PANDEMIA

Mundo acelera vacinação em Natal caótico e marcado pela covid-19

América Latina e Caribe registram até o momento 14,9 milhões de casos de mais de 490.000 mortes. Em todo o mundo, o coronavírus matou 1,7 milhão de pessoas e infectou mais de 78 milhões, de acordo com os números oficiais

AFP
AFP
Publicado em 24/12/2020 às 15:46
Notícia
PEDRO PARDO / AFP
Vacinação contra a covid-19 - FOTO: PEDRO PARDO / AFP
Leitura:

Milhares de caminhoneiros europeus se preparam para passar o Natal em condições difíceis, retidos nas proximidades do porto de Dover, sul da Inglaterra, que sai lentamente do isolamento provocado pela detecção de uma nova cepa de coronavírus, enquanto vários países do mundo aceleram a campanha de vacinação.

>>Auxiliar de enfermagem recebe a primeira vacina contra o coronavírus no Chile

>>Mais de 2 milhões de pessoas, em seis países, já foram vacinados contra o coronavírus em 2020; veja ranking da imunização

O México aplicou nesta quinta-feira (24) em uma enfermeira de 59 anos a primeira dose da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Pfizer/BioNTech.

>> Enfermeira mexicana é a primeira pessoa a ser vacinada contra covid-19 na América Latina

Nesta quinta-feira, as primeiras 10.000 doses da vacina contra o coronavírus dos laboratórios Pfizer/BioNTech chegaram ao Chile, que ao lado do México e da Costa Rica, está entre os primeiros países da América Latina a iniciar a vacinação, com prioridade para os profissionais da saúde.

"O plano de vacinação começa hoje", afirmou o presidente chileno Sebastián Piñera, que compareceu ao aeroporto para acompanhar a chegada do primeiro lote. A vacinação no Chile será voluntária e gratuita para os 18 milhões de habitantes.

A mesma imagem aconteceu na Costa Rica, que recebeu na quarta-feira as primeiras doses do fármaco. No México, que recebeu as primeiras 3.000 vacinas na quarta-feira, a campanha começa nesta quinta-feira.

"Hoje é o início do fim dessa pandemia", afirmou o chanceler Marcelo Ebrard. O México, que registra 120.311 mortes e 1,35 milhão de casos de covid-19, é o quarto país mais afetado do mundo pela pandemia, atrás dos Estados Unidos, Brasil e Índia.

A Argentina recebeu nesta quinta-feira um carregamento de 300.000 vacinas contra a covid-19, no caso a Sputnik V russa, aprovada em caráter de emergência pelo ministério da Saúde.

>> Governo russo diz que vacina Sputnik V tem eficácia de 91,4% contra coronavírus

América Latina e Caribe registram até o momento 14,9 milhões de casos de mais de 490.000 mortes. Em todo o mundo, o coronavírus matou 1,7 milhão de pessoas e infectou mais de 78 milhões, de acordo com os números oficiais.

Nos Estados Unidos, país mais castigado, com mais de 326.000 vítimas fatais, mais de um milhão de americanos receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19 nos primeiros 10 dias de campanha, segundo os números oficiais.

Mas o médico Moncef Slaoui, principal conselheiro do programa de vacinação do governo, afirmou que a meta de imunizar 20 milhões de pessoas para até o fim do ano "provavelmente" não será alcançado.

Na União Europeia (UE), a campanha de vacinação começará no dia 27 em vários países. Mas o avanço da doença levou alguns Estados, como Itália, Áustria ou Irlanda, a impor restrições para as festas de fim de ano.

No porto de Dover, quase 6.000 caminhões aguardavam para atravessar o Canal da Mancha, depois que o tráfego foi retomado aos poucos após a retirada das restrições em direção à Europa continental, informou o ministério britânico dos Transportes.

Serão necessários "vários dias" para descongestionar a região. As autoridades britânicas anunciaram nesta quinta-feira que as ligações ferroviárias e marítimas entre o Reino Unido e a França permanecerão abertas no dia do Natal, para eliminar o engarrafamento provocado pelo fechamento das fronteiras.

A medida havia sido adotada após a confirmação de uma nova cepa do vírus que está provocando mais contágios no Reino Unido, quase 40.000 nas últimas 24 horas.

Uma situação complicada para muitos caminhoneiros, que desejam retornar para seus países para passar o Natal em família.

"Todos nos dizem para esperar, mas não queremos esperar", lamentou na quarta-feira o motorista polonês Ezdrasz Szwajan. "Não temos nenhuma informação, nada", completou, emocionado. "Tenho dois filhos, uma mulher, só quero ir para a Polônia".

Do lado francês, os veículos com passageiros começaram a chegar na quarta-feira ao porto de Calais procedentes de Dover, mas as viagens das balsas são lentas.

O principal objetivo agora é restabelecer a rede de abastecimento do Reino Unido, que depende em grande medida dos caminhões que se deslocam para e a partir do continente europeu, antes de uma falta de alimentos.

A forte propagação em território britânico da nova variante levou diversos países a cortar suas conexões com o Reino Unido. Nesta quinta-feira, China e Brasil se uniram à lista e suspenderam os voos procedentes deste país.

Na quarta-feira, Londres anunciou que identificou dois casos de outra variante do coronavírus, "muito preocupante", procedente da África do Sul, e decretou restrições de viagens com este país, que com 950.000 casos e 25.657 mortes é o mais afetado do continente africano.

A Rússia registrou nesta quinta-feira o recorde de novos contágios e mortes por coronavírus, com 635 mortes e 29.935 novos casos nas últimas 24 horas.

No Brasil, que também registra uma aceleração da pandemia, a prefeitura do Rio de Janeiro vai fechar o acesso à Copacabana durante a noite do último dia do ano para evitar aglomerações.

Últimas notícias