COLUNA ENEM E EDUCAÇÃO

O que dá nota zero na redação do Enem

Nesta semana que antecede uma das provas mais temidas pelos candidatos é importante saber as regras de correção

Margarida Azevedo
Margarida Azevedo
Publicado em 14/01/2021 às 13:12
Notícia
BETO DLC/JC Imagem
A estudante Beatriz Barbosa fez uma média de duas redações por semana para treinar - FOTO: BETO DLC/JC Imagem
Leitura:

Em meio à pressão para adiamento das provas e o estresse comum pela aproximação da avaliação, estudantes que farão o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no próximo domingo (17) terão que escrever uma redação, um dos três testes programados para esse dia. Além da dissertação, os 5,7 milhões de inscritos vão responder 45 questões objetivas de ciências humanas e 45 de linguagens. Única prova subjetiva, a redação tem um peso importante na composição final da média e pode ser um diferencial sobretudo para quem deseja ingressar em cursos concorridos como medicina e direito.

Enem: veja pesos e notas mínimas para concorrer na UFPE pelo Sisu 2021

Secretário de Saúde de Pernambuco se diz favorável a novo adiamento do Enem 2020

Nesses dias que antecedem o exame, uma boa dica é relembrar as regras exigidas aos estudantes. Saber, por exemplo, o que dá nota zero ou que os professores vão observar ao corrigir os textos. Essas e outras informações estão reunidas na cartilha do participante, organizada e disponibilizada digitalmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável pelo Enem. O manual mostra também exemplos de textos escritos no exame do ano passado por estudantes que conseguiram a nota máxima, mil pontos.

CONVERSA

Professor de redação de cursinho e do Colégio Dom, em Olinda, no Grande Recife, Alex Inácio sugere que os candidatos aproveitem para conversar com amigos e familiares sobre temas que podem ser cobrados na prova. “Falta pouco tempo. Então o melhor é revisar os textos que escreveu ao longo do ano passado. E debater em casa ou com amigos assuntos atuais que podem ser o tema da prova. Vale também ler. Sempre observando causas, consequências e repercussões sobre o assunto em questão. É uma boa maneira dos pais ajudarem os filhos vestibulandos neste momento”, ressalta.

O professor sugere que o candidato comece pela dissertação. “É a prova mais importante do exame. Quem zera não pode se inscrever no Sisu. Em qualquer outro teste do Enem, ele tem mais chance de não zerar, já que são perguntas com alternativas de respostas", diz Alex. Escrever com letra legível vai ajudar o corretor a entender bem o que o estudante quis passar.

Se o texto tiver até sete linhas não será corrigido. Portanto, deve ter no mínimo oito linhas e no máximo 30. É necessário também conter ao menos três parágrafos, sendo um de introdução, um de desenvolvimento e outro para conclusão. “Caso o vestibulando erre alguma palavra, basta colocar um traço simples nela que o corretor vai entender que deve desconsiderá-la”, observa o professor.

Alex lembra que um dos erros dos feras é inserir frases ou citações sem contextualizá-las. “Para mostrar que tem repertório sociocultural, o aluno decora frases e joga no texto sem fazer ligação com o tema. Não pode, tem que mostrar a relação com os argumentos apresentados”, reforça Alex.

Teste seus conhecimentos sobre atualidades no Quiz JC para o Enem 2020

Conheça os critérios de correção da redação do Enem

INTERVENÇÃO

Professora de redação do Colégio Santa Maria, localizado em Boa Viagem, Zona Sul do Recife, Ana Cristina Verdasca chama a atenção dos candidatos em relação ao tema. “Normalmente o Enem coloca dois eixos temáticos. É preciso ler o tema com calma, circular os elementos que deverão ser desenvolvidos no texto. Por exemplo, se fosse a Persistência da Violência contra a Mulher. O estudante teria que abordar não só a violência contra a mulher, mas a persistência disso”, destaca Ana Cristina. Fuga ao tema também é motivo para zerar a redação.

A professora reforça ainda que o Enem exige que haja uma proposta de intervenção. É a quinta das cinco competências cobradas na prova. Ana Cristina diz que o vestibulando precisa responder quatro perguntas: o que vai ser feito, quem vai fazer, como e para que. “Tem que responder essas questões e detalhá-las. A competência cinco soma 200 pontos”, afirma.

EXPECTATIVA

Beatriz Barbosa, de 17 anos, fera de medicina e aluna do Ginásio Pernambucano da Cabugá, está confiante quanto à redação. “Fiz uma média de duas redações por semana no ano passado. Dá um pouco de ansiedade por causa do tema. Dependendo do assunto conseguirei escrever tranquilamente. Espero que dê tudo certo no próximo domingo. Assisti às aulas da escola e do cursinho, conversei com meus amigos e tive muito apoio dos professores”, afirma.

“Sempre gostei de escrever. No Enem, começo pela redação, fazendo só o esqueleto do texto, com as ideias que pretendo desenvolver. Depois vou para as provas objetivas. Se durante a resolução das questões tiver mais alguma ideia, volto para redação e anoto. No final é que escrevo o texto e passo a limpo”, diz Maria Fernanda Coutinho, 18 anos, estudante de cursinho pré-vestibular. Ela está em dúvida se vai tentar ingressar em medicina ou odontologia.


FIQUE LIGADO!

O que os professores vão avaliar na redação:

Competência 1: Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa
Competência 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa
Competência 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista
Competência 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação
Competência 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos

Levará nota zero na prova de redação o candidato que apresentar uma das características abaixo:

• fuga total ao tema;
• não obediência ao tipo dissertativo-argumentativo
• extensão de até sete linhas manuscritas, qualquer que seja o conteúdo, ou extensão de até dez linhas escritas no sistema Braille
• cópia de texto(s) da prova de Redação e/ou do caderno de questões sem que haja pelo menos oito linhas de produção própria do participante
• impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação, em qualquer parte da folha de redação
• números ou sinais gráficos sem função clara em qualquer parte do texto ou da folha de redação
• parte deliberadamente desconectada do tema proposto
• assinatura, nome, iniciais, apelido, codinome ou rubrica fora do local devidamente designado para a assinatura do participante
• texto predominante ou integralmente escrito em língua estrangeira
• folha de redação em branco, mesmo que haja texto escrito na folha de rascunho
• texto ilegível, que impossibilite sua leitura por dois avaliadores independentes

 

Comentários

Últimas notícias