PGE-PE

Familiares das vítimas de violência policial em protesto no Recife se reúnem com Governo do Estado nesta quarta (2)

Procuradoria Geral do Governo de Pernambuco (PGE-PE) foi designada para iniciar o processo de indenização aos atingidos

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 02/06/2021 às 9:10
Notícia
DAY SANTOS/JC IMAGEM
Familiares de Jonas Correia de França - FOTO: DAY SANTOS/JC IMAGEM
Leitura:

Com informações da repórter Cinthia Ferreira, da TV Jornal

A Procuradoria Geral do Governo de Pernambuco (PGE-PE) recebeu, na manhã desta quarta-feira (2), familiares dos feridos durante ação policial em protesto contra o governo Bolsonaro no último sábado (29) no Recife. Representantes do poder estadual prometeram às vítimas um auxílio emergencial no valor de um salário mínimo (R$ 1.100), auxílio alimentação e auxílio saúde até que uma indenização seja definida.

Tiros de balas de borracha disparados pela Polícia Militar de Pernambuco, que visava reprimir a manifestação pacífica, atingiram os olhos do adesivador Daniel Campelo da Silva, de 51 anos, e do arrumador de contêiner Jonas Correia de França, 29, que sequer participavam do ato. Ambos tiveram a visão perdida em um dos olhos.

Na sede da PGE-PE, situada no bairro de Santo Antônio, área central da capital pernambucana, em reunião a portas fechadas, estiveram a irmã e o filho de Daniel, Inês Campelo e Júlio Campelo, respectivamente, junto a três advogados. Já os familiares de Jonas - a esposa, o irmão e a cunhada - estavam acompanhados de representantes do Gabinete Assessoria Jurídica Organizações Populares (Gajop) e do Centro Dom Helder Câmara de Estudos e Ação Social (Cendhec) e por um defensor público.

Participaram da conversa também o procurador-geral do Estado de Pernambuco, Ernani Medicis, e o Secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico. O procurador do Estado Antiógenes Viana, do Gabinete da PGE-PE, foi designado para atuar no caso. O governador Paulo Câmara (PSB) atribuiu ao órgão, em conjunto com a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH), o processo de indenização aos atingidos.

DAY SANTOS/JC IMAGEM
Familiares de Jonas Correia de França - DAY SANTOS/JC IMAGEM
DAY SANTOS/JC IMAGEM
Advogado de Daniel, Amaro Gustavo - DAY SANTOS/JC IMAGEM
DAY SANTOS/JC IMAGEM
Inês Campelo, irmã de Daniel - DAY SANTOS/JC IMAGEM
DAY SANTOS/JC IMAGEM
Familiares de Daniel Campelo da Silva - DAY SANTOS/JC IMAGEM

Segundo a gestão, "cestas de alimentos serão disponibilizadas a partir desta quarta à tarde para as famílias, a fim de colaborar com as despesas com os insumos neste momento de afastamento dos profissionais de suas atividades. Também ficou pactuado que o Estado irá ressarcir as despesas com medicamentos e locomoção das vítimas e suas famílias durante o tratamento das lesões, bem como gastos futuros com remédios". Além disso, disse que desde essa terça (1º) as famílias vêm recebendo, em casa, assistência psicossocial de profissionais do Centro Estadual de Apoio às Vítimas de Violência (CEAV), da Secretaria Executiva de Direitos Humanos (SEDH).

Por nota, o governo também informou que o auxílio financeiro, chamado de benefício eventual, está previsto na Lei de Assistência Social para situações excepcionais, como de violência, e que todo o "trâmite burocrático para o auxílio será providenciado pela Secretaria Executiva de Assistência Social (SEAS/SDSCJ), que fará visita presencial hoje à tarde às residências das vítimas, juntamente com equipes do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) do Recife".

O procurador-geral Ernani Medicis garantiu que o Estado fornecerá a indenização para reparação dos danos sofridos pelas duas vítimas. "O Estado reconhece sua responsabilidade e tudo que estiver previsto em lei será garantido, com indenização por danos morais e materiais, da forma mais rápida possível", afirmou o procurador-geral. A pasta explicou que a "indenização por danos materiais proposta é de um salário mínimo até 75 anos", enquanto a por danos morais "estará em discussão em reuniões subsequentes com as vítimas e seus advogados".

Jonas passa por uma nova cirurgia nesta quarta (2) na Fundação Altino Ventura (FAV), na Boa Vista, Centro do Recife, "para tentar colocar o globo ocular no lugar", segundo a esposa dele, Daniela Barreto. Enquanto passa por procedimentos na FAV, ele está internado no Hospital da Restauração (HR). À reportagem do JC, ele disse que médicos o avisaram que a visão do olho direito, o que foi atingido, já tinha sido perdida. Já Daniel Campelo recebeu alta da mesma unidade hospitalar na tarde dessa terça-feira (1º), e perdeu a visão do olho esquerdo.

O filho de Daniel, o vigilante Júlio Campelo, sabe que dinheiro nenhum vai trazer a visão dele de volta, mas afirmou que uma ajuda financeira vai tornar situação menos difícil, já que o pai era o provedor da família. "Essa solução vai servir para amenizar a situação em casa, mas sabemos que meu pai não vai mais ter a alegria que tinha antes", contou.

Um dos advogados de Daniel, Marcelus Ugiette, disse que é preciso ter cautela neste momento, e pretende solicitar uma pensão vitalícia para a vítima. "Entendemos que nessa situação essa pessoa que foi ferida e teve sua vida mudada por uma ação negativa do estado deve ter sim uma espécie de pensão vitalícia."

O defensor público Rafael Alcoforado, que representa Jonas, a assistência médica adequada - que não vinha sendo prestada - foi prioridade a ser tratada na reunião. "A família ainda está preocupada, Jonas vai fazer a cirurgia hoje, existe a questão do pós-cirúrgico, onde ele vai realizá-lo, então nossa preocupação agora, nesse momento, é a recuperação [dele]."

Comentários

Últimas notícias