Antigos aliados

Com Lula em Pernambuco, Armando reforça defesa a candidato de centro nas eleições presidenciais de 2022

No passado, o ex-senador fez parte do governo da então presidente Dilma Rousseff e teve candidaturas apoiadas pelo PT. Hoje, acredita que é necessário abrir espaço para novas lideranças

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 16/08/2021 às 18:59
Notícia
Bobby Fabisak/JC Imagem
Em 2014, Lula e Dilma participaram de evento em prol da campanha de Armando Monteiro Neto a governador. Derrotado na eleição, ele assumiu o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no governo da petista - FOTO: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

Aliado histórico do PT, o ex-senador Armando Monteiro Neto, que filou-se recentemente ao PSDB, afirmou nesta segunda-feira (16) que, apesar de reconhecer que o ex-presidente Lula (PT) contribuiu significativamente para o desenvolvimento de Pernambuco enquanto esteve no poder, não apoiará uma possível candidatura do petista ao Planalto em 2022 por não acreditar que ele seja o melhor nome para suceder o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). De acordo com o tucano, o ideal é que uma liderança nova e de centro chegue à presidência, pois não conseguiremos superar os problemas que existem hoje no país "voltando ao passado".

"Durante a minha trajetória eu fui ministro da presidente Dilma (Rousseff, PT) e nesse sentido eu tenho reconhecimento à ação que foi feita pelo presidente Lula em favor do Nordeste e de Pernambuco. Muitos importantes projetos no Estado foram frutos de investimentos promovidos na época do governo Lula, seja a indústria naval, a refinaria, o marco desse regime automotivo que permitiu que a Fiat viesse para cá, a área social, inclusive, ampliando os programas de transferência de renda que foram tão importantes para o Nordeste. Mas com relação ao processo de escolha do futuro presidente da República a minha posição é que o presidente Lula já teve várias oportunidades. Eu acho que é hora de dar lugar às novas lideranças. Nós não vamos superar o presente que nos constrange com esse governo desastrado do presidente Bolsonaro voltando ao passado", declarou Armando, em entrevista à rádio CBN Caruaru.

>> Eleições 2022: Mendonça Filho defende Priscila Krause na majoritária da oposição em Pernambuco

>> Com Eduardo Leite, Armando Monteiro defende investimentos em infraestrutura e segurança hídrica para o Nordeste

>> Raquel Lyra disse que podemos contar com ela para a disputa pelo Governo de Pernambuco, diz presidente do PSDB

>> 'A hora é de buscar quadros novos que quebrem essa polarização', diz Armando sobre possível candidatura de Lula

Em 2018, quando concorreu ao Governo do Estado dentro de uma coligação que continha unicamente partidos de centro e centro-direita, Armando declarou apoio à candidatura de Lula até o momento em que o ex-presidente teve a postulação indeferida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Depois disso ele declarou voto no ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB).

No momento em que Lula cumpria o segundo dia de compromissos em Pernambuco dentro de um giro que iniciou ontem pelo Nordeste, Armando Monteiro diz defender "algo novo para o País". "Nós precisamos agora construir um futuro, dar um passo adiante e, para isso, é preciso convocar novas lideranças. Veja que o presidente Lula já teve oportunidade de ser candidato à Presidência da República em 1989, 1994, 1998, 2002, 2006. Eu acho que agora nós precisamos apostar em novas lideranças, é por isso que, com todo o respeito à postulação do presidente Lula, eu defendo algo novo para o País", destacou.

O PSDB tem prévias marcadas para novembro deste ano, quando decidirá quem deve ser o seu candidato ao Palácio do Planalto em 2022. Até o momento, estão colocados na disputa o governador de São Paulo, João Doria, o senador Tasso Jereissati, o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que inclusive esteve em Pernambuco na última sexta-feira (13).

CENÁRIO LOCAL

Defensor da candidatura da prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), ao Governo de Pernambuco, Armando afirmou que a gestora e os outros dois pré-candidatos ao Palácio do Campo das Princesas do grupo de oposição, Anderson Ferreira (PL) e Miguel Coelho (MDB), estão em constante diálogo para chegar a um consenso sobre a melhor estratégia a ser adotada pelo bloco no ano que vem. Um dos principais fatores que determinará a decisão que será tomada, diz Armando, será o cenário de disputa nacional.

"Eles (Raquel, Anderson e Miguel) têm um canal permanente de comunicação e acho que todos estão compelidos a encontrar um entendimento comum. É claro que o ideal seria construir uma única candidatura nesse campo, mas às vezes, por circunstâncias do próprio palanque nacional, é possível que tenhamos mais de uma candidatura", observou o ex-senador. "Por que eu falo dos palaques nacionais? Porque a prefeita Raquel se alinha com o PSDB e com partidos que estão ao centro, que provavelmente terá uma ou duas candidaturas (a presidente), então o palanque dela tem que estar aberto aqui para essas candidaturas. E é sabido que os prefeitos Miguel Coelho e Anderson têm um maior alinhamento com o governo Bolsonaro. Então é possível que, por essas circunstâncias, eles tenham que oferecer um palanque aqui em Pernambuco para a candidatura à reeleição de Bolsonaro", completou Armando Monteiro.

Comentários

Últimas notícias