compra coletiva

Estados nordestinos economizam R$ 50 milhões em compra conjunta de remédios

Os medicamentos são fórmulas restritas para uso exclusivo na rede pública e vão abastecer farmácias de hospitais, ambulatórios e postos de saúde

Amanda Azevedo
Amanda Azevedo
Publicado em 06/11/2019 às 21:59
Notícia
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Os medicamentos são fórmulas restritas para uso exclusivo na rede pública e vão abastecer farmácias de hospitais, ambulatórios e postos de saúde - FOTO: Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Leitura:

Na primeira compra coletiva de remédios, os nove estados nordestinos, que juntos formam o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste), economizaram quase R$ 50 milhões. Os medicamentos vão abastecer farmácias de hospitais, ambulatórios e postos de saúde, que atendem uma população de mais de 57 milhões. A informação foi divulgada após reunião do Consórcio Nordeste no Palácio do Campo das Princesas, nesta quarta-feira (6).

A licitação conjunta para a compra de medicamentos envolveu a aquisição de dez itens componentes especializados da assistência farmacêutica. O edital previa um investimento de R$ 133 milhões na aquisição dos remédios, mas a empresa vencedora do apresentou proposta final de R$ 118 milhões. Os preços praticados pelos estados antes do Consórcio Nordeste poderiam chegar aos R$ 166 milhões. 

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), avaliou positivamente a mobilização dos estados. “O Consórcio dos governadores do Nordeste tem cumprido etapas importantes. A compra de medicamentos, que traz uma economia muito importante, mostra realmente o trabalho do Consórcio. Isso mostra que essa unidade e essa forma de fazer gestão já tem surtido resultados importantes”, disse.

>> Governadores do Nordeste criticam proposta de fusão de municípios

Reunião do Consórcio Nordeste no Recife

O encontro desta quarta-feira (6) foi o primeiro após o desastre do óleo que atingiu o litoral nordestino. Outros temas de interesse comum como a universalização do saneamento básico, a destinação de resíduos sólidos e ações de integração entre os integrantes do colegiado também foram discutidos.

Além do governador pernambucano, estiveram presentes os governadores Renan Filho (Alagoas), Camilo Santana (Ceará), João Azevêdo (Paraíba), Wellington Dias (Piauí), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte) e Belivaldo Chagas (Sergipe), além dos vice-governadores Carlos Brandão (Maranhão) e João Leão (Bahia). “Os governadores do Nordeste têm a compreensão primeiro da necessidade que tem essa Região, da necessidade de investimento, da possibilidade e das potencialidades que tem na Região e é isso que nós estamos apresentando”, afirmou o governador da Paraíba.

Carta do Recife

Na reunião desta quarta-feira (6), foi distribuída a Carta do Recife, relacionando o que foi discutido pelos governadores presentes. 

“É uma agenda de trabalho, em favor do Nordeste e, principalmente, uma agenda em favor do Brasil. Esse é o intuito dos governadores do Nordeste desde a constituição desse fórum, lá atrás, com nossos antecessores, e estamos tendo a capacidade de ampliar essas discussões, de colocar sempre na pauta e buscar realmente alternativas para o desenvolvimento das nossas regiões, para a geração de emprego e renda e para ajudar o Brasil a sair dessa situação tão crítica em que se encontra”, explicou o governador Paulo Câmara.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias