ORGULHO

Entenda o que significa o o 'B' da sigla LGBTQIA+

Dia do Orgulho Bissexual aconteceu na última quinta-feira (23)

Samantha Oliveira
Samantha Oliveira
Publicado em 25/09/2021 às 7:00
Notícia
Reprodução/Internet
A bandeira do Orgulho Bissexual carrega as cores azul, roxo e rosa - FOTO: Reprodução/Internet
Leitura:

Não é novidade que existem vários espectros dentro da sigla LGBTQIA+, que vai desde identificação de gênero à orientação sexual. Em outras palavras, o termo engloba a forma como o indivíduo se enxerga no mundo e também como seu desejo pelo outro se manifesta.

Dentro disso está o B, atribuído à bissexualidade, que é quando o sujeito sente atração por dois ou mais gêneros, ou seja, homens, mulheres ou pessoas não binárias. O Dia do Orgulho Bissexual, inclusive, foi celebrado na última quinta-feira (23), com diversas mensagens de apoio e aceitação nas redes sociais.

O termo foi usado por volta do século XIX, pelo psicólogo alemão Richard Von Krafft-Ebing. Até então, bissexualidade era associado aos hermafroditas. A orientação ganhou força nos anos 70, com o advento da liberdade sexual dos corpos, onde ganhou campos de estudo em grupos de debate e pesquisa. Apesar disso, essa parte da comunidade LGBT sempre sofreu certa invisibilização na grande mídia e é até hoje refém de estereótipos falhos.

Um deles é o 'clássico' pensamento de que pessoas bissexuais são, na verdade, indecisas. Isso, além de errôneo, é um pensamento preconceituoso contra toda a comunidade; já que invalida a orientação sexual do outro e enxerga apenas experiências isoladas. Além disso, ser bi não se trata de ser promíscuo e se relacionar com "todos" como muitos pensam, e sim sobre desejo afetivo ou sexual de acordo com a vontade daquela pessoa específica. Vale ressaltar também que o bissexual não é "metade gay" ou "metade lésbica", já que isso também seria invalidar as demais orientações.

Aos poucos, as grandes produções como séries e filmes vêm jogando luz para o debate acerca da bissexualidade. Alguns personagens da ficção, como por exemplo Loki - o irmão de Thor no Universo Marvel - já pontuaram sobre seus interesses amorosos e trouxeram mais representatividade para a causa.

Afinal, quanto mais se vê essas minorias na TV e no cinema, por exemplo, mais se fala sobre o assunto, naturalizando-o. Já na vida real, no mundo das celebs, alguns nomes bem conhecidos já se assumiram publicamente, entre eles Pocah, Kéfera, Megan Fox, Gal Costa, Camila Pitanga, Angelina Jolie, Reynaldo Gianecchini já falaram sobre se relacionar com homens e mulheres.

 

Comentários

Últimas notícias