HOMICÍDIO

Caso Mirella: júri de acusado de matar fisioterapeuta acontece nesta segunda

Réu responde pelo homicídio e estupro de Tassia Mirella de Sena Araújo, morta em 5 de abril de 2017 no flat onde morava, em Boa Viagem, zona sul do Recife

JC Online
JC Online
Publicado em 02/08/2019 às 11:08
Notícia
Foto: Reprodução / Facebook
Réu responde pelo homicídio e estupro de Tassia Mirella de Sena Araújo, morta em 5 de abril de 2017 no flat onde morava, em Boa Viagem, zona sul do Recife - FOTO: Foto: Reprodução / Facebook
Leitura:

O Júri de Edvan Luiz da Silva acontece nesta segunda-feira (05), a partir das 9h, no Fórum Thomaz de Aquino na Avenida Martins de Barros, no bairro de Santo Antônio. O réu responde pelo homicídio e estupro de Tassia Mirella de Sena Araújo, morta em 5 de abril de 2017 no flat onde morava, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife.

O homicídio ainda tem como qualificadoras: feminicídio, motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. O juiz que preside o Júri é Pedro Odilon de Alencar.

Quatro testemunhas de acusação participarão do julgamento, e nenhuma de defesa. Após ouvi-las, haverá o interrogatório do réu Edvan Luiz da Silva.

Em seguida, haverá o debate entre o promotor e a defesa. Cada um tem até 1h30 para expor seus argumentos. Depois, poderá haver a réplica para o promotor, que dura até 1h, e a tréplica para a defesa, com a mesma duração. E depois, o subsequente julgamento pelo Conselho de Sentença.

Relembre o caso 

Mirella foi assassinada no dia 5 de abril no condomínio Golden Shopping Home Service, onde morava. Por volta das 7h, vizinhos ouviram gritos vindos do apartamento no 12º andar. Em seguida, viram o corpo da fisioterapeuta nu e ensanguentado no chão.

A polícia foi acionada e encontrou, na cena do crime, um rastro de sangue que seguia até o apartamento onde moravam Edvan e a esposa. A perícia identificou sangue da vítima na porta do acusado. Ao entrar no imóvel, com o auxílio de um chaveiro, as autoridades encontraram Edvan dormindo, com arranhões pelo corpo. O homem foi detido.

#UmaPorUma

A violência contra a mulher é constante e frequentemente acaba em tragédia. Existe uma história para contar por trás de cada feminicídio, em Pernambuco. O especial Uma por uma contou todas. Em 2018, o projeto mapeou onde as mataram, as motivações do crime, acompanharam a investigação e cobraram a punição dos culpados. Um banco de dados virtual, com os perfis de vítimas e agressores, além dos trágicos relatos que extrapolam a fotografia da cena do crime. Confira o especial Uma por Uma AQUI.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias