'ARAPONGA'

Operação da PF mira suspeitos de falsificar documentos para conseguir porte de arma em Pernambuco

Suspeitos falsificavam e vendiam documentos de identidade funcional da Agencia Brasileira de Inteligência (Abin)

Marcelo Aprígio Ana Maria Miranda
Marcelo Aprígio
Ana Maria Miranda
Publicado em 24/05/2021 às 7:57
Notícia
DIVULGAÇÃO/PF
Suspeitos de falsificar documentos para conseguir porte de arma no Recife e em Escada são alvo da PF - FOTO: DIVULGAÇÃO/PF
Leitura:

Atualizada no dia 25.05

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta segunda-feira (24) uma operação que visa desarticular uma associação criminosa responsável pela falsificação de documentos com o objetivo de obter portes de arma de fogo. Batizada de 'Araponga', a ação conta com a atuação de 38 policiais, que cumprem ordens judiciais no Recife e Interior de Pernambuco.

Ao todo, são cumpridos oito mandados de busca e apreensão na capital pernambucana e no município de Escada, na Zona da Mata do Estado. As ordens foram expedidas pela 36ª Vara Federal da Seção Judiciária de Pernambuco. 

Investigações

As investigações que deram origem à 'Araponga', apontaram que, entre 2019 e 2020, integrantes de uma associação criminosa falsificaram e venderam documentos de identidade funcional da Agencia Brasileira de Inteligência (Abin) com o objetivo de habilitar seus usuários a portar armas de fogo.

Os alvo da operação desta segunda-feira serão denunciados pelos crimes de associação criminosa, falsificação de documentos público, uso de documento falso, falsa identidade, posse e porte ilegal de arma de fogo, a depender do grau de participação nos fatos apurados. Se condenados, os envolvidos podem pegar penas que, somadas, passam de de 15 anos de prisão.

Em nota, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) informou que tomou ciência e denunciou o indício de ação criminosa a autoridade competente em fevereiro de 2019. A Abin disse ainda que "os documentos utilizados pelos falsários não condizem com a identidade funcional adotada pelo órgão e que a concessão de porte de arma de fogo a servidores da Agência segue estritamente a legislação vigente". O órgão ainda exaltou a desarticulação da organização criminosa e garantiu que continuará reportando à autoridade policial competente "todo e qualquer caso de uso criminoso ou indevido de seu nome e de sua identidade visual".

Veja imagens da operação Araponga

DIVULGAÇÃO/PF
Suspeitos de falsificar documentos para conseguir porte de arma no Recife e em Escada são alvo da PF - DIVULGAÇÃO/PF
DIVULGAÇÃO/PF
Suspeitos de falsificar documentos para conseguir porte de arma no Recife e em Escada são alvo da PF - DIVULGAÇÃO/PF
DIVULGAÇÃO/PF
Veículos foram apreendidos pelos policiais durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão - DIVULGAÇÃO/PF
DIVULGAÇÃO/PF
Veículos foram apreendidos pelos policiais durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão - DIVULGAÇÃO/PF
DIVULGAÇÃO/PF
Suspeitos de falsificar documentos para conseguir porte de arma no Recife e em Escada são alvo da PF - DIVULGAÇÃO/PF

Operações anteriores da PF

Contrassenso

Em abril, a PF deflagrou uma operação para investigar suspeitos de corrupção, lavagem de dinheiro, fraude em licitação, falsidade ideológica e organização criminosa em contratações realizadas pela Secretaria de Educação de Petrolina, no Sertão de Pernambuco. Batizada de 'Contrassenso', a ação contou com a atuação de aproximadamente 150 policiais federais e auditores da Controladoria Geral da União (CGU).

Black Monday

Em março de 2021, uma operação cujo alvo é uma organização criminosa envolvida na prática de pirâmide financeira, crimes contra as relações de consumo e lavagem de dinheiro foi deflagrada em Pernambuco e outros 11 estados. A ação, batizada de Black Monday, foi realizada pelo Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) em parceria com o MP de Minas Gerais e com o apoio da Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Desmame

Em fevereiro, deflagrou a Operação Desmame, em Timbaúba, na Zona da Mata de Pernambuco. A ação visa combater uma organização responsável por crimes contra a administração pública e lavagem de dinheiro relacionados a contratos de fornecimento de medicamentos e material hospitalar à cidade. Entre os alvos da operação está o atual prefeito do município, Marinaldo Rosendo (PP), que governa Timbaúba pela segunda vez.

4 milhões

Deflagrada no dia 11 de maio, a operação 4 Milhões teve o objetivo de combater uma organização criminosa responsável por estelionato e lavagem de dinheiro. Foi cumprido um mandado de prisão preventiva contra o líder do grupo e cinco de busca e apreensão, bloqueio de contas bancárias e sequestro de imóvel. Cerca de R$ 22 mil em dinheiro foram apreendidos.

As investigações começaram em outubro de 2020, quando a Caixa Econômica Federal denunciou à PF um advogado suspeito de aplicar um golpe milionário na própria cliente. Segundo a polícia, a vítima deveria receber R$ 4 milhões do pagamento de um precatório (indenização paga pelo Poder Público). O dinheiro foi liberado, mas desapareceu da conta. Depois, a mulher descobriu que o saque havia sido realizado pelo próprio advogado.

Desmame II

No dia 20 de maio, a PF deflagrou a segunda fase da operação Desmame II, que que apura desvio de recursos do SUS em Timbaúba, na Zona da Mata de Pernambuco. Os alvos também são suspeitos de crimes como fraudes em licitações e lavagem de capitais. Segundo a PF, entre 2013 e 2016, houve fraude nos processos licitatórios realizados pela administração municipal para aquisição de medicamentos e materiais odontológicos e hospitalares com recursos destinados ao SUS.

Comentários

Últimas notícias