DEM

Eleições 2022: Mendonça Filho defende Priscila Krause na majoritária da oposição em Pernambuco

Ex-governador passou a citar abertamente a correligionária como uma alternativa para o grupo. Gesto demonstra uma guinada na direção que a agremiação pretende adotar no pleito do ano que vem

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 05/08/2021 às 17:43
Notícia
GUGA MATOS/DIVULGAÇÃO
Mendonça Filho e Priscila Krause - FOTO: GUGA MATOS/DIVULGAÇÃO
Leitura:

Enquanto os pré-candidatos de oposição ao Governo de Pernambuco têm trabalhado para tentar viabilizar seus nomes para as eleições do próximo ano, mais um partido dá os primeiros passos no sentido de reivindicar um lugar de destaque no pleito: o Democratas. Em entrevistas a rádios do interior, o ex-governador e presidente estadual da sigla, Mendonça Filho, começou a citar abertamente o nome da deputada estadual Priscila Krause (DEM) como uma alternativa para "disputar um cargo majoritário" no ano que vem. Antes, sempre que era questionado se essa possibilidade existiria, Mendonça limitava-se a tecer elogios à correligionária e afirmar que ela possuía todos os predicados para ocupar qualquer posição em uma chapa, sem, contudo, colocá-la expressamente nessa posição.

"Uma pessoa que pode disputar um cargo majoritário no processo eleitoral de 2022 é Priscila Krause. Jovem, talentosa, já disputou a Prefeitura do Recife, esteve ao meu lado nessa última disputa, é uma voz ativa e corajosa em defesa da moralidade, combatendo a corrupção e dizendo, de forma muito clara, que a renovação política em Pernambuco tem que ser cada vez maior", declarou Mendonça, nesta quinta-feira (5), durante entrevista ao programa Cidade em Foco, da Rede Agreste de Rádios.

>> Em Pernambuco, grupo de oposição ainda não tem estratégia para enfrentar o PSB nas urnas em 2022

>> Em Pernambuco, chances do DEM estar na chapa majoritária da oposição em 2022 são remotas, diz Mendonça

>> Joaquim Francisco deixou um conselho para a oposição em sua última entrevista à Rádio Jornal

>> Oposição quer definir candidato ao Governo de Pernambuco ainda em 2021

>> Anderson, Raquel e Miguel não estão dispostos a disputar como vice ou senador, diz André Ferreira

A fala do democrata demonstra uma guinada na direção que a agremiação pretende adotar no ano que vem. Em entrevista ao JC em abril deste ano, o ex-ministro da Educação já mencionava Priscila ao afirmar que ela seria "o nome do partido que tem musculatura majoritária" e que "tem condição de ser até candidata a governadora", mas dizia que as chances do partido ocupar um espaço na chapa eram remotas, uma vez que os seus principais representantes já teriam optado por disputar vagas na Câmara Federal ou na Assembleia Legislativa (Alepe), como era o caso da própria deputada.

"Para conseguirmos derrubar a dominação de mais de 20 anos do PSB em Pernambuco a gente precisa ter unidade nas forças de oposição, coisa que nos faltou inclusive na disputa para prefeito", declarou Mendonça, na época.

Com passagens pela Câmara de Vereadores do Recife, pela Alepe, e com experiência em duas eleições majoritárias, uma encabeçando a chapa para a Prefeitura do Recife e outra como candidata a vice-prefeita, o nome de Priscila Krause não deve gerar rachas na oposição, pois é muito bem aceito entre os membros do grupo, sobretudo para uma composição com um dos pré-candidatos ao governo: o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), o prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PL) e a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), esta última amiga pessoal de Priscila.

"Priscila é um nome extraordinário, que enriquece e fortalece qualquer chapa. É um nome que tem o meu respeito e acho que é uma liderança que se afirmou em Pernambuco e desempenha um papel importante na Assembleia, tem sido uma parlamentar muito combativa, tem inserção na Região Metropolitana. Ela se colocará muito bem nessa perspectiva, eu não tenho dúvida. É um grande quadro", pontuou o ex-senador Armando Monteiro Neto (PSDB).

O coletivo que saiu unido em 2018 em torno da candidatura de Armando para o governo estadual, porém, ainda não decidiu a estratégia que vai adotar no pleito de 2022, se vai lançar apenas uma ou mais candidaturas. Neste momento, Miguel tenta convencer o MDB, que hoje está na base de apoio do PSB, a investir na sua postulação, mas já colocou o bloco na rua e tem visitado várias cidades em busca de apoio. Raquel e Anderson, por sua vez, têm atuado de maneira mais discreta, tratando de temas relacionados às eleições nos bastidores, de forma geral.

Neste contexto, não se sabe se a democrata poderia sair como candidata a governadora, vice-governadora ou ainda como postulante a uma vaga no Senado Federal.

Comentários

Últimas notícias