Capital de Pernambuco

Réveillon: Recife proíbe comércio, toldos, mesas e outros itens na orla de Boa Viagem devido à covid

Na última semana, o prefeito João Campos já havia afirmado que a prefeitura não realizará festividades para evitar aglomeração

Cássio Oliveira
Cássio Oliveira
Publicado em 06/12/2021 às 18:58
LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
Réveillon em Boa Viagem, no Recife, não terá festa pública e haverá proibições - FOTO: LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
Leitura:

O Recife proibiu que sejam fixadas barracas, mesas, cadeiras, toldos, caixas de sons, caixas térmicas (coolers) e qualquer tipo de comercialização ao longo da faixa de areia, calçadão e Avenida da orla durante o réveillon, celebrado entre a sexta-feira (31) para o sábado (1º).

No sábado (4), foi publicada a portaria número 35 de 2 de dezembro de 2021, assinada pelo secretário de Política Urbana e Licenciamento do Recife, Leonardo Bacelar de Araújo, com as medidas.

De acordo com o texto, a proibição começa no dia 31 de dezembro no horário das 17:00 horas até as 6:00 horas do dia 1º de janeiro de 2022.

Cancelamento do réveillon

Na última semana, o prefeito João Campos (PSB) confirmou o cancelamento do réveillon na capital por preocupações com a pandemia após o surgimento da variante ômicron do novo coronavírus.

“Não haverá shows promovidos pela Prefeitura do Recife no Réveillon da nossa cidade. Então não vai haver grandes shows como sempre acontece na avenida Boa Viagem, no Polo Pina, que são as principais praias do Recife. Mas nós vamos fazer queimas de fogos sem estampidos descentralizadas na cidade. Vamos ter na Zona Sul, na Zona Norte e na Zona Oeste e a queima tradicional de fogos na orla de Boa Viagem, mas sem promoção de shows, que promovem grandes aglomerações, chegando a registrar mais de 1 milhão de pessoas na orla”, disse o prefeito em entrevista ao programa Em Ponto, da GloboNews.

Ainda de acordo com o prefeito, o momento de incertezas no cenário da pandemia, causado com o surgimento de uma nova variante exige cautela do poder público. “Entendendo que vivemos um momento no qual aparece uma nova variante, de muitas incertezas em torno dela. Nós temos avançado muito na vacinação, mas o momento ainda não chegou para promover um encontro de tal tamanho. Então vamos manter a queima de fogos, de forma descentralizada, mas não vamos promover shows pela Prefeitura do Recife na orla de Boa Viagem”, afirmou.

A Prefeitura do Recife vai realizar a tradicional queima de fogos na Orla de Boa Viagem, com 17 minutos. Serão quatro balsas dispostas no mar e que serão responsáveis por dar suporte aos fogos que serão projetados sem estampidos. Também haverá cinco minutos de fogos em polos descentralizados no Ibura, Jardim São Paulo, Morro da Conceição e Lagoa do Araçá. 

Região Metropolitana

A reportagem entrou em contato com as Prefeituras de Jaboatão dos Guararapes e Olinda, na Região Metropolitana do Recife. Ambos os municípios definirão até o fim desta semana o cronograma de réveillon com o que poderá ou não ser feito.

Jaboatão deve definir sobre fogos e restrições na orla, visto que, desde setembro, o prefeito da cidade, Anderson Ferreira, já havia anunciado que não realizaria festividades públicas por conta da pandemia.

Já em Olinda, a Secretaria de Patrimônio, Cultura e Turismo ainda não definiu se fará evento. Há uma discussão no momento sobre a possibilidade da queima de fogos e a definição deve sair, também, até o fim desta semana.

A Prefeitura de Paulista já cancelou a festa de réveillon e o Carnaval 2022 no município. O prefeito Yves Ribeiro determinou o cancelamento das festividades na quinta-feira (2), em razão da preocupação com a ômicron. O governo municipal vai promover lives com alguns artistas nessas datas.

"Cuidar da saúde é um dever de todos. Nessa pandemia, cuidar da sua saúde também é cuidar da saúde do outro. Precisamos proteger o nosso povo. Paulista está bem adiantada na imunização, lançamos até o Expresso Vacina para ir aos lugares de difícil acesso, mas precisamos seguir com cuidado", disse Yves.

Amupe

Reunidos em assembleia da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), prefeitos e prefeitas decidiram, quase por unanimidade, cancelar todas as festas públicas de réveillon. A confirmação se deu na última semana após pronunciamento do secretário estadual de Saúde, André Longo, por videoconferência, de não recomendar eventos de grande porte sem controle de passaporte vacinal, neste mês de dezembro, como é o caso dos eventos públicos de fim de ano.

“Após um proveitoso debate, nós tiramos algumas diretrizes que foram acatadas pela maioria dos prefeitos. O primeiro é que não devemos fazer festas em grandes proporções, sobretudo as de final de ano. As festas que estão previstas para acontecer, devem seguir os protocolos vigentes do governo do Estado”, frisou o presidente da Amupe, José Patriota, que coordenou os trabalhos.

Sertão

Por conta do crescimento do número de casos e surgimento de novas variantes do coronavírus, o prefeito Miguel Coelho decidiu cancelar a realização do Réveillon e do Carnaval de Petrolina. Segundo ele, já havia um planejamento para a preparação da tradicional festa de fim de ano. A decisão, porém, foi suspender os shows e realizar apenas a queima de fogos de artifício na Orla de Petrolina. O Carnaval também será cancelado, permitindo-se somente eventos privados com limite de público e protocolos de higiene conforme os critérios determinados pela Secretaria de Saúde do Estado.

“Estamos fazendo também um alerta para as pessoas que não estão se vacinando. Todo mundo precisa se vacinar senão essa pandemia continuará se estendendo e colocando em risco as vidas das pessoas. Portanto, pensando na saúde da população, decidimos cancelar o Réveillon e o Carnaval”, explicou Miguel.

Agreste

A Prefeitura de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, informou que não será realizada festa de réveillon no município neste ano. Por meio de nota, a gestão municipal informou que "a decisão tem como objetivo não promover aglomerações e, assim, evitar possíveis transmissões da Covid-19 na cidade".

Comentários

Últimas notícias