declaração à nação

Carta de Bolsonaro provoca reações mistas nos demais Poderes

Nota reduziu tensão, mas promessa de pacificação não convenceu muita gente

Cadastrado por
Estadão Conteúdo
Paulo Veras
Agência Câmara
Publicado em 10/09/2021 às 0:29 | Atualizado em 10/09/2021 às 1:28
FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL
Presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL) - FOTO: FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

A nota com uma promessa de pacificação do presidente Jair Bolsonaro foi recebida com certa dúvida e ressalva no Congresso Nacional. Um dos objetivos do chefe do Planalto é arrefecer as discussões sobre um eventual processo de impeachment que ganharam força após as ameaças ao Supremo Tribunal Federal (STF) no 7 de setembro.

"Respeito entre os Poderes, obediência à Constituição e compromisso de trabalho árduo em favor do desenvolvimento do país. É disso que o Brasil precisa e que vamos continuar defendendo", afirmou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-SP), após a divulgação do texto. Pacheco vinha adotando um tom mais duro em relação a escalada autoritária do Planalto.

Em entrevista à TV Bandeirantes, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), minimizou os discursos de Bolsonaro afirmando que tudo o que ocorreu "fora do script" deve ser creditado ao "fervor da política" e à "emoção do momento". "O presidente da República, acertadamente, serena os ânimos. Ele recomeça um movimento em direção aos Poderes", avaliou. Lira tem sido muito cobrado porque cabe a ele definir sobre a abertura ou não do impeachment.

No Legislativo, porém, nem todos foram receptivos ao texto do presidente. "Bolsonaro procura incendiar o País e, depois que o fogo toma conta, não sabe como apagá-lo, e não tem sequer coragem de vir à público e gravar um vídeo dizendo que errou. Aí solta uma nota dizendo que falou o que falou no calor do momento, recuando de sua posição", criticou o líder da oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ).

Líder do PDT, o deputado Wolney Queiroz (PDT-PE) afirmou que Bolsonaro divide o Brasil. "É lamentável que, no meio de uma pandemia, enquanto esta Casa tenta cumprir o seu papel, tenta votar matérias, tenta socorrer o País, tenta aprovar coisas importantes para o povo, tenhamos que constantemente estar nos defendendo de ataques autoritários, ataques vis, ataques maldosos, ataques mentirosos às instituições, à democracia e à esta Casa", lamentou.

Para o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ), que participou de manifestações da terça-feira, a atuação de Temer é digna de tristeza pela proximidade entre o ex-presidente e o ministro Alexandre de Moraes, um dos alvos dos bolsonaristas. "Esta nota partiu de uma redação feita pelo ex-presidente da República Michel Temer, responsável pela estadia do déspota Alexandre de Moraes em uma das cadeiras do Pleno do STF", criticou.

Judiciário

Se no Legislativo o clima pode ter arrefecido, no Judiciário, o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), rebateu ontem as falas antidemocráticas do presidente em um duro discurso. "Não podemos permitir a destruição das instituições para encobrir o fracasso econômico, social e moral que estamos vivendo", afirmou.

Sem citar o nome de Bolsonaro, o presidente da Corte Eleitoral sugeriu que ele age como um "farsante". "É tudo retórica vazia. Hoje em dia, salvo os fanáticos (que são cegos pelo radicalismo) e os mercenários (que são cegos pela monetização da mentira), todas as pessoas de bem sabem que não houve fraude e quem é o farsante nessa história", disse o ministro.

 

Comentários

Últimas notícias