Pandemia

Apesar de restrições, praia de Porto de Galinhas amanhece movimentada neste sábado (6)

Na manhã deste sábado, foram encontradas muitas pessoas na faixa de areia sem estarem praticando nenhuma atividade física; também havia banhistas no mar

Luisa Farias Hildo Neto
Luisa Farias
Hildo Neto
Publicado em 06/03/2021 às 11:43
Notícia
Bobby Fabisak/JC Imagem
Dia de restrições em Porto de Galinhas - FOTO: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

Apesar das restrições de circulação de pessoas nas praias de Pernambuco devido à pandemia da covid-19, em Porto de Galinhas, Litoral Sul, neste sábado (6), a reportagem do JC identificou uma grande quantidade de pessoas na faixa de areia sem estarem praticando nenhuma atividade física. Também havia banhistas no mar e até pessoas pescando.

Em Pernambuco, está proibido o funcionamento de atividades não-essenciais durante todo o final de semana e nos dias úteis das 20h às 5h, desde a quarta (3) até o dia 17 de março. Nas praias, as pessoas não podem transitar nas faixas de areia, exceto para a prática de atividade física individual. Os frequentadores devem utilizar máscara de proteção. O uso de som na faixa de areia está proibido, independentemente do horário.

>> Praias de Pernambuco terão fiscalização reforçada a partir deste sábado (6)

>> Funcionamento dos parques e praias do Estado está restrito a partir desta quarta-feira (3)

Devido às restrições, uma equipe da Secretaria de Defesa Social de Ipojuca fazia a fiscalização na praia, juntamente com o efetivo da Guarda Municipal. "Estamos voltados para a fiscalização de nossas praias, conscientizando as pessoas e orientando como é bom usar esse espaço consciente, usar a praia para fazer uma caminhada ou atividades esportivas individuais, permanecer pouco tempo na praia, dentro d'água e fazendo o uso consciente ao decreto do Governo do Estado", explicou o diretor administrativo financeiro da secretaria, Aragão Pereira Filho.

Durante a ação, um casal de turistas de São Paulo foi abordado e teve que sair da praia. "Eu acho vergonhoso, porque você vem aqui para consumir em uma cidade que vive 100% de turismo e eu não posso ficar na praia com a minha esposa, tomar uma cerveja, dar um mergulho no mar, vergonhoso", disse Maurício Almeida, representante comercial. Apesar da queixa, o turista afirmou que os fiscais foram educados na abordagem.

"Sempre que nós abordarmos alguém sem máscara nós vamos pedir com educação, tratando bem, que é nossa obrigação tratar bem o ser humano, o visitante, pessoas que visitam a praia de Porto de Galinhas. Mas que eles usem a máscara, só isso, para que nós possamos conter e fazer algo em prol dessa pandemia que nos assola o nosso Brasil, o nosso estado", disse o representante da prefeitura.

A fiscalização contou com o apoio de quadriciclos e jet-skis. A reportagem verificou que frequentadores respeitavam as recomendações das autoridades de maneira pacífica, mas devido à grande rotatividade de pessoas, pouco tempo depois, assim que a abordagem terminava, os locais voltavam a ter gente novamente, algumas vezes, as mesmas que foram chamadas à atenção.  

Barreira sanitária

Na manhã deste sábado (6), a Prefeitura de Ipojuca instalou uma barreira sanitária em Nossa Senhora do Ó, na altura do restaurante Rei das Coxinhas, para orientar as pessoas que se dirigiam para a praia de Porto de Galinhas. 

A enfermeira Rosângela Alves de Barros, uma das pessoas que passou pela barreira sanitária, considerou as medidas de restrição corretas. "Eu acredito que isso vai impedir a proliferação. Eu acho que as pessoas estão sendo bem orientadas quanto a esse cuidado", resumiu. 

