FARPAS

Em entrevista ao SBT, Bolsonaro diz que não há clima para conversar com Macron

Entrevista gravada foi exibida na noite desta terça-feira (24)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 24/09/2019 às 20:55
Notícia
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Entrevista gravada foi exibida na noite desta terça-feira (24) - FOTO: Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro disse ao SBT, em entrevista gravada exibida na noite desta terça-feira, 24, que não há clima para conversar com o presidente da França, Emmanuel Mácron.

A declaração foi dada pós o presidente brasileiro ter criticado Macron hoje pela manhã em seu discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, e um mês depois de os dois terem trocado farpas em razão das queimadas na Amazônia.

"Eu estive com ele (Macron) em Osaka (no Japão, para encontro do G-20), numa agenda reservada, e ele quis impor sua agenda, mas não obteve sucesso. Quando apareceram as queimadas na Amazônia, que estão abaixo da média dos últimos 15 anos, ele foi para a agressão, me chamou de mentiroso, dizendo que a soberania brasileira tinha de ser discutida no tocante à Amazônia. Não tem clima para conversar com ele", disse Bolsonaro.

O presidente negou mais uma vez que seu discurso tenha sido agressivo. Ele foi, na sua avaliação, "verdadeiro". "Na ONU, as pessoas vêm para enxugar gelo e passar pano e nós não fizemos isso de forma bastante educada e objetiva", afirmou Bolsonaro. "O Brasil tinha uma posição muito servil de não falar de igual para igual com os chefes de Estado", declarou. O presidente disse que não viu ninguém se retirando durante o seu discurso.

Encontro com Trump

Em outra entrevista exibida nesta noite, esta à Band, Bolsonaro falou sobre o encontro que terá hoje à noite com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. "Antes não havia uma relação de confiança entre Brasil e Estados Unidos, mas agora temos, com a chegada do nosso governo", afirmou. O presidente voltou a opinar que o Brasil corria o risco de virar socialista. "Se uma Venezuela incomoda muita gente, imagina um país do tamanho do Brasil", disse.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias