Futuro

Em Pernambuco, chances do DEM estar na chapa majoritária da oposição em 2022 são remotas, diz Mendonça

De acordo com o dirigente partidário, os principais nomes da agremiação já optaram por concorrer à Câmara Federal ou à Assembleia Legislativa e, por isso, o partido prefere não reivindicar uma posição na majoritária

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 22/04/2021 às 15:45
BRUNO CAMPOS/DIVULGAÇÃO
Mendonça Filho (DEM) - FOTO: BRUNO CAMPOS/DIVULGAÇÃO
Leitura:

Após reunir-se, na última segunda-feira (19), com os parlamentares pernambucanos do Democratas para discutir o futuro do partido nas eleições de 2022, o ex-governador e ex-ministro Mendonça Filho, que preside o partido no Estado, afirmou que são pequenas as chances da sigla ocupar os postos de candidato a governador, vice-governador ou senador na chapa que o grupo de oposição lançará em 2022. De acordo com o dirigente partidário, os principais nomes da agremiação já optaram por concorrer à Câmara Federal ou à Assembleia Legislativa e, por isso, o partido prefere não reivindicar uma posição na majoritária.

Em Pernambuco, o DEM faz parte do grupo de centro-direita que em 2018 apoiou a candidatura de Armando Monteiro (PSDB) ao governo do Estado. O coletivo ainda não decidiu qual estratégia adotará no próximo ano para vencer o pleito, mas os nomes mais lembrados nos últimos meses para a disputa têm sido o dos prefeitos de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PL), de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), e de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB). Até agora não se sabe quantos desses nomes chegarão às urnas.

>> Mendonça debate estratégia para 2022 com os Coelho

>> 'Em 2022, serei candidato a deputado federal', diz Mendonça Filho

>> Em Pernambuco, grupo de oposição ainda não tem estratégia para enfrentar o PSB nas urnas em 2022

>> Com membros pró e contra Bolsonaro, oposição de Pernambuco tenta descobrir como lidar com o presidente em 2022

>> Candidato nas duas últimas eleições estaduais, Armando diz não ter a intenção de concorrer ao governo em 2022

“Atualmente, o nome do partido que tem musculatura majoritária é o de Priscila Krause (deputada estadual), que disputou a Prefeitura do Recife comigo, é séria, qualificada, tem condição de ser até candidata a governadora. Mas a gente tem que discutir para além do Democratas. Não quero reivindicar posição na majoritária, pois para conseguirmos derrubar a dominação de mais de 20 anos do PSB em Pernambuco, a gente precisa ter unidade nas forças de oposição, coisa que nos faltou inclusive na disputa para prefeito. De minha parte, eu estou me auto-excluindo da cena majoritária de 2022. Tenho esse desejo guardado, mas contribuo para o processo quando me coloco como candidato a deputado federal”, observou Mendonça. Em recente entrevista ao JC, Priscila afirmou estar focada em renovar o seu mandato na Alepe.

Além da parlamentar, o DEM possui dois deputados estaduais em Pernambuco: Antônio Coelho e Gustavo Gouveia. Na Câmara dos Deputados, o diretório pernambucano do partido tem apenas um representante, Fernando Filho. Todos vão concorrer à reeleição. Segundo Mendonça, a meta da agremiação é, em 2022, conseguir eleger três deputados federais e de cinco a seis deputados estaduais.

Há algumas semanas, algumas notícias indicavam que Miguel Coelho, irmão de Fernando Filho e Antônio Coelho, poderia vir a se filiar ao DEM para viabilizar a sua candidatura ao governo estadual. Miguel está hoje no MDB, mas a sigla está na base aliada do PSB. Como o desejo da oposição é afastar o partido de Jarbas Vasconcelos dos socialistas, o prefeito sertanejo logo tratou de afastar essa possibilidade, dizendo que não tem planos de mudar de legenda. No início de abril, o presidente estadual do MDB, Raul Henry, não descartou a possibilidade de desembarque do partido da Frente Popular, mas disse que ainda é cedo para tratar sobre o tema.

Comentários

Últimas notícias