Caso Miguel

O desabafo de Mirtes, após conversa com Sarí: "A máscara dela caiu"

Dez pessoas testemunharam a conversa, travada no primeiro andar da Delegacia de Santo Amaro, numa sala ao lado da do delegado Ramon Teixeira.

Ciara Carvalho
Ciara Carvalho
Publicado em 01/07/2020 às 7:55
Notícia
WELINGTON LIMA/JC IIMAGEM
Caso Miguel - Mirtes Renata de Souza e populares protestavam em frente a delegacia onde Sari Corte Real, no momento em que prestava depoimento, sobre a morte do menino Miguel na delegacia de Santo Amaro. - FOTO: WELINGTON LIMA/JC IIMAGEM
Leitura:

Foi um diálogo de muitas perguntas e poucas respostas. Praticamente um desabafo. Dez pessoas testemunharam a conversa, travada no primeiro andar da Delegacia de Santo Amaro, numa sala ao lado da do delegado Ramon Teixeira. Em pé, durante todo o tempo, Sarí Corte Real permaneceu de braços cruzados, ao lado do marido, o prefeito de Tamandaré, Sérgio Hacker (PSB). Sentada, Mirtes Souza, a mãe de Miguel Otávio, segurava a foto do filho, minutos antes emoldurada num porta-retrato. Ali, frente a frente, as duas se encontravam pela primeira vez, desde o velório do menino de 5 anos, no dia seguinte à queda que resultou na morte do garoto, no dia 2 de junho de 2020.

>> No elevador, Sarí Corte Real apertou botão da cobertura, diz perícia do IC

>> Caso Miguel: a polêmica que rondou o depoimento de Sarí Côrte Real

>> Caso Miguel: defesa erra na estratégia e polícia erra ao permitir privilégio


A mãe de Miguel afirma ter desconhecido a ex-patroa, pela “frieza, arrogância e cinismo” com que ela se comportou na conversa. Não houve pedido de perdão nem expressão de arrependimento. Nenhuma lágrima foi derramada por Sarí, de acordo com Mirtes. A mulher, investigada por deixar Miguel sozinho no elevador, falou quase nada. Nas poucas vezes que tentou reagir às palavras de Mirtes, Sarí foi “segurada” pelo marido, o tempo todo ao seu lado.

A primeira fala de Mirtes veio em forma de pedido.

“Sarí, olha essa foto. Tá vendo essa foto aqui. É meu filho, Miguel Otávio. Ele poderia ter o defeito que fosse. Mas era meu filho. Isso não te dava o direito de fazer o que você fez. Você hoje tem dois filhos para dar amor e carinho. Eu não tenho mais nenhum. Por culpa sua.”

A resposta de Sarí foi a de que, em nenhum momento, Mirtes havia pedido para que ela tomasse conta de seu filho.

“Eu não apertei aquele botão”

A segunda fala da patroa doeu mais ainda. Ao perguntar por que Sarí tinha apertado o botão do elevador, Mirtes ouviu uma resposta que desafiava o que os seus olhos tinham visto na gravação feita minutos antes de Miguel cair do 9º andar, de uma altura de 35 metros. “Eu não apertei aquele botão”, afirmou a ex-patroa.

Nesta terça-feira (30), um dia após a difícil conversa, Mirtes ainda sentia o espanto pela frieza que encontrou na mulher para quem ela trabalhou durante quatro anos.

“O que mais me doeu foi ver o desprezo que ela sentiu pelo meu filho. Não havia remorso em nenhuma de suas poucas palavras. O que posso dizer é que ontem, naquela sala da delegacia, a máscara dela caiu.”

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias