Eleições 2020

Prefeituráveis mudam rotina por causa do coronavírus e divergem sobre possibilidade de adiar as eleições municipais

Com as medidas restritivas, pré-candidatos a prefeito intensificam o uso das redes sociais, mas sobre possibilidade de mudanças no calendário eleitoral, há divergências

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 22/03/2020 às 7:01
Notícia
Fotos: Leo Motta / JC Imagem
João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT), pré-candidatos a Prefeitura do Recife, afirmam que o momento agora é de "salvar vidas e minimizar os efeitos socioeconômicos" diante da pandemia - FOTO: Fotos: Leo Motta / JC Imagem
Leitura:

As medidas restritivas determinadas pelos governos estaduais e municipais, para conter a disseminação do coronavírus, não tem mudado apenas a rotina da população, mas dos políticos, principalmente os pré-candidatos a prefeito. De acordo com a cientista política Priscila Lapa, mesmo neste cenário de pandemia, o eleitor não deixa de estar atento aos posicionamentos destes candidatos.

» Com o coronavírus, eleições municipais deste ano podem ser adiadas

» Em sessão virtual, Senado aprova decreto de calamidade pública no Brasil por conta do coronavírus

» TSE diz que não pode alterar calendário eleitoral

“Com o aumento da circulação de informações, as pessoas têm parâmetros de comparação para saber o que foi feito e funcionou, e aquilo que foi inócuo. Dessa forma, quem tentar simplesmente tirar proveito da situação, pode ter sua imagem arranhada”, pontua. A especialista afirma que a hora é de serenidade. “Não há muito espaço para a demagogia, porque os efeitos das ações precisam ser imediato”, alerta Priscila.

Sem o contato “olho no olho” com o eleitor, as redes sociais se tornaram a principal ponte entre os candidatos e a população. O cientista político Arthur Leandro, os nomes que estão colocados na mesa do xadrez político precisam deixar claros os seus posicionamentos, neste momento. “Todos os pré-candidatos devem posicionar-se em favor das medidas de prevenção, buscando informar das pessoas. Qualquer outra abordagem ficará fora de contexto - afinal, a pandemia atinge eleitores do governo, da oposição, e a grande maioria de pessoas que ainda não decidiu o voto”, afirma.

» Coronavírus: Pernambuco anuncia 1º caso de cura em mulher que foi infectada

No Recife, os pré-candidatos estão em consenso sobre o uso das redes sociais para tratar do coronavírus e informar aos seus eleitores sobre as medidas que estão sendo tomadas. No entanto, quando o assunto é sobre o possível adiamento das eleições, sendo cogitada a realização de um pleito único em 2022, há divergências.

» Eleições 2020: Você sabe o que um prefeito faz?

Pré-candidato pelo DEM, o ex-ministro da Educação Mendonça Filho acredita que poderá haver o adiamento do pleito, que seria realizado em outubro, mas passaria para o mês de novembro. “Quem possa ler a Constituição Federal sabe que existe uma cláusula pétrea, que não pode ser modificada por emenda constitucional e nem por PEC, que diz que todo poder emana do povo e, em seu nome é exercido”, declara.

Isso significa, segundo o democrata, que “nenhum mandatário poderia exercer o poder como representante da população, seja como prefeito, governador, ou vereador, se não for por voto popular”. “Isso está expresso na constituição, quem propõe essa mudança não está fazendo a leitura correta”, crítica o ex-ministro.

Já a delegada Patrícia Domingos, pré-candidata do Podemos, afirma que é preciso aguardar a evolução desse cenário, diante da pandemia da covid-19. “Acredito que devemos aguardar para que possamos ter uma opinião. Não temos elementos para falar em adiamento. Se houver necessidade, todas as medidas possíveis devem ser tomadas. A prioridade é o combate do coronavírus”, afirma.

Para o deputado federal e pré-candidato, Daniel Coelho (Cidadania), o que deveria ser proposto neste primeiro momento, é a prorrogação dos prazos de filiação partidária, que termina dia 4 de abril, para que seja prorrogado por mais dois meses. “É uma forma dos partidos se organizarem e do próprio Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE), que não tem condição de fazer esse atendimento”, pontua Coelho.

“Não podemos colocar nenhum tipo de projeto partidário acima dessa situação, temos que priorizar a população. Essa questão de alterar a data da eleição, é algo que precisa ser discutido mais lá na frente”, declara.

Colocado como o nome mais indicado para a sucessão do prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), o deputado federal João Campos (PSB), preferiu não entrar neste debate sobre os rumos eleitorais após efeito do coronavírus. “Agora não dá para pensar em eleição, a prioridade é salvar vidas e como poderemos amenizar a crise social. Infelizmente, essa é uma doença que de início é importada por quem é rico, mas quem vai sofrer são os mais pobres. O que temos que garantir, é que a democracia continue a existir, e depois discutiremos o que vai ser”, declara Campos.

A pré-candidata pelo PT, Marília Arraes, também afirmou que as mudanças no calendário eleitoral não é a pauta, mesmo que haja essa discussão no Congresso Nacional. “A prioridade, neste momento, é preservar vidas, tanto da doença, quanto do impacto negativo na economia, que vem com a pandemia. Essa deve ser nossa conduta no momento, pensar na proteção das pessoas”, defende a deputada federal.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias