audiovisual

Governo notifica Kleber Mendonça Filho por devolução de dinheiro de 'O Som ao Redor'

Nota do Ministério da Cidadania no Diário Oficial pede a devolução da verba captada pelo filme em até 30 dias

Diogo Guedes
Diogo Guedes
Publicado em 03/05/2019 às 11:10
Notícia
Foto: Canal Curta!/Reprodução
Nota do Ministério da Cidadania no Diário Oficial pede a devolução da verba captada pelo filme em até 30 dias - FOTO: Foto: Canal Curta!/Reprodução
Leitura:

O Ministério da Cidadania, através da Secretaria de Audiovisual, publicou no Diário Oficial nesta sexta uma notificação para que os produtores do filme O Som ao Redor devolvam verbas captadas em editais para os cofres públicos por conta de reprovação nas prestrações de conta apresentadas. A empresa citada é a Cinemascópio, da produtora Emilie Lesclaux e do diretor pernambucano Kleber Mendonça Filho.

O pedido é de devolução de R$ 2,242 milhões, que são os valores corrigidos captados pelo filme O Som ao Redor, de 2013. Segundo a notificação, os citados têm até 30 dias para devolverem os recursos: “(...) ficam notificados os responsáveis abaixo nominados para, no prazo de 30 (trinta) dias, contados da publicação desta notificação, encaminhar à Secretaria do Audiovisual da Secretaria Especial da Cultura - Ministério da Cidadania, (...) o comprovante da devolução do valor impugnado na análise da prestação de contas”.

A reprovação da prestação de contas do filme de Kleber Mendonça se dá porque a captação para O Som ao Redor extrapolou os limites exigidos pelo edital – o filme deveria custar, no máximo R$ 1,3 milhão (R$ 1 milhão enviados pelo Minc, R$ 300 mil enviados pela Petrobras), mas foi aprovado em outro edital público, no Governo de Pernambuco, e seu orçamento chegou a R$ 1,7 milhão.

Segundo a defesa de Kleber, a produção de um filme está sujeita a imprevistos e alterações no orçamento. Ainda segundo eles, o aumento do orçamento do filme foi aprovado pela Agência Nacional do Cinema (Ancine) após a mudança ter sido comunicada à Secretaria do Audiovisual.

Kleber Mendonça falou com o JC sobre a notificação nesta sexta (3/5): "Tecnicamente, o processo continua em andamento e não há o que comentar além do que já falei antes sobre o assunto. A questão segue o percurso com nossos advogados, seguindo todos os trâmites jurídicos", escreveu.

No dia 19 de abril de 2019, ele falou sobre o assunto em entrevista ao JC. "Eu não sou o primeiro nem serei o último artista a ser perseguido e atacado por pessoas que ocupam posições temporária de poder. A gente vai agora seguir no processo da justiça, chegar no Tribunal de Contas da União e provar que, basicamente, esse processo não faz o absolutamente o menor sentido, que é um escândalo e uma vergonha", disse.

O Som ao Redor foi um dos filmes mais elogiados pela crítica brasileira e internacional em 2013, chegando a ser o indicado do Brasil para o Oscar 2014, apesar de não ter chegado a indicação do prêmios.

Kleber Mendonça se prepara atualmente para exibir o seu novo filme, Bacurau, dirigido com Juliano Dornelles, na mostra competitiva do Festival de Cannes, o principal do cinema do mundo.

OUTROS PRODUTORES

Além de O Som ao Redor, outros projetos também foram notificados por conta da reprovação da prestação de contas: Toca, Maestro, de Zoe Yasmine Miranda Sá Dall'Igna; Noites em Claro, de Pedro Tércio Olivotti; A Liga dos Canelas Pretas e Documentário sobre a vida e obra do Senador Guido Mondim, ambos da Play Vídeo Produtora; Caso Letícia, de José Roberto Nogueira de Sousa; Mulher na Melhor Idade, da Michele F. Guimarães Produções e Eventos ME; o 8º Festival de Cinema de Maringá 2011, de Pery Vianna Cavalcanti; Caro Francis - Um Olhar Afetivo sobre a Provocação, da Comalt - Comunicação Alternativa; Caminhos de Pedra, de Angela Martins; Caminhos da Democracia, da Hiperativa Brasil Marketing e Produção de Eventos LTDA; e Dialética para Todos, da Mégaron LTDA. Esses outros projetos tem dez dias para recorrer da reprovação nos projetos ou devolverem os valores aos cofres públicos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias