Coronavírus

Paulo Câmara endurece o tom contra Bolsonaro: 'gestos irresponsáveis'

Governador de Pernambuco afirmou, em pronunciamento nesta sexta-feira (27), que negar ou adiar decisões de combate ao coronavírus custou caro para o mundo

Luisa Farias
Luisa Farias
Publicado em 27/03/2020 às 18:33
Notícia
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Paulo Câmara coordenará o trabalho de forma remota - FOTO: FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Leitura:

Em pronunciamento nesta sexta-feira (27), o governador Paulo Câmara (PSB) adotou um tom mais duro em relação à conduta do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no combate à pandemia do novo coronavírus (covid-19). 

O socialista inicia sua fala afirmando que a negação ou adiamento de decisões de combate à proliferação do vírus, a exemplo do distanciamento social, custou caro a outros países, "uma conta paga com vidas", disse. Pernambuco registrou nesta sexta-feira (27) a quarta morte por coronavírus. 

"Todo dia cresce o número de mortes na Europa, nos Estados Unidos e no Brasil. A determinação mundial é manter as pessoas em casa por um tempo para diminuir a propagação do vírus. O trabalho dos governos, a dedicação dos profissionais de saúde e a colaboração da maioria da população acabam sendo insuficientes por causa de gestos irresponsáveis.

Depois que Bolsonaro defendeu na última terça-feira (24), durante pronunciamento em rede nacional, a reabertura do comércio e a flexibilização do isolamento social, além de ter criticado os governadores e a imprensa, Paulo já havia feito críticas ao presidente. Ele chegou a afirmar que o gesto do presidente "comprova que o Brasil está sem comando".

>>Em cadeia nacional, Bolsonaro reabre guerra com imprensa e critica gestores estaduais por isolamento do coronavírus

>> Governador de Pernambuco diz que discurso de Bolsonaro "comprova que Brasil está sem comando"

>> Reunião dos governadores após pronunciamento de Bolsonaro foi ideia de Paulo Câmara

Segundo a coluna Cena Política, ele quem deu a ideia da realização de uma videoconferência na última quarta (25) com os governadores nordestinos para reafirmar as medidas de isolamento social que já estavam sendo adotadas nos estados. 

Paulo alegou que em Pernambuco tem sido feito "todo o possível", mas é responsabilidade do governo federal comandar programas de renda voltado para os trabalhadores

"É assim no mundo. Não faz sentido aqui o governo federal procurar briga com os governadores e querer colocar as pessoas em risco sem assumir ações efetivas dedicadas ao social e à economia", disse o socialista. 

Campanha 

Paulo rebateu a campanha publicitária "Brasil não pode parar" lançada pelo governo federal, com o intuito de chamar a população a voltar a circular nas ruas. 

>> Veja campanha política de Bolsonaro para tirar povo de casa na crise do coronavírus: 'Brasil não pode parar"

>> Milão usou campanha Não Pode Parar, como a de Bolsonaro, e já passou dos 4,4 mil mortos pelo coronavírus

"Em vez de se proteger e de proteger a família, quem vai para a rua pode se contaminar e virar agente de transmissão. Coloca a vida em risco e ameaça os outros. A covid-19 continua matando milhares de pessoas. No Brasil, a situação vai se agravar se a população não obedecer a orientação de quem entende", disse Paulo Câmara. 

Governadores do Nordeste

Após nova videoconferência, realizada nesta sexta-feira (27), os governadores da região Nordeste decidiram manter 

Olha, o clima da matéria e título da carta dos governadores tem que ser: vamos fazer nosso plano sem contar com Bolsonaro

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias