar por uma passarela suspensa concebida tanto para proteger o meio ambiente quanto para proporcionar melhor ângulo de visão. "Tudo foi estruturado com métodos sustentáveis, sem nenhum dano ao ecossistema, sem utilização de grandes máquinas nem derrubada de árvores", diz a diretora geral do Parque das Aves, Carmel Croukamp, acrescentando que as peças e colunas foram levadas pelos trabalhadores com as próprias mãos para evitar a entrada de caminhões que compactassem o solo.

>> Hotéis de Pernambuco confirmam suspensão de atividades por causa do coronavírus. Prejuízo em Porto de Galinhas é de quase R$ 1 bilhão

>> Igarassu tem atrações por terra, céu e mar no Litoral Norte

A maior parte dos pássaros que chega ao Parque das Aves é proveniente de centros de reabilitação e de triagem de animais silvestres. Muitos não têm condições de voltar aos respectivos ambientes de ocorrência natural. "Além dos resgatados do contrabando, alguns são vítimas do desmatamento, caça e atropelamento. Há os que chegam sem uma perninha, com o bico quebrado… Para regressar à natureza, precisariam saber buscar o alimento, ter condicionamento físico para voar. Tem aqueles tão traumatizados que nem saíram ainda do local intermediário em que estavam antes de abrirmos o viveiro", explica a veterinária, ressaltando a importância de um espaço como o Cecrópia para abrigar os pássaros.

Talvez os filhotes deles possam ser reintroduzidos em um processo de conservação no futuro
Paloma Bosso
DIVULGAÇÃO
Alguns periquitos ficam mais ressabiados e demoram a sair para novo viveiro - DIVULGAÇÃO

Paloma chama a atenção para a necessidade de combate ao tráfico de animais silvestres. "A venda ilegal traz consequências desastrosas para todo o ecossistema, inclusive ao ser humano. O melhor a fazer é não estimulá-la direta ou indiretamente, nem por pena do animal. É recusar e denunciar", orienta. Ela lembra que algumas espécies de periquito podem ser criadas no ambiente doméstico, mas, para isso, é preciso fazer a compra em estabelecimentos autorizados, com nota fiscal. Neste caso, os bichos são monitorados através de uma anilha de identificação e/ou microchip.

DIVULGAÇÃO
Aos poucos, ganham coragem para conhecer a nova casa - DIVULGAÇÃO

Enquanto o Parque das Aves não é reaberto, turistas e amantes dos animais em geral podem acompanhar as atividades via redes sociais e lives transmitidas pelos poucos trabalhadores que permanecem se revezando para cuidar dos pássaros. "Foi a forma que encontramos de levar alegria e fazer um carinho no coração das pessoas." 

CONHEÇA A HISTÓRIA DO PARQUE DAS AVES 

Do sonho de uma veterinária alemã e um piloto do Zimbábue nasceu em Foz do Iguaçu um dos maiores centros de preservação de pássaros da América Latina. Aberto em 1994 pelo casal Anna-Sophie Helene e Dennis Croukamp, o Parque das Aves já é a segunda atração mais visitada da cidade, depois das Cataratas. Em média, são 830 mil turistas por ano.

Não é para menos. Em 16 hectares de área, o espaço abriga mais de 1.400 aves, de cerca de 150 espécies, quase metade delas resgatadas do tráfico de animais ou em risco de extinção. “Outra parte é resultado do trabalho de reprodução de espécies nativas que desenvolvemos aqui. Várias são reintroduzidas na mata”, conta Carmel Croukamp, atual administradora, que herdou dos pais e da vida na Namíbia, onde nasceu, o amor pela natureza.

DIVULGAÇÃO
Carmel Croukamp destaca sustentabilidade do Parque das Aves - DIVULGAÇÃO

Todos os detalhes do parque são pensados para promover essa integração. Logo na entrada, os visitantes são recepcionados por periquitos, pavões e papagaios. A cada passo na trilha de pouco mais de 1 km, são surpreendidos por elegantes flamingos, mutuns, faisões e até harpias, uma das maiores aves de rapina do mundo.

Na maioria dos viveiros, é permitida a entrada dos visitantes, que, não importa a idade, viram criança ao interagir com tucanos, araras e borboletas das mais diversas tonalidades. Cobras sucuri, jiboias e jacarés de papo-amarelo dividem a atenção com as aves, que em breve também ganharão a companhia de preguiças.

INFORMAÇÕES GERAIS

A entrada para o parque custa R$ 60 para brasileiros e estrangeiros, exceto moradores de Foz e arredores, que pagam R$ 10. Para crianças de até 8 anos, é grátis, e há meia entrada para estudantes e idosos. Vale lembrar que parte da renda obtida com o turismo, é revertida para o tratamento das aves, a manutenção do parque e as atividades de pesquisa. Mais: www.parquedasaves.com.br.

Citação

Talvez os filhotes deles possam ser reintroduzidos em um processo de conservação no futuro

Paloma Bosso
DIVULGAÇÃO
Alguns periquitos ficam mais ressabiados e demoram a sair para novo viveiro - FOTO:DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Aos poucos, ganham coragem para conhecer a nova casa - FOTO:DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Catorze espécies de periquitos conviverão no Cecropia - FOTO:DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Periquito comendo sementes no novo lar - FOTO:DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
A diretora técnica do Parque das Aves, Paloma Bosso, destaca necessidade de combater tráfico de animais - FOTO:DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Carmel Croukamp destaca sustentabilidade do Parque das Aves - FOTO:DIVULGAÇÃO

Comentários

Últimas notícias