NAVIO GREGO

Veja imagens do navio Bouboulina, suspeito pelo derramamento de óleo no Nordeste

A embarcação é de origem grega

JC Online
JC Online
Publicado em 01/11/2019 às 15:53
Notícia
Foto: Ülari Tomson/ Marine Traffic
FOTO: Foto: Ülari Tomson/ Marine Traffic
Leitura:

Investigações das autoridades apontaram que o navio Bouboulina, de origem grega, é o principal suspeito pelo derramamento de óleo no Nordeste. A decisão do juiz federal Eduardo Guimarães Farias, da 14ª Vara Federal em Natal, aponta que a embarcação esteve na Venezuela entre os dias 15 e 18 de julho de 2019 antes de passar pela costa brasileira. O JC preparou uma galeria com imagens do Bouboulina pelo mundo.

Confira

Foto: Litsa Vroutsi-Sanoudou/ Marine Traffic
Bouboulina, de origem grega, em Piraeus, próximo a Atenas - Foto: Litsa Vroutsi-Sanoudou/ Marine Traffic
Foto: Mats Klevtorp/ Marine Traffic
A embarcação responsável pelo derramamento de óleo em Helsingborg, cidade portuária da Suécia - Foto: Mats Klevtorp/ Marine Traffic
Foto: Brian Maniglia/ Marine Traffic
Navio no Rio Delaware, nos Estados Unidos - Foto: Brian Maniglia/ Marine Traffic
Foto: Ülari Tomson/ Marine Traffic
Bouboulina no Golfo da Finlândia - Foto: Ülari Tomson/ Marine Traffic
Foto: Nikoka Vouras/ Marine Traffic
Navio Bouboulina em São Sebastião, em São Paulo - Foto: Nikoka Vouras/ Marine Traffic
Foto: Cláudio Ritossa/ Marine Traffic
Bouboulina no Trieste, nordeste da Itália - Foto: Cláudio Ritossa/ Marine Traffic
Foto: Huw/ Gibby/ Marine Traffic
A embarcação também esteve em Gibraltar, na costa sul da Espanha - Foto: Huw/ Gibby/ Marine Traffic
Foto: Cesar T. Neves/ Marine Traffic
Bouboulina em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro - Foto: Cesar T. Neves/ Marine Traffic
Foto: Piet Verspui/ Marine Traffic
Bouboulina em Callandkanaal Rott, nos Países Baixos - Foto: Piet Verspui/ Marine Traffic
Foto: Leo Noordij/ Marine Traffic
Navio Bouboulina em Roterdã, na província da Holanda do Sul - Foto: Leo Noordij/ Marine Traffic

A embarcação

O navio Bouboulina foi construído em 2006 e o seu nome é em homenagem a Laskarina Bouboulina, heroína na Guerra da Independência Grega. Ele possui 276 metros de comprimento e tem capacidade para carregar até 164 mil toneladas (somando a carga, passageiros, água, combustível, etc).

Rota

Após sair da Venezuela no dia 18 de julho de 2019, o Bouboulina dirigiu-se para a África do Sul e Nigéria. No percurso, a 700 quilômetros da costa brasileira, teria ocorrido o vazamento do petróleo cru. Na decisão, o juiz federal disse que "há fortes indícios de que a empresa Delta Tankers, o comandante do NM Bouboulina e tripulação deixaram de comunicar às autoridades competentes acerca de vazamento/lançamento de 'petróleo cru' no oceano Atlântico que veio a poluir centenas de praias brasileiras".

Últimas notícias