covid-19

Pernambuco anuncia plano gradual para reabertura econômica

Estudo prevê um prazo de 11 semanas para que os setores produtivos estejam em pleno funcionamento; reabertura deve respeitar orientações sanitárias

Amanda Rainheri
Amanda Rainheri
Publicado em 28/05/2020 às 18:57
Notícia
LEO MOTTA/JC IMAGEM
Comércio no centro do Recife durante a pandemia do Coronavírus. Algumas lojas seguem com o funcionamento, a maioria está fechada. - FOTO: LEO MOTTA/JC IMAGEM
Leitura:

* Atualizada às 21h31

A três dias do fim de uma quarentena que não chegou a alcançar o objetivo de 70% de índice de isolamento social, o Governo de Pernambuco anunciou nesta quinta-feira (28) um plano de retomada das atividades no Estado. De acordo com a gestão, a reabertura dos serviços será gradativa, em um período de 11 semanas, e deverá respeitar orientações sanitárias.

Os detalhes sobre o plano devem ser divulgados no fim de semana, quando chega ao fim o decreto que previa medidas mais restritivas nos municípios do Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço da Mata.

>> Miguel Coelho anuncia plano de reabertura das atividades econômicas em Petrolina

>> CDL Recife espera reabrir gradualmente o comércio a partir da próxima semana, quando acaba o lockdown

 

O Governo afirmou que um estudo foi conduzido pelas pelas Secretarias de Desenvolvimento Econômico, Planejamento e Gestão, da Fazenda, do Trabalho e Qualificação e de Desenvolvimento Urbano ao longo dos últimos dois meses, para que parâmetros pudessem ser estabelecidos para um plano de convivência entre atividades econômicas e a pandemia da covid-19.

“Sem vacina ou medicamento comprovadamente eficaz contra o Coronavírus, todos teremos que conviver com a doença. Nosso plano pesa quais atividades têm menos impacto nas curvas de contaminação e a relevância econômica de cada setor para definir o cronograma de liberação”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco Bruno Schwambach.

Sem vacina ou medicamento comprovadamente eficaz contra o Coronavírus, todos teremos que conviver com a doença.
Bruno Schwambach, secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco

O Estado não detalhou quais atividades serão retomadas, nem as regras que os estabelecimentos deverão cumprir. Essas respostas, de acordo com o secretário, deverão ser respondidas no próximo fim de semana, a partir dos dados da área de vigilância da saúde ao período de lockdown. Somente nesta quinta-feira, 794 novos casos do novo coronavírus foram confirmados no Estado, com 98 óbitos.

>> Em meio à pandemia, indústria de Pernambuco enfrenta dificuldades para conseguir crédito

O plano, segundo o Executivo estadual, também inclui a análise da quantidade de trabalhadores por setor e como o retorno de cada atividade influencia em pontos complementares, como o transporte público. O governo informou que a ideia é que os setores adotem horários diferentes de expediente para não saturar o sistema nos horários de pico.

A estimativa da Secretaria da Fazenda é que a paralisação das atividades econômicas por conta das medidas de isolamento social tenha um reflexo negativo na arrecadação da ordem de 20%, no comparativo com 2019. “A ajuda aos estados sancionada nesta quinta pelo Governo Federal é insuficiente para repor as perdas impostas pela epidemia do Coronavírus”, destacou o secretário da Fazenda, Décio Padilha.

Em entrevista à Rádio Jornal, o diretor executivo da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Recife Fred Leal afirmou que a expectativa é de que o comércio já volte a funcionar a partir da próxima semana. "Precisamos voltar ao normal, esse novo normal que se fala, de maneiro gradual, responsável. Os shoppings já têm toda uma estrutura para reabrir, estão só aguardando o governo se posicionar. No comércio do centro também", argumentou.

FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Governo aumenta as restrições durante a pandemia do coronavírus. Movimentação no bairro de Casa Amarela. - FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Movimentação nas ruas do centro do Recife durante a pandemia do coronavírus - FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Movimentação nas ruas do centro do Recife durante a pandemia do coronavírus - FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
LEO MOTTA/JC IMAGEM
Comércio no centro do Recife durante a pandemia do Coronavírus. Algumas lojas seguem com o funcionamento, a maioria está fechada. - LEO MOTTA/JC IMAGEM
LEO MOTTA/JC IMAGEM
Comércio no centro do Recife durante a pandemia do Coronavírus. Algumas lojas seguem com o funcionamento, a maioria está fechada. - LEO MOTTA/JC IMAGEM
LEO MOTTA/JC IMAGEM
Maior parte do comércio segue fechada no Centro do Recife - LEO MOTTA/JC IMAGEM
LEO MOTTA/JC IMAGEM
Cidades da Região Metropolitana do Recife entrarão em isolamento social mais rigoroso a partir deste sábado (16). - LEO MOTTA/JC IMAGEM
LEO MOTTA/JC IMAGEM
Lojas autorizadas a abrir para venda de tecido têm vendido outros produtos, o que é proibido, segundo a PGE - LEO MOTTA/JC IMAGEM
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Movimentação do Comércio no Centro do Recife. Mesmo com o aumento dos casos de coronavírus, em Pernambuco, algumas lojas começaram a abrir as portas. - BOBBY FABISAK/JC IMAGEM

Segundo dados da In Loco, que monitora o isolamento social através de dados de geolocalização de aparelhos celulares, os índices de isolamento diminuíram na última semana de lockdown. Todas as cinco cidades alcançaram o seu maior isolamento em 17 de maio.

No Recife, 66% das pessoas ficaram em casa naquela data, contra 50% na última quarta-feira. Em Olinda, o isolamento máximo foi de 65%, contra 50% na quarta-feira (27). Jaboatão dos Guararapes teve 62% de isolamento social em 17 de maio; na quarta-feira o número era de 46%. Camaragibe chegou a 63%, mas estava em 47% na quarta-feira. Já São Lourenço da Mata alcançou 61% no dia 17, contra 47% do último dia de dados.

Para o professor Jones Albuquerque, vice-coordenador do Instituto para Redução de Riscos e Desastres de Pernambuco (IRRD), a quarentena mais rígida não alcançou o seu objetivo. "Funcionou razoavelmente nos bairros de classe média e classe média alta, o que pode ser observado com a queda sensível de doentes nos leitos de hospitais particulares. Mas na periferia, a situação foi diferente. Muitas pessoas foram flagradas pelos nossos drones nas ruas", avaliou.

Segundo ele, o momento deve ser de cautela. "Em vários locais do mundo, como a Alemanha, que é tida como bom exemplo, foi observado um novo pico de contágio com a reabertura dos serviços. É necessário avaliar os números de casos e óbitos nessas estratégias", opina.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias