COLUNA MOBILIDADE

Vacinação dos rodoviários do Grande Recife depende da chegada de novas vacinas, diz secretário estadual de Saúde

Em coletiva de imprensa, André Longo confirmou a intenção de antecipar a imunização, mas detalhou limitações

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 06/05/2021 às 18:04
Notícia
WELINGTON LIMA/JC IMAGEM
Categoria tem feito protestos e condicionou a data de 15 de maio para ter uma resposta sobre a imunização do governo. Caso não consiga ao menos uma previsão, promete levar a proposta de greve por vacinas para votação em assembleia - FOTO: WELINGTON LIMA/JC IMAGEM
Leitura:

O secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, confirmou que o governo do Estado pretende, sim, antecipar a vacinação dos motoristas e cobradores de ônibus da Região Metropolitana do Recife ainda em maio, mas que o processo depende da chegada de mais vacinas durante o fim de semana. Sem essa garantia que permita avançar na imunização das pessoas com comorbidades, gestantes e puérperas, não será possível iniciar a dos rodoviários.

“Sabemos que é uma categoria essencial, que não parou um dia durante a pandemia. Embora esteja prevista no Programa Nacional de Imunização (PNI), o Estado gostaria muito de antecipar a vacinação. Mas tudo vai depender do volume de vacinas enviadas para o Estado”, afirmou.

Pernambuco recebeu nesta quinta-feira (6/5) 165 mil doses da vacina AstraZeneca e, segundo André Longo, são esperadas novas doses de CoronaVac ainda no fim de semana e as primeiras da Pfizer para, no máximo, a segunda-feira (10/5). “Se essas remessas se confirmarem, conseguiremos finalizar a imunização de comorbidades e avançar na segunda dose de idosos e de pessoas com deficiência. E será possível chegar aos trabalhadores essenciais”, disse.

A intenção do Estado era que a imunização possa acontecer ainda em maio, se possível até o dia 15. A decisão ganhou força com os apelos que os rodoviários do Grande Recife têm feito, inclusive com a realização de protestos pela cidade. Na última manifestação, realizada no dia 26/4, a categoria chegou a parar os coletivos no Centro e a apresentar uma carta ao governador Paulo Câmara solicitando um posicionamento. Falou, também, que esperaria até o dia 15 de maio, e que depois dessa data poderia levar a realização de uma greve por vacinas para votação em assembleia.

TIÃO SIQUEIRA/JC IMAGEM
Havia a informação de que, juntos, os profissionais do transporte público coletivo da RMR somariam menos de 20 mil profissionais. Entre 10 mil e 15 mil rodoviários e 1.800 metroviários. Mas o número é ainda menor - FOTO:TIÃO SIQUEIRA/JC IMAGEM

Comentários

Últimas notícias