REPERCUSSÃO

Eduardo e Carlos Bolsonaro repudiam soltura de Lula e demais "criminosos"

Os dois usaram suas contas no Twitter para repudiar a soltura do ex-presidente

Thalis Araújo
Thalis Araújo
Publicado em 09/11/2019 às 12:24
Notícia
Foto: Agência Brasil
Os dois usaram suas contas no Twitter para repudiar a soltura do ex-presidente - FOTO: Foto: Agência Brasil
Leitura:

Os filhos do presidente da República, Jair Bolsonaro, deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ) usaram suas respectivas contas no Twitter para repudiar a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e demais políticos considerados "criminosos". Lula deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba (PR), na sexta-feira (08), após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que condenados têm o direito à liberdade até o fim de todos os recursos judiciais.

Neste sábado, Carlos Bolsonaro republicou um vídeo em que seu pai pede para a população não dar "munição ao canalha que momentaneamente está livre", sem citar nominalmente o petista. "Calma, cambada de bandido, o Brasil não é de vocês! Comemorem, criminosos! Estão liquidados política e criminalmente! O Brasil vai dar certo!", enfatizou o vereador na postagem.

Confira o Twitter

O deputado federal foi mais taxativo e afirmou, na sexta, que "além de Lula, Zé Dirceu e outros quadrilheiros, milhares de criminosos serão soltos no País, fazendo com que você fique à mercê de seus atos malignos". Eduardo Bolsonaro questionou se é isso que queremos para o Brasil e disse que "lutaremos até o fim".

Confira o Twitter

A publicação ainda vem acompanhada por uma imagem com o texto: "Eles estão rindo da sua cara! O povo brasileiro não aguenta mais temer pela própria vida enquanto vê bandido se dando bem, chega! Repudiamos a soltura do chefe e dos integrantes da quadrilha que destruiu o Brasil, além dos milhares de outros criminosos".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias