BOA AÇÃO

Rivaldo propõe desafio de doar 200 cestas básicas durante quarentena

Craque da seleção pentacampeão de 2002, Rivaldo propôs o desafio de ajudar as pessoas necessitadas durante isolamento devido ao coronavírus

Cadastrado por
Túlio Feitosa
Túlio Feitosa
Túlio Feitosa
Publicado em 28/03/2020 às 11:42
Reprodução / Site Oficial
Rivaldo disse ainda que, no seu tempo, os jogadores eram melhores - FOTO: Reprodução / Site Oficial
Leitura:

Pernambucano e campeão mundial com a seleção brasileira de futebol, o ex-jogador Rivaldo propôs um desafio para o jogador brasileiro Fernandinho, que está atuando no futebol Chinês, a doar 200 cestas básicas para alguma comunidade carente. Mas ele mesmo ampliou a proposta para todos que têm condições de ajudar o próximo durante a quarentena causada pela Covid-19. Em vídeo espalhado pelas redes sociais, o ex-atleta desafiou jogadores do Campeonato Brasileiro, que tem boas condições, jogadores que atuam fora do Brasil mas estão no país, os atletas tetra e pentacampeões.

"Vamos mudar a história no Brasil, não é fácil ficar em casa. Eu não ficaria em casa há 20 e poucos anos atrás, porque eu tinha que estar na rua, ajudando minha mãe, meus irmão. Mas hoje eu posso, tenho condições de não sair... Não vai resolver 100%, mas vai ajudar as pessoas", disse Rivaldo, em vídeo.

Experiência de vida

Vindo de uma comunidade da cidade de Paulista, na Região Metropolitana do Recife, Rivaldo contou sobre a adolescência de quando ainda treinava para se tornar um jogador profissional, mas também tinha ir às praias vender coxinha, sonho e picolé para ajudar a família.

Hoje, vivendo uma outra realidade financeira, o ex-jogador realçou que para que os mais pobres fiquem em casa, as pessoas com mais condições precisam ajudá-las, para que não fiquem doentes posteriormente por causa da exposição. "Façam desafios, ajudem as pessoas para que elas possam ficar em casa de verdade, porque é difícil passar fome", frisou. A cobrança também foi feita para políticos de todo país, para que não usem apenas os fundos governamentais como forma de ajuda, mas que tirem do próprio bolso para ajudar suas comunidades.

"Vamos ajudar um ao outro nesse momento, as pessoas que necessitam, as pessoas carentes. Estamos passando por um momento difícil, todo mundo desesperado sem saber o que fazer, dentro de casa. Então vamos lá, um ao outro, nos ajudar", completou.

Comentários

Últimas notícias