SAÚDE ANIMAL

SÃO JOÃO: veterinários dão dicas para acalmar cães e gatos durante queima de fogos juninos

Confira orientações que devem fazer seu pet se sentir mais protegido do som das explosões tradicionais no período junino

Katarina Moraes
Cadastrado por
Katarina Moraes
Publicado em 23/06/2022 às 10:07 | Atualizado em 23/06/2022 às 11:50
PIXABAY
O barulho de fogos de artifício podem causar sérias reações nos pets - FOTO: PIXABAY
Leitura:

Fogueira, comida de milho e gente reunida. No Nordeste, o São João, comemorado nesta sexta-feira (24), é uma verdadeira festa. Mas a tradição de soltar fogos de artifício barulhentos pode causar estresse para as crianças, doentes, autistas e para os animais de estimação. Por isso, o programa Passando a Limpo, da Rádio Jornal, trouxe dicas na manhã desta quinta-feira (23) para acalmar os seus amigos de quatro patas.

Na entrevista, o veterinário Doralécio Lins e Silva afirmou que os cães, principalmente, ficam excitados com o barulho, podendo ter ataques de ansiedade. A depender da raça do animal, a reação pode piorar. Por isso, orientou: "eu recomendo que seja dado um calmante, como passiflora. É muito natural, não vai sequela, nem deixar o cão enjoado".

No último ano, o JC noticiou o caso de uma cadela da raça border collie que fugiu de casa durante os estampidos. “[Com os fogos], ela ficou muito assustada e agitada, e saiu correndo sem respirar", contou, à época, a tutora e médica Lalluna Brandão. Felizmente, Nala foi encontrada após intensos dias de procura.

Segundo a veterinária Miúcha Furtado, 34, isso acontece porque o barulho dos fogos, que já é alto para humanos, é ainda pior para os animais.

"É aterrorizante para eles, causa muito estresse. Esse cenário provoca muita adrenalina o tempo inteiro no animal, não permitindo que ele relaxe. Isso, de forma contínua, pode elevar a pressão arterial, acelerar os batimentos, fazer com que cães cardiopatas, por exemplo, tenham algum grau de edema. Essa tensão constante faz com que o animal não durma e não reequilibre o organismo", diz.

A médica veterinária Karina Mussolino explica que o estampido dos fogos pode lesionar o tímpano e leva a quadros mais sérios, como a perda total de audição. "Há outros riscos importantes, que precisam ser considerados, como a tentativa de fuga, atropelamento ou mesmo se machucar em portões e janelas", comenta.

Segundo a especialista em comportamento felino da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) Roseana Diniz, os gatos geralmente não têm medo dos fogos de artifício na mesma intensidade que os cães. Mas, para os que fugirem à regra, a orientação é "escolher um quarto na casa, fechar cortinas, colocar uma música de relaxamento para abafar mais o som, deixar o ventilador ligado em velocidade máxima, colocar no próprio quarto a caixa de areia higiênica, água, ração, deixar acessível para os animais. Colocar caixas de papelão e fechar com uma camisa", disse.

Os tutores devem ter cuidado até mesmo com as fogueiras. “Principalmente no caso de animais que vivem em casa, quando soltos e assustados com o barulho, há risco de queimadura nas patas. Por isso, é importante que os donos estejam atentos”, ressalta a veterinária Karla Almeida.

Cuidados básicos

  1. Sozinhos não: estar perto dos bichinhos neste momento faz com que eles se sintam protegidos. Caso seja necessário deixá-los, a dica é espalhar pela casa alguma peça de roupa, toalha ou coberto com o cheiro do tutor.
  2. Ambiente seguro: ao sair, feche portas e janelas. Os felinos gostam de se esconder, para isso, o ideal é restringir o espaço colocando caixas que possam servir de abrigo a eles, principalmente em pontos altos da casa.
  3. Ligue o som: tente ir acostumando os bichos aos barulhos dentro de casa. Vale ligar TV e música com volume alto; fazer sons que simulem estouro com frequência e, enquanto faz isso, procure interagir e desviar o foco dos pets.
  4. Sem punições: esse é um momento de muito estresse para cães e gatos, portanto, nada de demonstrar indiferença ao comportamento deles. Ao invés disso, ofereça recompensas, carinho e fique sempre por perto.
  5. Nada de medicamentos: evite medicar os pets sem orientação de um veterinário na tentativa de acalmá-los. Para gatos, os tutores podem espalhar feromônios pela casa; para cães, deixe ao alcance brinquedos interativos para mantê-los entretidos.

Dicas para acalmar cachorros:

  1. Mantenha o animal num ambiente confortável e que não possa fugir
  2. Não acorrentar o animal
  3. Crie distrações com atividades junto ao dono ou fornecer osso defumado pela casa
  4. Coloque músicas com som de natureza na televisão que sobreponha o barulho dos fogos
  5. Pedaços de algodão no ouvido dos animais

Dicas para acalmar gatos:

  1. Mantenha o gato em um quarto com a luz apagada
  2. Coloque músicas de relaxamento
  3. Crie espaços para que ele possa se esconder, como caixas de papelão
  4. Deixar potes de água e comida e a caixa de areia no quarto

Comentários

Últimas notícias