ENCHENTE

Chuva no Recife: há risco de algo parecido com a cheia de 1975? Relembre o que ocorreu

A enchente de 1975 provocou a morte de 104 pessoas e deixou cerca de 350 mil desalojados, cobrindo 80% do território da cidade

Filipe Farias
Cadastrado por
Filipe Farias
Publicado em 25/05/2022 às 18:30 | Atualizado em 25/05/2022 às 20:50
Foto Reprodução: Sérgio Bernardo/ Acervo JC Imagem
Devastação causada pelo transbordamento do Rio Capibaribe, nos dias 17 e 18 de julho de 1975 - FOTO: Foto Reprodução: Sérgio Bernardo/ Acervo JC Imagem
Leitura:

Nos últimos três dias, as fortes chuvas vêm deixando suas marcas na Região Metropolitana do Recife. Alagamentos, deslizamentos de barreiras, queda de parte do teto de hospital, falta de energia em vários bairros, veículos enguiçados por conta de ruas e avenidas cheias de água, motoqueiro desaparecido após transbordamento de um canal em Olinda... Destruição que pode se agravar, já que nos próximos dias a previsão de continuidade das pancadas de chuvas.

É inevitável, porém, que nesses dias caóticos provocados pela grande quantidade de água que cai no Recife e nas cidades vizinhas, não nos recordemos da tragédia de 1975. Naquele ano, mais precisamente na madrugada do dia 17 e o início da tarde do dia 18 de julho - prestes a completar 47 anos -, a capital pernambucana sofreu a maior catástrofe natural de sua história, quando houve uma devastação causada pelo transbordamento do Rio Capibaribe.

A enchente de 1975 provocou a morte de 104 pessoas e deixou cerca de 350 mil desalojados, cobrindo 80% do território da cidade. Segundo laudos do Instituto de Medicina Legal (IML), a temível cheia matou as centenas de vítimas de várias formas... Foram identificados: 32 afogamento, 13 casos de morte súbita – a maioria por ataque cardíaco –, 28 mortes naturais (muitas por doenças gastro-intestinais, causadas pelo consumo de água contaminada) e até mesmo quatro suicídios, possivelmente motivados pelo pânico de ver a cidade sob as águas.

>> CHUVAS NO GRANDE RECIFE: veja imagens dos transtornos causados pelas fortes chuvas

Recife ficou de joelhos perante a força da natureza. Foram 31 bairros e 370 ruas atingidas pelo transbordamento do Rio Capibaribe, por conta das fortes chuvas. Não à toa, os bairros que ficam na bacia do curso-d’água – Caxangá, Iputinga, Cordeiro, Casa Forte, Afogados, Madalena entre outros – foram os mais atingidos. Ruas inteiras ficaram embaixo d’água, houve desabamentos, milhares de flagelados, e o pior: vidas, de todas as classes sociais, foram interrompidas.

Foto: Arquivo do IML
Falta de registros dificulta compreensão sobre a enchente do Rio Capibaribe que matou mais de 100 pessoas - Foto: Arquivo do IML

Se passaram quase 47 anos dessa tragédia, mas o cenário nos dias de chuva no Recife e na sua Região Metropolitana, infelizmente, segue bem contemporâneo. A cada vez que um alerta meteorológico é emitido, o medo toma conta da população pernambucana. A cidade, que em sua maioria foi construída após aterramento de manguezais, ainda carece de um investimento significativo para tais tragédias naturais, como uma melhor rede de drenagem pluvial, além de saneamento básico adequado.

Prefeito

Através das redes sociais, o prefeito do Recife, João Campos, deixou um alerta para a população: "A gente também pede que as pessoas evitem deslocamento na cidade. Vamos priorizar os serviços e as atividades essenciais. Nosso foco deve ser agora sobretudo com a segurança e a vida das pessoas", afirmou.

DOCUMENTÁRIO

Assista ao vídeo gravado por Fernando de Oliveira, compositor de frevo e filho de Waldemar de Oliveira. Os registros foram feitos em Super 8. Um belo minidocumentário sobre a cheia.

 

Comentários

Últimas notícias