Imunização

Veja o que se sabe sobre os efeitos colaterais das vacinas da AstraZeneca e da Johnson & Johnson

Vacinas são associadas a um problema incomum de coágulo sanguíneo

AFP
AFP
Publicado em 20/04/2021 às 19:20
Notícia
PAULO DANIEL/JC IMAGEM
Imunizantes usam a mesma tecnologia - FOTO: PAULO DANIEL/JC IMAGEM
Leitura:

Depois que a vacina da AstraZeneca começou a ser associada a um problema incomum de coágulo sanguíneo, a da Johnson & Johnson (J&J), baseada na mesma tecnologia, é alvo das mesmas suspeitas. Em ambos os casos, as suspeitas surgiram após a detecção de vários casos de trombose em pessoas vacinadas.

Não se trata de simples trombose, como a flebite, mas de condições muito atípicas. Em primeiro lugar, por sua localização: afetam as veias cerebrais e, em menor medida, o abdômen, afirmou nesta terça-feira (20) a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) sobre a Johnson & Johnson, após ter feito as mesmas alegações em 13 de abril sobre a AstraZeneca.

Essas patologias ocorrem em conjunto com a queda do nível das plaquetas sanguíneas, de forma que, junto com os coágulos, o paciente pode sofrer hemorragias.

"O tratamento desse tipo específico de coágulo sanguíneo é diferente do que normalmente seria administrado", alertam as autoridades de saúde dos Estados Unidos, a FDA e o CDC, que suspenderam o uso do imunizante da J&J no país.

Para a EMA, existe uma "possível ligação" entre esses raros problemas sanguíneos e a administração dos medicamentos da AstraZeneca e da J&J.

As duas vacinas são "a causa provável" desses episódios tão singulares, estimou, por sua vez, há uma semana um funcionário da FDA, Peter Marks.

O imunizante da J&J está autorizado na União Europeia (sob o nome de Janssen), mas ainda não foi aplicado. O da AstraZeneca é utilizado na UE, embora ainda não tenha sido aprovado nos Estados Unidos.

 

 


Esses problemas podem estar relacionados à tecnologia de "vetor viral", usada por ambas as vacinas. Ela se baseia no uso de outro vírus como suporte, que é modificado para transportar no organismo informações genéticas capazes de combater a covid.

As duas utilizam um adenovírus, um tipo de vírus muito comum. O da AstraZeneca é um adenovírus de chimpanzé e da J&J é humano.

"Tudo indica que é por causa do vetor do adenovírus", explicou Mathieu Molimard, um especialista em farmacologia francês, no Twitter, lembrando que esse tipo de problema não ocorre com as vacinas da Pfizer-BioNTech e Moderna, que usam a técnica do RNA mensageiro.

Por enquanto, não se sabe se essas patologias também ocorrem com outra vacina que emprega um adenovírus, a russa Sputnik. Ela está liberada em cerca de 60 países, mas não na UE ou nos EUA.

 


Vários elementos apontam para uma reação imunológica excessiva causada por essas vacinas, uma "explicação plausível", segundo a EMA.

Em um estudo publicado online em 28 de março, pesquisadores alemães e austríacos estabeleceram uma comparação com outro mecanismo já conhecido.

O fenômeno "se assemelha clinicamente à trombocitopenia induzida por heparina (HIT)", disse a equipe de cientistas liderada por Andreas Greinacher, da Universidade de Greifswald.

A HIT é uma reação imunológica anormal, grave e incomum, desencadeada em alguns pacientes por um medicamento anticoagulante, a heparina.

É uma "explicação plausível", avaliou a EMA em 7 de abril, pedindo a realização de mais estudos.

 

 

No caso da J&J, foram registrados oito casos atípicos de trombose, entre eles um óbito, todos nos Estados Unidos, entre mais de sete milhões de doses administradas, segundo dados examinados pela EMA.

Com a vacina da AstraZeneca, foram contabilizados 287 casos no mundo, 142 deles no Espaço Econômico Europeu (UE, Islândia, Noruega, Liechtenstein), afirmou o regulador europeu nesta terça.

Na semana passada, o órgão informou 222 casos registrados até 4 de abril no Espaço Econômico Europeu e no Reino Unido, entre 34 milhões de injeções, com um balanço de 18 mortes até 22 de março.

Mas, como acontece com todos os medicamentos, a chave está em ponderar os riscos e benefícios.

"A covid-19 apresenta riscos de hospitalização e morte. A combinação de coágulos sanguíneos e plaquetas baixas que tem sido objeto de advertências é muito rara, e os benefícios gerais da vacina Janssen na prevenção da covid-19 são superiores aos riscos de efeitos colaterais", concluiu a EMA nesta terça, como já havia sido informado em relação à AstraZeneca.

 

 

Mulheres jovens parecem ser especialmente afetadas. Os oito casos detectados com a vacina da J&J correspondem a "pessoas com menos de 60 anos" e "principalmente mulheres". Na AstraZeneca, a maioria dos casos ocorreu em "mulheres com menos de 60 anos", de acordo com a EMA.

No entanto, é muito cedo para tirar conclusões. Por enquanto, "não identificamos nenhum fator de risco específico", disse o regulador sobre os dois imunizantes.

Apesar disso, vários países decidiram parar de usar a vacina da AstraZeneca abaixo de uma certa idade: 30 anos no Reino Unido, 55 na França, Bélgica e Canadá, 60 na Alemanha e Holanda, e 65 na Suécia e Finlândia.

Essas medidas se baseiam no equilíbrio entre riscos e benefícios: quanto mais velho se é, maior é a probabilidade de desenvolver uma forma grave de covid e maiores serão os benefícios de se vacinar com a AstraZeneca.

As autoridades do Reino Unido divulgaram um gráfico que mostra que a covid-19 representa um risco para a saúde seis vezes maior do que a vacina nas idades de 20 a 29 anos. Já na faixa etária de 60 a 69, o risco é 600 vezes mais significativo.

A Noruega e a Dinamarca optaram por interromper completamente o uso da vacina da AstraZeneca.

 

 

 

Últimas notícias