COMBUSTÍVEIS

Preço da gasolina volta a subir na primeira quinzena de maio e tem média nacional de R$ 5,789

Depois de ensaiar uma estabilização em abril, o valor cobrado nos postos nesta primeira quinzena de maio subiu

Edilson Vieira
Edilson Vieira
Publicado em 18/05/2021 às 16:37
Notícia
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
PREÇO Valor médio do litro da gasolina em Pernambuco está em R$ 5,453 - FOTO: ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Leitura:

Os primeiros quinze dias de maio indicam mais um período de alta no preço médio da gasolina no Brasil. Desde maio de 2020, o litro do combustível fica mais caro mês a mês, de acordo com o levantamento realizado pela ValeCard, empresa especializada em gestão de frotas. Depois de ensaiar uma estabilização no último mês, o valor cobrado nos postos nesta primeira quinzena subiu 0,91% em relação a abril, com média nacional de R$ 5,789. Em Pernambuco, o estudo aponta preço médio de R$ 5,453, com alta de 0,19% se comparado com o preço médio da primeira quinzena de abril.

Obtidos por meio do registro das transações realizadas entre os dias 1º e 14 de maio com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que as maiores altas foram registradas no Amapá (8,71%) e Piauí (3,51%). Por outro lado, os estados do Amazonas (-2,86%) e Sergipe (-0,50%) registraram as maiores quedas.

As capitais do Acre (R$ 6,182) e Rio de Janeiro (R$ 6,237) foram as que apresentaram maiores preços médios na primeira quinzena de maio. Já Florianópolis (R$ 5,200) e Salvador (R$ 5,267) registraram os menores valores.

ETANOL

Conforme o levantamento, em apenas dois Estados brasileiros (São Paulo e Mato Grosso) compensa abastecer o veículo com etanol. A opção só é vantajosa quando o litro do derivado da cana-de-açúcar custar 70% (ou menos) do que o litro da gasolina. No período, Pará (R$ 5,126) e Rio de Janeiro (R$ 5,080) registraram os maiores preços médios do etanol. Em Pernambuco,  o preço médio do etanol está em R$ 4,699, com diferença média de 84% em relação a gasolina.



Comentários

Últimas notícias