PANDEMIA

Vacinação lenta das crianças e aumento de óbitos por covid-19 fazem governo de Pernambuco ampliar leitos pediátricos

Hospital de Referência à Covid-19 – Olinda (Maternidade Brites de Albuquerque) colocou em funcionamento 20 novos leitos pediátricos, sendo dez de terapia intensiva (UTIs) e dez de enfermaria

JC
Cadastrado por
JC
Publicado em 05/02/2022 às 21:38 | Atualizado em 05/02/2022 às 22:40
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Todos são voltados, exclusivamente, para o atendimento de pacientes com quadros respiratórios graves - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

A lenta vacinação de crianças contra a covid-19 e o aumento dos óbitos dos pequenos - registrados consecutivamente na semana passada - fizeram o governo do Estado ampliar a oferta de leitos pediátricos no Estado. Neste sábado (5/2), o Hospital de Referência à Covid-19 – Olinda (Maternidade Brites de Albuquerque) colocou em funcionamento 20 novos leitos pediátricos, sendo dez de terapia intensiva (UTIs) e dez de enfermaria. Todos são voltados, exclusivamente, para o atendimento de pacientes com quadros respiratórios graves.

Covid-19: entre crianças, cobertura vacinal está baixíssima em Pernambuco; apenas 8,4% tomaram a primeira dose

Bebê e criança de 10 anos morrem vítimas da covid-19 em Pernambuco; casos não têm informações sobre comorbidades, diz secretaria

Atualmente, a Maternidade Brites de Albuquerque conta com 20 leitos de terapia intensiva e outros 20 de enfermaria para o atendimento infantil. Nos próximos dias, outros 10 leitos pediátricos de UTI serão colocados em operação na unidade de Olinda. Com a abertura destes leitos, Pernambuco passa a contar com 74 leitos de UTI e 119 de enfermaria voltados para bebês e crianças com quadros respiratórios graves.

HÉLIA SCHEPPA/SEI
Hospital de Referência à covid-19 de Olinda já tinha aberto 20 leitos de terapia intensiva e outros 20 de enfermaria para o atendimento infantil - HÉLIA SCHEPPA/SEI

A abertura das novas vagas tinha sido anunciada pelo secretário estadual de Saúde, André Longo, durante coletiva de imprensa realizada na quinta-feira (3/2), para avaliar a crise sanitária provocada pelo novo coronavírus no Estado. “Por determinação do governador Paulo Câmara, continuamos trabalhando para garantir a assistência à população, frente à aceleração da variante Ômicron. Desde o final do ano passado, já são 822 novos leitos, sendo 344 de UTI e ainda vamos abrir, nos próximos dias, cerca de 400 outras vagas. Mas só os esforços do governo não serão suficientes. Para frear a circulação viral e superar o vírus, precisamos do engajamento de todos, com o respeito aos protocolos e o reforço nos cuidados”, ressalta o secretário André Longo.

APELO POR VACINAÇÃO

O secretário voltou a destacar a importância da vacinação das crianças, ainda mais no atual momento, quando a variante Ômicron está acelerando a contaminação da população. “É a melhor forma de prevenir os adoecimentos graves e óbitos pela doença nesta faixa etária. Em janeiro iniciamos a vacinação de nossas crianças, a partir dos 5 anos de idade, e ainda enfrentamos alguns obstáculos para que esta imunização avance de forma mais célere. Mas uma coisa é fato: só a proteção coletiva proporcionada pela vacinação vai frear o aparecimento de novos casos e a circulação de variantes, inclusive junto ao público pediátrico. E as crianças menores de cinco anos, que ainda não contam com a proteção das vacinas, só têm a barreira ofertada pelas demais pessoas”, pediu.

ÓBITOS INFANTIS

Os boletins da Secretaria de Saúde de Pernambuco mostraram, em dois dias consecutivos, a confirmação de óbitos por covid-19 em crianças "sem informações sobre comorbidades". Na quinta-feira (3/2), entre as 19 mortes decorrentes de complicações decorrentes da doença, uma foi de um bebê de 1 ano de idade. Segundo a SES, ele morava em Caruaru, no Agreste do Estado, e faleceu na última terça-feira (1º).

Já na quarta-feira (2), o boletim epidemiológico apontou que, dos 23 óbitos confirmados naquela data, um foi de uma menina, de 10 anos, que morava em Petrolina, no Sertão. De acordo com a SES, ela começou a apresentar os sintomas de covid-19 no dia 14 de janeiro e precisou ser encaminhada para o Hospital Dom Malan, localizado na cidade, onde ficou internada de 16 a 24 de janeiro, data em que não resistiu à infecção e foi a óbito.

O Recife, também na quarta-feira (2), confirmou a morte por covid-19 de um adolescente de 12 anos, que morava no bairro de Cajueiro, na Zona Norte da cidade. Ele tinha comorbidade (encefalopatia neuropsicomotora) e começou a apresentar sintomas no dia 19 de janeiro deste ano. "No dia 26 do mesmo mês, foi levado para o Hospital Barão de Lucena (no bairro da Iputinga, Zona Oeste do Recife), onde foi a óbito. A morte foi confirmada por meio de critério laboratorial", informou, em nota, a Secretaria de Saúde do Recife.

Comentários

Últimas notícias