Bobby Fabisak/JC Imagem
Dia de restrições em Porto de Galinhas - Bobby Fabisak/JC Imagem
Bobby Fabisak/JC Imagem
Dia de restrições em Porto de Galinhas - Bobby Fabisak/JC Imagem
Bobby Fabisak/JC Imagem
Dia de restrições em Porto de Galinhas - Bobby Fabisak/JC Imagem
Bobby Fabisak/JC Imagem
Dia de restrições em Porto de Galinhas - Bobby Fabisak/JC Imagem
Bobby Fabisak/JC Imagem
Dia de restrições em Porto de Galinhas - Bobby Fabisak/JC Imagem

Rosângela, que é de Brasília, chegou em Pernambuco na quinta-feira (4) e vai permanecer até a segunda (8), mas no final de semana não poderá frequentar a praia. "É frustrante. A gente conseguiu aproveitar ontem a praia porque foi permitido, mas hoje e amanhã a gente não vai poder usufruir, então a gente fica meio frustrado, porque a gente planejou essa viagem há algum tempo, imaginando que já com a chegada da vacina que não ia ocorrer esse fechamento do comércio inteiro. Mas a gente está se adaptando para não perder o passeio", afirmou.

Os estabelecimentos comerciais, incluindo bares, restaurantes e quiosques, só podem funcionar nos finais de semana pelo sistema de delivery. O gerente da Bodega do Selva, Fábio Nascimento, foi orientado pela fiscalização para manter apenas um acesso para que os clientes possam receber os produtos, já que não está permitido o consumo no local.

"É necessário, infelizmente a pandemia está tomando conta da situação e existia a necessidade de restrições para evitar a proliferação do vírus e a gente trabalhar de uma forma um pouco mais restrita só com delivery para também tentar manter o nosso ganho também, que é necessário. Além do vírus a gente também precisa sobreviver, comer, se alimentar", disse.

A fiscalização solicitou ao proprietário do restaurante Pescaria, Ricardo Lacerda, que fica à beira-mar, que retirasse uma placa estamos funcionando. "A medida atrapalha um pouco, mas está correta. Para quem trabalha na praia, o final de semana representa 50% do faturamento, mas a gente entende que a situação é difícil. Só acho que deveria haver mais informação", declarou.  

O presidente da Associação dos Jangadeiros de Porto de Galinhas, Sávio Acioly, reconhece a dificuldade econômica com as restrições, mas apoia a decisão. "A gente recebe muitas pessoas de fora e também ficamos expostos. O final de semana representa quase um mês do inverno em termos de faturamento. É um prejuízo considerável, mas é necessário", comenta. 

Situação de Pernambuco

Após confirmar 1.588 novos casos de covid-19 nessa sexta-feira (5), Pernambuco soma 8.916 novas infecções causadas pelo novo coronavírus em apenas uma semana. Os dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) apontam que 477 desses casos foram considerados graves, o que representa 5% do total. A forma mais grave da doença costuma evoluir para uma Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), e esses casos demandam por internação hospitalar na maioria das vezes.

Dos casos registrados na sexta, 123, ou 8% do total, são de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), enquanto os outros 1.465, 92% do total, foram considerados leves. Até essa sexta, o Estado já registrou 306.320 casos da doença, sendo 32.845 graves e 273.475 leves. Levando em consideração os registros dos últimos sete dias, a média de confirmação diária de casos no Estado está em 1.274. O número representa uma queda de 10% na média móvel, indicador utilizado para medir o avanço da pandemia.

A SES-PE também registrou 29 novas mortes. Os óbitos ocorreram entre os dias 9 de julho de 2020 e 04 de março. Com relação à média móvel, a queda no número de mortes foi de 11% nesta sexta, o que indica estabilidade nos registros. Levando em consideração as confirmações dos últimos sete dias, Pernambuco está registrando 25 novas mortes por dia. Até esta sexta, o Estado já perdeu 11.119 vidas para a doença.

Comentários

Últimas notícias